Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 5 de outubro de 2013

Ciranda da Primavera (Seleção por Simone Borba Pinheiro) Parte 6

Retrato
MARIA ALICE ESTRELLA

-
Das marcas que trago no rosto,
muitas recordam as dores,
outras revelam os risos
de um tempo que se perdeu,
mas deixou o seu retrato
nos riscos e cicatrizes,
que lapidaram minha face
como jóia de saudade,
pedra preciosa de emoções raras,
profundas e sempre vivas.
Afinal, tenho um tesouro
que insiste em refletir
no espelho fiel,
os olhos da menina
que, ainda, brilham
nas memórias de sentir.
===================

Prima Vera
MARIA APARECIDA FELIZOLA


I
Na casa da prima Vera
Há caramanchões de primaveras
Plantadas em plena primavera
II
Todos os anos a prima Vera
poda as primaveras
que na primavera
encanta a casa dela
III
A casa da prima Vera
Fica na viela da Vila
da Ponte velha
VI
È primavera vermelha
È primavera rosa
É primavera laranja
É primavera branca
VII
Enfim um festival de primaveras
Que encanta não só a
Casa da prima Vera
mas toda a viela
da Ponte Velha.
VII
Venham todos à viela
Da Ponte Velha
Apreciar as primaveras
Da casa da prima Vera
Em plena primavera
========================

Noites Criativas da Primavera
MARIA REGINA MOURA RIBEIRO


No verão, minha alma canta...
na primavera, meu coração versos cria...
no outono, meu corpo dança...,
e no inverno, eu me entrego aos sonhos.
Prefiro as noites criativas da primavera...
======================

Primavera I
MARICI BROSS


Estação das flores
É a Primavera que chega
Cheia de vida e cores
É a estação do amor
A estação das cores
Dos sabores.

Viver, amar, desfrutar
Deste belo amanhecer
Cheio de magia e beleza

Ah! Estação do Amor
Estação da vida
Seja bem-vinda!
Traga amor e vida
A este coração cansado.

Traga a beleza de suas cores
A suavidade de suas flores
Traga o amor
Traga a vida a este coração
De muito amor.
=====================

Há de vingar o amor
MARILENA TRUJILLO


Lágrimas brilham em meu olhar,
Dolorosa saudade me invade...
Onde ficou o nosso amor, repleto
De ternura, desejo e cumplicidade?

A primavera chegou, seu perfume
Está no ar. Flores enfeitam a cidade,
Pássaros entoam hinos à natureza...
Namorados se beijam com suavidade.

Plantas se vestem de esperança, rosas
Desabrocham cor de sangue, cor de vida.
Sons, odores, vaga-lumes em plena festa...
Há de vingar o amor, de cicatrizar a ferida...

As nuvens negras, assustadas se foram...
Volto para seus braços, para os seus beijos,
Enfeitiçada pela estação, como uma borboleta
Colorida, esvoaçando, acariciando os arvoredos!
=======================

O Ipê Roxo
MÁRIO OSNY ROSA


Naquela roxa flor
A beleza que ali impera.
Ela o anunciador
Logo vem a bela primavera.

O belo jardim florido
Com olhinhos de boneca.
Seu perfume sentido
No momento nem se peca.

Azaléias e hibisco
Roseira e seus botões.
Ninguém logo resiste
Nessa sua bela floração.

Seu perfume a exalar
Que delicia essa viver.
Contaminando o ar
Na primavera conviver.
===========================

Primavera Esperada
NADIR A D'ONOFRIO


Hoje acordei feliz,
Olhei para o sol e sorri.
Chegou, a mais bela estação primavera!
Flores enfeitando as janelas...

Fragrâncias suaves,
Borboletas e abelhas,
As flores fecundando.
Colibris, como jóias cintilando!

Os pássaros no ritual do amor,
Andorinhas em revoada.
Minha sabiá...mais uma vez,
Seu ninho, sobre a porta da cozinha fez!

É a vida seu ciclo renovando,
Uns partindo, outros chegando.
Eu...nesse jardim à esperar,
Assim, nosso antigo caso recomeçar...

Eu quero e você quer também,
Ser feliz...outra uma vez.
Ter o céu e o mar para testemunhar
Um grande amor que nunca...vai terminar!

Quero viver nessa estação,
Em total plenitude, como no verão!
Dar asas à imaginação,
Poder te amar...como ordena...meu coração!
================================

Mãe Natureza
NÁDYA HAUA


O dia amanheceu triste e nublado
Há nuvens pesadas no céu
Sinto a mãe natureza grávida...
Atrás dessas nuvens negras
Um ser se esforça para nascer...
O vento age como o soro
As nuvens são as fortes contrações
Movimentando-se rapidamente
outrora lentas...
A mãe natureza vai conseguir
Um brilho quente desponta agora
A vida está surgindo em forma de luz
A mãe natureza vai ser mãe
É primavera!
E o sol acaba de nascer...
===========================

Primavera e Espera
NANY SCHNEIDER


Chegou setembro, mês de esperanças.
Já se renovam velhas lembranças.
Trazendo ares de muitas mudanças.
E a saudade de tantas andanças....

Chegou setembro, estação das flores.
Sentindo ao longe, aromas e odores.
Vindos de sonhos de antigos amores.
Flores nascendo em todas as cores.

Chegou setembro, com ele o calor.
Das noites amenas, cheias de ardor.
Antevendo o gosto, sentindo o sabor.
Da tão esperada volta do amor.

Chegou setembro, de aves cantantes.
De polens trocados por abelhas errantes.
Movimento suave de relvas ondulantes.
Onde se faz cama a muitos amantes.

Eis a Primavera a cantar.
Versos mágicos a encantar.
Mais uma vez sente-se clamar,
A natureza inteira, para se amar...
=============================

Te fuiste en Primavera
NORA LANZIERI


Las mañanas para mi, ya no tienen sentido.
Salir corriendo,
el colectivo, ¿estarás en la parada?
o llegarás tarde ¿cómo tantas veces?.

Y los sueños, ¿recuerdas?
El amor de tu “Nacho”
el amor de mi, “Adrián”…
que lindo haber vivido
esa etapa de felicidad.

Un día… el segundo y el tercero,
ya no esperabas el colectivo
mis ojos solo te buscaban a ti…
a ti ¡Amiga!, que tanto compartíamos.

Te fuiste lentamente, sin decirme nada,
como el mar con sus olas
se aleja de la orilla sin decir adiós.
Así fue tu partida.
Nuestros secretos quedarán sellados
en el vaivén de un viaje en colectivo,
cuando el otoño lánguidamente vuelva a nacer
cada año y la primavera traiga el aroma profundo
de la nueva estación enamorada.

Fonte:
Seleção por Simone Borba Pinheiro. in http://www.familiaborbapinheiro.com

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to