Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 20 de março de 2011

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n. 158 a 160)

A partir de 21 de março, a trova do dia de Ademar estará na imagem
Mensagens Poéticas n. 160 (20 de março)

Uma Trova Nacional
Aquela rede que um dia
foi nosso ninho perfeito,
hoje balança vazia
na varanda do meu peito.
– FRANCISCO JOSÉ PESSOA/CE –

Uma Trova Potiguar
Nosso casebre, é de palha
de pau-a-pique a parede.
O amor que aqui se agasalha,
dorme comigo na rede!
– PROF. GARCIA/RN –

Uma Trova Premiada

2000 > Barra do Piraí/RJ
Tema > VARANDA > Menção Honrosa

Nossa casa avarandada,
de sonhos e luzes cheia,
hoje é varanda fechada
onde a saudade passeia!
– EDUARDO A. TOLEDO/MG –

Uma Trova de Ademar
Quer saber por onde anda
a saudade adormecida?
Procure lá na varanda,
naquela rede estendida...
– ADEMAR MACEDO/RN –

...E Suas Trovas Ficaram
A saudade às vezes fala,
e até grita - quem diria? -
quando a rede, a sós, se embala
numa varanda vazia.
– MIGUEL RUSSOWSKY/SC –

Simplesmente Poesia

– Diniz Vitorino/PB –
POETA-PINTOR.

Como músico compus hinos singelos
sobre o palco das belas alvoradas,
pintei príncipes dourados e fiz fadas
passeando em varandas de castelos,
terminei, fui olhar os quadros belos,
fitei todos os perfis esculturais,
as imagens ficaram tão reais
que eu mandei uma andar e ela andou,
sou o músico e poeta que pintou
o mais belo dos quadros naturais.

Estrofe do Dia

Sem direito a coberta cama ou rede,
lava o rosto com gotas de neblina,
quando não ta dormindo numa esquina
ta deitado num canto de parede;
passa a noite de sono, fome e sede,
muitas vezes na rua anda despido
pela falta de um resto de tecido
que o lojista negou, mas tem guardado;
ajudar o menor abandonado
é dever que precisa ser cumprido.
– JOÃO PARAIBANO/PB –

Soneto do Dia

– Francisco Macedo/RN –
UM BULE, UMA SAUDADE!

Ontem eu retornei ao meu passado,
e fui, pela saudade que sentia.
Pude rever com certa nostalgia,
um bule de café mal adoçado.

Esperava o meu pai do seu roçado,
mas, meu pai, com certeza, não viria,
pela janela aberta inda se via
os seus rastros, no chão, por ele amado.

Eu mesmo o vi partir no amanhecer,
naquela rede velha de um sofrer,
por homens que sorriam, sem maldade.

Na rede, no seu último caminho,
velho bule encardido, ali sozinho,
amargando o café desta saudade.

Mensagens Poéticas n. 159 (19 de março)

Uma Trova Nacional
- O senhor é sedentário?
E a resposta não demora:
- Não doutor, pelo contrário,
bebo água toda hora!”
– PEDRO ORNELLAS/SP –

Uma Trova Potiguar
Uma miserável mosca,
teve trágico destino...
Morreu prensada na rosca
do parafuso suíno.
– DJALMA MOTA/RN –

Uma Trova Premiada

2009 > Bandeirantes/PR
Tema > CHILIQUE > Venc.

Teve um chilique tão forte
que logo tomou vacina
e se mandou para o norte
temendo a gripe sulina...
– RENATA PACCOLA/SP –

Uma Trova de Ademar
Na “Quinta”, eu andei de banda,
nas “Mensagens”, me dei mal:
matei nossa amiga “Vanda”,
mas hoje a torno imortal!...
– ADEMAR MACEDO/RN –
ESSA BRINCADEIRA É QUE EU COLOQUEI UMA TROVA DE VANDA FAGUNDES NO LOCAL DOS QUE “JÁ PARTIRAM”…E ELA ESTÁ CADA VEZ MAIS VIVA E LINDA!!! (Ademar Macedo)

...E Suas Trovas Ficaram
Com um corpo de violino,
com escrúpulos precários,
Dadá, a mulher do Lino,
se tornou extra de vários!
– LAURO SILVA /SP –

Simplesmente Poesia


GLOSA:
Você querendo ser cão,
no inferno é bom demais!

