Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 19 de janeiro de 2019

Contos e Lendas do Mundo (Irlanda: O Décimo Terceiro Filho do Rei da Irlanda)


Há muito tempo, existiu um rei na Irlanda que teve treze filhos, aos quais, à medida que iam crescendo, ensinou os conhecimentos próprios da sua hierarquia e os exercícios e artes que lhe correspondiam.

Um dia, foi à caça e avistou um cisne com treze crias, que afugentava a décima terceira, para que não se aproximasse das outras.

A atitude despertou particularmente a atenção do monarca, que, quando regressou ao palácio, mandou chamar o Sean dall Glic (velho sábio cego) e disse-lhe:

— Hoje, quando caçava, presenciei uma coisa verdadeiramente assombrosa: um cisne com treze crias enxotava com insistência a décima terceira e conservava as outras doze junto de si. Explica-me a causa e o motivo de semelhante comportamento. Que pode levar uma mãe a odiar um dos seus pequenos e proteger os restantes?

— Vou elucidar-te — respondeu Sean dall Glic. — Todas as criaturas da terra, sejam homens ou animais, que têm treze descendentes, devem pôr de parte o décimo terceiro, para que vagueie só pelo mundo e encontre o seu próprio destino, de modo que a vontade do céu recaia nele e não afete os outros. Ora, tu, que tens treze filhos, deves entregar o décimo terceiro ao Diachbha (divindade, destino).

— É, pois, esse o significado do que aconteceu com o cisne do lago? Devo abandonar o meu décimo terceiro filho ao Diachbha?

— Exatamente. Tens de abandonar um dos treze.

— Mas como, se estimo todos igualmente?

— Deves fazer o seguinte: quando regressarem a casa, esta noite, fecha a porta ao que chegar em último lugar.

Embora nenhum deles fosse menos inteligente ou desembaraçado que os outros, o mais velho, Sean Ruadh, era o melhor, o herói. E aconteceu que, naquela noite, foi o último a chegar a casa, pelo que o pai lhe fechou a porta na cara. O rapaz ergueu os braços e perguntou:

— Que tencionas fazer comigo, pai? Que pretendes?

— É meu dever entregar um dos filhos ao Diachbha e, como foste o décimo terceiro a chegar, tens de ir-te.

— Muito bem. Deem-me roupa para o caminho.

Deram-lha, e depois o pai entregou-lhe o corcel negro, capaz de atingir a velocidade do vento e ultrapassá-la.

Sean Ruadh subiu para a sela e afastou-se rapidamente, seguindo dia após dia sem descanso e dormindo nos bosques, à noite.

Uma manhã, vestiu roupa velha que levava na alfange da sela e, após deixar o corcel no bosque, encaminhou-se para uma clareira. Não havia muito tempo que se encontrava ali, quando se aproximou um rei, o qual se deteve na sua frente.

— Quem és e que fazes aqui? — perguntou o monarca.

— Estou perdido — respondeu Sean Ruadh. — Não sei para onde ir nem o que vou fazer.

— Se é esse o caso, digo-te o que farás: virás comigo.

— Porquê?

— Bem, possuo muitas vacas e não tenho ninguém que se encarregue delas. Também estou a contas com um problema grave: a minha filha sucumbirá a uma morte horrível, muito em breve.

— Como morrerá?

— Há uma urfeist (serpente gigante), um monstro que tem de devorar a filha de um rei de sete em sete anos. No final de cada um desses períodos, surge do mar à procura do seu alimento. Agora, compete à minha, e não sabemos quando a urfeist aparecerá. Todo o castelo e eu próprio já trajamos de luto pela minha infortunada filha.

— Talvez haja alguém que a salve — aventurou o jovem.

— Veio um exército completo de filhos de cavaleiros, que prometeram livrá-la de tão triste fim, mas receio que nenhum se atreva a enfrentar a urfeist.

Sean Ruadh acedeu em servir o rei durante sete anos e acompanhou-o ao castelo.

Na manhã seguinte, conduziu as vacas ao pasto.

Mas, não longe das terras do rei, havia três gigantes que viviam noutros tantos castelos, à vista uns dos outros, e gritavam todas as noites antes de se deitar. O uivo que cada um proferia era tão intenso, que se ouvia à distância.

O jovem levou o gado às terras de um gigante, derrubou o muro e impeliu os animais para dentro. A erva era muito alta, o triplo da de qualquer pastagem do rei.

