Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Nilto Maciel (Contistas do Ceará) Outros Contistas – Roberto Amaral

                Roberto Amaral (R. Átila A. Vieira) nasceu em Fortaleza, 1940. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1970. Graduou-se como bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará, em 1964. No ano seguinte, formou-se em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Ceará. Autor de mais de duas dezenas de livros na área da ciência-política-comunicação-direito, publicou também Viagem e Outras Estórias (contos), São Paulo: Brasiliense, 1991; Não Há Noite Tão Longa (romance), Rio de Janeiro: Record, 1996, e Limites (contos), Rio de Janeiro: Record, 1999.

                Há muito se preconiza que a falta de tempo para leitura tem levado os escritores a escreverem poemas e contos curtos. E, em razão disso, o romance seria gênero do passado. Entretanto, publicam-se todo ano milhares de romances no mundo. E a maioria dos contistas não se deixou seduzir pela fórmula do chamado miniconto. Roberto Amaral é um deles. Algumas de suas narrativas chegam a mais de vinte páginas. Esse fôlego de atleta empurra o ficcionista para caminhos mais largos e longos, que aproximam suas composições de pequenas novelas. Assim, nele o tempo é sempre dilatado. Não se contenta com flashes, flagrantes, um só episódio. “Pessach” subdivide-se em três momentos. Essa “mudança de foco” ocorre em outras peças. Em “Amor” primeiro se vê Mariazinha num quarto de hotel. No meio da história surge “o velho Praxedes”, pai da moça citada, e Dr. Santana, futuro marido dela. Novo hiato, e Marizinha reaparece em retrospecto, ao encontro do novo amor, o jovem Janjão. E, ao final, a cena do hotel se completa. O desfecho é o flagrante do adultério: “quando se deparam (Mariazinha e Janjão) com os olhos esbugalhados do juiz”.

                Em “Conto das águas” diversos episódios se costuram cronologicamente e até iludem o leitor. Melquíades, o protagonista, se mostra em luta com as formigas que invadem a casa. O leitor não entende logo que as inimigas do homem sejam formigas: “elas permaneciam inatingíveis e invulneráveis”, o que acontece na terceira página: “Vêm desde cedo, irmãos siameses, o ódio e a repugnância às formigas.” Não compreende também que o narrador prepara sua atenção para uma longa chuva e que as formigas não terão mais nenhuma importância na obra. E a mudança de foco se dá de forma abrupta: “Foi nesse exato momento, numa dessas noites, que o céu iluminou a cozinha e depois despencou sobre sua cabeça”. Consciente de sua arte, Roberto Amaral não permite ao leitor se dizer enganado: as formigas simplesmente anunciaram a tempestade.

                O ficcionista não se limita ao espaço geográfico de uma cidade, imaginária ou real. Os episódios de suas composições transcorrem em pequenas cidades, em Fortaleza, no Rio de Janeiro, em Paris, etc. Em “Você vai morrer” a cidade pequena aparece logo no início da narrativa. O narrador a chama de vila, embora se refira a uma avenida, a um mercado, a uma rua e uma praça. Mais adiante se sabe onde se localiza a tal vila: no Nordeste brasileiro, pela referência a “anos de seca” e penitentes. Na sequência da narração, o leitor percebe com mais nitidez onde vivem os personagens: no Ceará, pela menção de alguns topônimos (Canindé, Quixadá, Joazeiro (sic) do Norte, Guaramiranga) e nomes históricos (padre Cícero, beata Maria de Araújo). “Pessach” tem como espaço geográfico o Rio de Janeiro. E não são meras citações de nomes de logradouros e bairros. O personagem percorre as ruas e o narrador descreve o espaço como se filmasse. Em “Amor” o escritor volta ao Ceará. Narrações/descrições do centro da cidade conduzem o leitor pela mão, em passeio saudosista, sem deixar de lado a citação de nomes de velhos logradouros e prédios históricos. O mesmo se vê em “Feliz Natal”, com as referências ao tradicional diário O Povo e à Livraria do Edésio. E em “Conto das águas”, quando diz que a “estreita Domingos Olímpio estava alagada”. Hoje a avenida é larga, mas ainda se alaga quando chove. O alagamento da cidade de Fortaleza é descrito com perfeição.

                Os longos períodos de seca têm inspirado ficcionistas nordestinos, desde o século XIX, a criar romances e contos de retirantes. Por outro lado, essa mesma escassez de água tem induzido escritores do Nordeste a “inventar” chuvas, aguaceiros, muitas águas – o que também sucede, é claro, mas nunca como em outras regiões do país. Assim, Caio Porfírio Carneiro escreveu a coleção Chuva, os dez cavaleiros, em que todas as histórias têm como pano de fundo a chuva. Roberto Amaral não escapou desse sonho de nordestino: algumas de suas histórias estão repletas de água. O próprio título de um deles – “Conto das águas” – bastaria para ilustrar este argumento. Uma frase – “quando se viu chover tanto assim no Ceará?” – mostra o “horror” vivido pela população cearense naquele ano de tanta chuva, quando todos os açudes do Estado estiveram cheios “e o Orós pegou sua lâmina mais alta, desde que a barragem foi construída”. Como se descrevesse o dilúvio, o narrador encerra a história assim: “As águas continuaram subindo.”

                Os personagens de Roberto Amaral são quase sempre trágicos ou lembram os heróis e as heroínas dos romances realistas europeus do século XIX, de Shakespeare, dos gregos. O clima de tragédia percorre todas as linhas de “Você vai morrer!”. Há mesmo um quê de helenismo nesta peça, como no nome de uma personagem, Helena, inconsolada, com a morte do marido, desde moça até a velhice. A epígrafe de “Sentença” – “A vida é uma triste armadilha”, Tchekhov – referenda este raciocínio.

                Outros personagens do escritor parecem menos trágicos, como os de “Pessach”, judeus brasileiros. Entretanto, o principal tema da obra é a solidão, a velhice, a proximidade da morte, tão presente em Abrão, apegado ao comércio, aos livros, aos sonhos, às preocupações. Chegado aos 60 anos, sentia que a vida era “uma pequena solidão que caminha para a solidão absoluta”. Mariazinha, de “Amor”, tem muito daquelas mulheres dos romances realistas franceses. No enigmático “Feliz Natal” também é explorado o tema da solidão e da morte. Estranhamente, o protagonista é chamado apenas de Advogado, como se este fosse seu nome. Melquíades, de “Conto das águas”, não chega a ser trágico. Talvez patético, primeiro em sua luta desesperada com as formigas, depois com a chuva que não pára. Sua impotência, sua fraqueza, ele que sempre fora tão correto, tão civilizado, tão cumpridor dos deveres.

                Construídas nos moldes das narrativas tradicionais, as composições ficcionais de Roberto Amaral têm certo ímã, ainda mais porque sua linguagem não se alimenta de modismos, malabarismos e outros “ismos”. Entretanto, o ensaísta (ele é autor de 16 livros de ensaios) ainda não se distanciou totalmente do contista. Alguns contos poderiam ser mais enxutos, menos informativos, menos recheados de sociologia. Mas, mesmo assim, os limites da prosa ficcional de Roberto Amaral são largos.

Fonte:
MACIEL, Nilto. Contistas do Ceará: D’A Quinzena ao Caos Portátil. Fortaleza/CE: Imprece, 2008.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to