MOTE:
Todo mundo tem função,
mulher? É só o que tem.
Lá se vive muito bem
você querendo ser cão.
“Transar”, lá é devoção,
cada um que transa mais,
os direitos são iguais,
todo cão tem seu emprego,
toda noite tem chamego...
No inferno é bom demais!
– AUGUSTO MACEDO/RN –

Estrofe do Dia

Eu tenho dito e insisto
que casar não é negócio,
pois o desquite e divórcio
é o que mais eu tenho visto,
eu acho que Jesus Cristo
achou melhor o madeiro
do que ser prisioneiro
dos braços de outra cruz;
vou viver como Jesus,
vida boa é de solteiro!
– ZÉ FERREIRA/CE –

Soneto do Dia

Sérgio Augusto Severo/RN –
SONETO EM TOM DE DESCULPAS.
(Para: Landa)

Eu venho aqui pedir o teu Perdão
e te rogar que tenhas paciência,
Amor, eu culpo a minha sonolência,
aos tais efeitos da medicação.

Ao acordar, remédio já na mão,
“Captopryl” eu tenho que engolir,
mal o entorno, vem logo a seguir,
um elemento a mais dessa “poção”.

... E tomo então as “Neo-Nefedipinas”
que me servem (Tu bem imaginas),
como reguladoras da pressão...

Peço perdão, oh Flor do meu Serrado,
quando estiver, em breve, ao teu lado,
controlarei meu sono, Coração!

Mensagens Poéticas n. 158 (18 de março)

Uma Trova Nacional
Que importa ao dono da cova
laje limpa, vela e flor!
É na vida que se prova
em atenções, o amor!
- ELIANA PALMA/PR-

Uma Trova Potiguar
Realiza meu ideal,
aceita minha inclusão,
não no campo social,
mas, neste teu coração!
- FRANCISCO MACEDO/RN -

Uma Trova Premiada

2004 > ATRN-Natal/RN
Tema > TEATRO > 8º Lugar.

Divino é aquele momento
em que a um artista idolatro,
pela expressão e o talento
na ribalta de um teatro!
- EDMAR JAPIASSÚ MAIA/RJ-

Uma Trova de Ademar
Eu tenho a doce impressão
que Deus usando o poder,
pôs luzes de compaixão
na aurora do meu viver.
- ADEMAR MACEDO/RN -

...E Suas Trovas Ficaram
Flerte, romance de olhares
dizendo, em forma elegante,
mil anseios de luares
traduzidos num instante.
- MIGUEL RUSSOWSKY/SC -

Simplesmente Poesia

CHUVA.

MOTE: (Ademar Macedo/RN)
Desde os tempos de Noé
O mundo pôs-se a saber
Que a manga só cai do pé
Porque não sabe descer.

GLOSA: (Gilson Faustino Maia/RJ)

Desde os tempos de Noé
que, de medo, morre o mundo.
Talvez por falta de fé,
esse pavor é profundo.

Hoje existe a previsão,
o mundo pôs-se a saber,
com grande antecipação,
o dia em que vai chover.

Como filhos de Javé,
devemos acreditar
que a manga só cai do pé
quando Ele determinar.

Veja: o vapor ao subir
faz a chuva acontecer,
liquefaz-se pra cair,
porque não sabe descer.

Estrofe do Dia
Dê uma volta no carro da amizade
puxe oitenta quilômetros de amor,
se desvie da estrada do rancor
dê banguela descendo a humildade
e acenda os faróis da caridade,
ilumine a estrada de um irmão,
baixe o vidro da porta e dê com a mão;
esse gesto é tão simples mais conforta:
amizade é a chave que abre a porta
do castelo onde mora o coração.
- ANTONIO FRANCISCO/RN -

Soneto do Dia

– J. G. de Araújo Jorge/AC –
ADORMECER...

Muitas vezes, no silêncio, enquanto a noite desce
e pousa sobre a terra o seu manto dourado
de estrelas, no meu quarto, a sós, abandonado,
não tenho pelo mundo o mínimo interesse...

Mas, não sei bem dizer... dentro em meu peito cresce
um sonho, e, de repente, eu sinto, consolado
que alguém vem para mim, que alguém vem ao meu lado,
e me diz bem baixinho alguma estranha prece...

Então, tomo da pena, e espero calmamente...
Uma noite, porém, me lembro, adormeci
sentindo esse esplendor de um céu que está contente,

e não pus no papel mais que um nome sequer...
E só quando acordei, na folha branca, eu vi
que apenas tinha escrito um nome me mulher...

Fonte:
Ademar Macedo

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to