Enquanto Sean Ruadh estava sentado a vigiar o gado, um gigante aproximou-se a correr e bradou:

— Não sei se te arranque um pedaço de carne e o meta no nariz ou se te aplique uma sova!

— Mal de mim se tivesse vindo para outra coisa que não fosse privar-te da vida.

— Como preferes lutar, nas rochas cinzentas ou com espadas bem aguçadas?

— Lutarei contigo nas rochas cinzentas, onde as tuas longas pernas terão de se dobrar e as minhas permanecerão eretas.

Colocaram-se frente a frente e começaram a pelejar. Na primeira arremetida, Sean Ruadh afundou o adversário até aos joelhos entre as duras rochas cinzentas, na segunda mergulhou-o até à cintura e na terceira até aos ombros.

— Tira-me daqui! — gritou o gigante. — Em troca, dou-te o meu castelo e tudo o que possuo: a minha espada de luz, que nunca falha o primeiro golpe mortal, e o cavalo negro, que atinge a velocidade do vento e até a ultrapassa. Encontra-se tudo aqui, no meu castelo.

Sean Ruadh matou-o e dirigiu-se ao castelo, onde a governanta proferiu:

— Sê bem-vindo! Mataste o sujo gigante que vivia aqui. Acompanha-me, para que te mostre todas as riquezas e tesouros. — Ela abriu a porta da arrecadação e acrescentou: — Tudo o que está aqui é teu. Aceita as chaves do castelo.

— Fica com elas, até que eu volte, outro dia. Acorda-me ao anoitecer. — E Sean Ruadh deitou-se na cama do gigante.

Dormiu até ao pôr do Sol e conduziu o gado do rei de regresso a casa. As vacas nunca haviam dado tanto leite como nessa noite. Tanto como o que produziam anteriormente durante uma semana.

Depois, procurou o rei e perguntou-lhe:

— Que novidades há sobre a tua filha?

— A serpente gigante ainda não apareceu, mas pode chegar amanhã.

— Bem, é possível que amanhã adie a vinda para outro dia.

O monarca ignorava totalmente a força do jovem, pois estava descalço, andrajoso e modestamente ataviado.

Na segunda manhã, Sean Ruadh levou as vacas do rei para as terras do segundo gigante. Este surgiu com as mesmas perguntas e ameaças do primeiro, e o pastor reagiu como na véspera.

Embrenharam-se na luta e quando o gigante estava afundado até aos ombros nas duras rochas cinzentas, disse:

— Dou-te a minha espada de luz e o cavalo negro, se me concederes a vida.

— Onde está a espada?

— Pendurada na parede, por cima da minha cama.

Sean Ruadh correu para o castelo, pegou na espada, que gritou quando a brandiu, mas ele segurou-a com firmeza, regressou ao local onde o gigante se encontrava e perguntou-lhe:

— Onde posso experimentar o fio desta espada?

— Contra um pau.

— Não vejo aqui nenhum pau melhor que a tua cabeça.

Com estas palavras, o jovem cortou-lha. Em seguida, dirigiu-se de novo ao castelo e pendurou a espada no seu lugar.

— Bendito sejas! — exclamou a governanta. — Mataste o gigante. Acompanha-me, para que te mostre todas as suas riquezas e tesouros, agora teus para sempre.

Sean Ruadh encontrou no segundo castelo tesouros ainda mais valiosos que no anterior. Depois de ter visto tudo, devolveu as chaves à governanta, para que as guardasse até ele precisar delas. A seguir, dormiu como na véspera e regressou a casa com as vacas, ao anoitecer.

— A sorte acompanha-me, desde que estás comigo — declarou o rei. — As minhas vacas produzem o triplo do leite.

— Soube-se alguma coisa da urfeist? — perguntou o jovem.

— Hoje também não apareceu — informou o monarca. — Mas pode vir amanhã.

— No terceiro dia, Sean Ruadh saiu com as vacas do rei e conduziu-as às terras do terceiro gigante, o qual irrompeu do castelo e ofereceu luta mais feroz que os seus antecessores, mas o pastor afundou-o entre as rochas cinzentas até que estas lhe chegaram à altura dos ombros e matou-o.

Foi recebido com alegria pela governanta do castelo deste último, que lhe mostrou as riquezas e lhe entregou as chaves, mas ele devolveu-lhas até que as pedisse de novo. Naquela noite as vacas do rei deram mais leite que nunca.

No quarto dia, Sean Ruadh saiu com o gado, mas deteve-se no castelo do primeiro gigante. Em obediência ao seu pedido, a governanta foi buscar a indumentária do antigo amo, que era totalmente preta. Ele vestiu-a e colocou a espada de luz à cintura. Montou então no corcel negro, que atingiu a velocidade do vento e a ultrapassou, seguindo entre o céu e a terra, sem se deter até chegar à praia, onde viu muitas centenas de filhos de cavaleiros e paladinos, ansiosos por salvar a filha do rei, mas que tinham tanto medo da terrível urfeist que não se atreviam a aproximar-se da jovem.

Quando viu esta última e os trêmulos paladinos, Sean Ruadh regressou ao castelo. Pouco depois, o rei avistou, a cavalgar entre o céu e a terra, um desconhecido de aspecto magnífico, que se deteve na sua frente.

— Que é aquilo que vi à beira-mar? — perguntou o desconhecido. — Trata-se de alguma feira ou reunião importante?

— Não sabes que chegou o monstro para destruir a minha filha?

— Essa é nova para mim — declarou, e afastou-se velozmente na sua montada.

O ginete negro não tardou a encontrar-se perante a princesa, sentada, só, numa rocha junto ao mar. Quando olhou o desconhecido, pensou que era o homem mais atraente que já vira, e o seu coração alegrou-se.

— Não tens ninguém que te proteja?

— Ninguém.

— Permites que repouse a cabeça no teu regaço, até que a urfeist apareça? Nessa altura, despertarei.

Pousou a cabeça no regaço da princesa e adormeceu. Entretanto, ela arrancou-lhe três cabelos da cabeça e guardou-os no peito. Acabava de o fazer, quando a urfeist surgiu do mar, imensa como uma ilha e a cuspir água para o ar enquanto se movia. O desconhecido acordou e levantou-se de um salto, disposto a defender a princesa.

A horrível serpente avançou ao longo da beira-mar, em direção à princesa, de boca aberta, tão larga como uma ponte, até que o desconhecido se lhe colocou na frente e bradou:

— Esta mulher é minha, não tua!

Brandiu a espada de luz e cortou a cabeça ao monstro com um único golpe, porém a cabeça regressou prontamente ao seu lugar e cresceu de novo.

Num abrir e fechar de olhos, a urfeist deu meia volta e regressou ao mar, mas, enquanto submergia, ameaçou:

— Voltarei amanhã e tragarei tudo o que se me opuser.

Sean Ruadh montou no corcel negro e afastou-se antes que a princesa o pudesse deter. O coração dela amargurou-se quando o viu cavalgar a toda a velocidade entre o céu e a terra, mais rápido que o vento.

O jovem foi ao castelo do primeiro gigante e deixou lá o cavalo, as roupas e a espada. Depois, dormiu na cama do gigante até anoitecer, quando a governanta o acordou. Em seguida, conduziu as vacas a casa, procurou o rei e perguntou-lhe:

— Como correram hoje as coisas para a tua filha?

— A urfeist surgiu do mar para a levar, mas apareceu um paladino extraordinário, que cavalgava entre o céu e a terra.

— Quem era?

— Bem, agora há muitos homens que dizem ser ele. Mas a minha filha ainda não está totalmente a salvo, pois a urfeist jurou voltar amanhã.

— Não te preocupes. Talvez apareça outro paladino.

Na manhã seguinte, Sean Ruadh levou as vacas do rei às terras do segundo gigante, deixou-as a pastar, e visitou o castelo, onde foi recebido cordialmente pela governanta, que lhe disse:

— Sê bem-vindo. Aqui me tens ao teu dispor, e encontra-se tudo em ordem.

— Traz-me o cavalo castanho e prepara-me o vestuário e a espada do gigante.

Ela levou-lhe as roupas, o esplêndido traje azul do segundo gigante e a espada de luz. Sean Ruadh envergou a nova indumentária, pegou na espada, subiu para a sela do cavalo castanho e cavalgou velozmente entre o céu e a terra com o triplo da rapidez do dia anterior.

Primeiro, foi até à beira-mar e viu a filha do rei sentada, só, na rocha, e os príncipes e os paladinos afastados dela, a tremer de medo. Depois, cavalgou até onde estava o monarca, perguntou o motivo da multidão que enchia a praia e recebeu a mesma resposta da véspera.

— Não haverá homem algum que a proteja? — perguntou o jovem.

— Bem, há muitos que prometeram salvá-la e afirmam que são valentes, mas nenhum desembainhará a espada para enfrentar a urfeist, quando surgir do mar.

Sean Ruadh afastou-se antes que o rei se desse conta e encaminhou-se para onde a princesa se encontrava, vestindo o traje azul e com a espada de luz à cintura.

— Não há ninguém que te proteja?

— Ninguém.

— Permite-me repousar a cabeça no teu regaço, e acorda-me quando a urfeist aparecer.

Pousou a cabeça no regaço da princesa e, enquanto dormia, ela retirou os três cabelos do peito arrancados na véspera, comparou-os com os dele e murmurou:

— És o homem que esteve aqui ontem.

Quando a urfeist surgiu, vinda do mar, ela acordou o desconhecido, que se levantou de um salto e correu para a praia.

Movendo-se com maior rapidez e levantando mais água que no dia anterior, o monstro chegou à praia com a boca aberta. Sean Ruadh tornou a interpor-se no seu caminho e, com uma única arremetida da espada, cortou a urfeist ao meio. No entanto, as duas partes voltaram a unir-se rapidamente, formando um único corpo como dantes.

Em seguida, a serpente regressou ao mar, enquanto ameaçava:

— Nem todos os paladinos do mundo a salvarão, amanhã!

O jovem montou imediatamente no seu corcel e regressou ao castelo, deixando a princesa desesperada com o afastamento do único homem que se atrevera a protegê-la.

Sean Ruadh vestiu a roupa habitual e conduziu as vacas ao estábulo, como sempre.

— Um paladino desconhecido, todo trajado de azul, salvou a minha filha, hoje — comunicou-lhe o monarca. — Mas está muito pesarosa, porque ele desapareceu.

— Bem, isso é uma ninharia, pois a sua vida está a salvo.

Naquela noite, houve uma festa no castelo do rei, para a qual todos foram convidados, e a alegria iluminava os rostos porque a princesa se encontrava de novo sã e salva.

No dia seguinte, Sean Ruadh conduziu as vacas ao pasto do terceiro gigante, dirigiu-se ao castelo e pediu à governanta que lhe trouxesse a espada do gigante e o vestuário e levasse o corcel vermelho para a entrada. A indumentária do terceiro gigante tinha antas cores como as que existem no firmamento, enquanto as botas eram de cristal azul.

Assim trajado e montado no cavalo vermelho, o jovem era o homem mais atraente do mundo. Quando se preparava para partir, a governanta disse-lhe:

— Desta vez, a serpente estará tão enfurecida que nenhuma arma a poderá deter. Surgirá do mar com três enormes espadas a irromperem-lhe da boca, e poderia reduzir o mundo inteiro a picado e tragá-lo, se se lhe opusesse. Só há uma maneira de a vencer, e vou ensinar-ta. Leva esta maçã castanha e, quando a urfeist surgir impetuosamente do mar, atira-lha à garganta. Verás então que se afundará e dará à costa, morta.

Sean Ruadh cavalgou no corcel vermelho entre o céu e a terra, ao triplo da velocidade do dia anterior. Avistou a donzela sentada, só, na rocha e os trêmulos cavaleiros à distância, a aguardar os acontecimentos, assim como o rei a ansiar por que aparecesse alguém que lhe salvasse a filha. Em seguida, o jovem aproximou-se dela e pousou a cabeça no seu regaço. Quando viu que adormecera, ela retirou do peito os três cabelos que arrancara da primeira vez, comparou-os com os da cabeça de Sean Ruadh e disse:

— És o homem que me salvou ontem.

A urfeist não se fez esperar. A princesa acordou o jovem, que se ergueu de um salto e se encaminhou para o mar. A serpente era enorme — metia medo só de a olhar -, com uma boca tão grande que podia tragar o mundo e da qual emergiam três aguçadas espadas. Quando o viu, avançou demolidoramente com um rugido terrível, porém ele atirou-lhe a maçã à garganta, e o monstro caiu indefeso na praia, para se desfazer numa gelatina espessa e hedionda, à beira-mar.

Em seguida, Sean Ruadh voltou-se para a princesa e anunciou:

— A urfeist não voltará a molestar ninguém.

Ela correu e tentou detê-lo, mas já estava montado no corcel vermelho, a cavalgar entre o céu e a terra, antes de poder impedi-lo. No entanto, segurou-se com tanta força a uma das botas de cristal azul, que Sean Ruadh teve de lha abandonar nas mãos.

Quando, naquela noite, ele levou as vacas para o estábulo, perguntou ao rei:

— Que sabes da urfeist?

— A sorte não me desampara, desde que estás comigo — respondeu o monarca. — Um paladino que trajava com todas as cores do firmamento e cavalgava um corcel vermelho entre o céu e a terra, destruiu hoje a serpente. A minha filha está a salvo para sempre, mas ameaça suicidar-se porque não tem a seu lado o homem que a libertou do terrível destino.

Naquela noite, realizou-se uma festa no castelo do rei, com uma pompa jamais vista. Os salões estavam a abarrotar de príncipes e paladinos, que proclamavam:

— Fui eu que salvei a princesa!

O monarca mandou chamar o Sean dali Glic e perguntou o que devia fazer para encontrar o homem que salvara realmente a filha. A resposta foi a seguinte:

— Manda divulgar por todo o mundo que o homem cujo pé se adapte à bota de cristal azul é o paladino que matou a urfeist e a quem concederás a princesa em casamento.

E o rei fez circular por todo o mundo a informação de que os candidatos deviam vir experimentar a bota. Todavia, a uns ficava demasiado grande e a outros demasiado pequena. No final de todas as experiências infrutíferas, Sean dall Glic lembrou:

— Todos se sujeitaram à experiência, exceto o pastor.

— Ora, esse anda sempre nos pastos, com as vacas! Para quê perder tempo com ele?

— Isso não interessa. Encarrega vinte homens de o ir buscar.

O rei assim fez, e os vinte homens foram encontrar o pastor a dormir à sombra de um muro de pedra. Quando começavam a fazer uma corda de feno para o atar, acordou e preparou vinte cordas antes que eles terminassem a primeira. Em seguida, lançou-se-lhes em cima, atou-os num fardo e pendurou-o no muro.

Entretanto, no castelo, fartaram-se de esperar pelos vinte homens que regressariam com o pastor, até que o rei enviou mais vinte, munidos de espadas, para averiguarem o motivo da demora.

Quando se encontraram perante Sean Ruadh, eles principiaram a fazer uma corda para o atar, mas o pastor preparou vinte antes que concluíssem a primeira e, por muito que se debatessem, atou-os num fardo, que pendurou no muro ao lado do outro. Como nenhum dos dois grupos reaparecia, Sean dall Glic indicou ao rei:

— Vai prostrar-te diante do pastor, porque atou quarenta homens em dois fardos e os fardos entre si.

O monarca foi na verdade prostrar-se perante o pastor, que o mandou levantar e perguntou:

— A que propósito vem isto?

— Tens de experimentar a bota de cristal.

— Não posso, pois tenho o meu trabalho aqui.

— Não te preocupes. Regressarás a tempo de o completar.

O pastor libertou os quarenta homens e acompanhou o rei. Quando chegaram ao castelo, viu a princesa, nos seus aposentos, dois pisos acima da entrada, e a bota de cristal no peitoril da janela.

Naquele momento, a bota saltou de lá, cruzou o espaço na direção dele e ajustou-se-lhe ao pé. A princesa desceu  num abrir e fechar de olhos e aninhou-se nos braços do jovem.

O castelo estava cheio de cavaleiros e paladinos, que proclamavam que tinham sido eles a salvar a princesa.

— Que fazem aqui todos estes homens? — perguntou Sean Ruadh, surpreendido.

— Ora! — replicou o rei. — Tentavam calçar a bota. Ato contínuo, o jovem desembainhou a espada, decapitou todos e lançou as cabeças e os corpos à montureira nas traseiras do castelo.

O rei enviou navios com mensageiros a todos os monarcas e rainhas do mundo — de Espanha, França, Grécia e Dinamarca, e a Diarmuid, filho do rei da luz -, para que assistissem ao enlace de sua filha com Sean Ruadh.

Depois da boda, este último foi viver com a esposa para o reino dos gigantes e deixou o sogro nas suas próprias terras.

Fonte

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to