Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Nilto Maciel (Contistas do Ceará) – Outros Contistas – Maria Thereza Leite

    
        Maria Thereza Leite nasceu em Fortaleza. Cursou jornalismo na Universidade Católica do Rio de Janeiro. Pós-graduação na UECE. Ganhadora de diversos prêmios literários. Estreou em livro com Mosaicos, contos, em 2003. Passagem Secreta para a Lua, também de contos, é de 2007.

            Depois de submeter contos ao olhar de leitores experientes, em concursos, Maria Thereza Leite reuniu no volume Mosaicos algumas daquelas peças e outras inéditas. Apenas uma pode ser considerada curta: “Quando nós éramos pássaros”, com pouco mais de duas páginas. As demais vão de quatro a dezessete. Umas são narradas por protagonista; outras, por narrador onisciente. Os tradicionais diálogos antecedidos de travessão foram abolidos. No entanto, o que sobressai nessas narrativas é o uso constante do discurso indireto livre e do monólogo interior, num ir e vir do foco narrativo, ora em direção ao ser fictício e suas introspecções, ora voltado para o exterior, o ambiente ou o fato, seja ele pretérito ou presente.

Assim, o protagonista de “Mosaicos” inicia a narração com Ana a se balançar numa rede e a vasculhar os céus com o tubo formado pelas mãos, “à guisa de telescópio”. Ao mesmo tempo, descreve o ambiente: os armadores da parede, a varanda de labirinto da rede, os telhados das casas, os prédios, as luzes da cidade, a abóbada celeste. A seguir, como se a luz se apagasse, como se personagem e lugar se envolvessem em sombras, o narrador penetra na alma de Ana e lhe concede a oportunidade de falar ou monologar: “Pois contrariando todas as expectativas, ela estava ali, viva. E sentia-se feliz”. Não exatamente, isto, porque ainda o verbo se emprega na terceira pessoa. No entanto, não há episódios, mas somente flashes do passado, seguidos de análises psicológicas, considerações, observações. Os verbos inativos, por isso, substituem os de ação.

Na apresentação da obra, Carlos Augusto Viana observa: (...) “os contos comportam, ao mesmo tempo, dois motivos: o factual e as ondulações psíquicas, isto é, uma história dentro de outra história”. Verifique-se a construção de “A Desconhecida”. Logo na abertura o narrador se refere à protagonista, que até o final não terá o nome explicitado: “Desde muito pequena, começara a ouvir histórias incomuns narradas por pessoas que iam passando próximas a ela”. Ou seja, a personagem desde menina ia colhendo pedaços de uma história, da história de sua família, de uma desconhecida com quem convivia. “Contavam como aquela mulher vestida de preto (...) retornara à sua cidade natal”. A história se avolumava, aos poucos, para a menina. (...) “Mais adiante (...) os narradores procuravam outras maneiras de tecer hipóteses” (...). Veja-se o constante emprego de vocábulos próprios da teoria da narração. “Precipitados, eles esqueciam que as histórias tinham seus começos” (...). Ou seja, os narradores se precipitavam e esqueciam o início do drama, começando pelo meio ou final. “Mais adiante, quando as dores se deram por amainadas, as narrativas puderam tomar outros rumos” (...). Porque os contos não são lineares, se bifurcam, se estilhaçam. “Os contadores de histórias, já velhos, depois de levarem a filha da desconhecida a passear em paisagens antigas, para melhor se fazer compreender, resolveram entregar as provas de que ela era a herdeira de todas aquelas narrativas”. A menina seria, então, a narradora ou a dona dos dramas. Mais adiante, quase no final, se lê: “Não havia mais o que contar”. A peça ficcional se completava, alcançava o final.

Nos contos de feição tradicional, de enredo plenamente ordenado, em que o descritivo narrativo linear se manifesta com mais ênfase, os personagens são retratos, figuras, seres com feições e nomes próprios. Nas composições modernas e pós-modernas ou sem ação externa, introspectivas, eles tendem a perder as formas, os contornos e até os nomes. São como retratos psicológicos, sem rostos, sem traços característicos, muitas vezes. Ana, de “Mosaicos”, era “moça doente” e só. A protagonista de “A Desconhecida”, assim como os demais seres fictícios, parece totalmente opaca. O narrador de “A angústia das árvores do parque” é um homem a caminhar sozinho num parque. Em “Quando nós éramos pássaros” os seres fictícios são apenas “ele” e “ela”. Quando os nomes são mencionados, como Clara e Vicência, de “Um varal novo para o ‘inverno’”, o que mais importa são a casa, o sítio, as árvores, os bonecos de pano, o tempo a escoar.

Os conflitos nos contos de Maria Thereza Leite são de natureza subjetiva. Os personagens se debatem na solidão, se voltam para dentro de si mesmos, afundam em introspecções, como se não participassem de ações reais. A paisagem é como uma figura colada na parede. O tempo passa e o personagem, ao acordar do torpor, olha para o mundo e é como se não tivesse percebido que também a paisagem muda, as velhas construções são substituídas por outras (casarões por prédios), o mato dá lugar a ruas. “Logo Ana se viu só na casa paterna de corredores vazios, cozinha sem cheiros e salas mudas, onde a craviúna, outrora polida a óleo de peroba, se tornava opaca pela fina poeira”. O protagonista de “A angústia das árvores do parque” relembra um passeio ao parque: “Tudo estava cinza e pesado, num alvorecer chuvoso que não conseguia clarear”. E durante toda a narração prepara o leitor para o desfecho: as árvores choravam e com ele conversavam, como se quisessem avisá-lo da tragédia ocorrida havia pouco. Por isso, os seres não são vazios, bonecos de pano, mas, antes, complexos, em permanente conflito interior.

O espaço da ação nos contos de Mosaicos é essencial para a movimentação interior dos protagonistas. O alpendre onde Ana se balançava, deitada numa rede, e de onde podia ver as estrelas, possibilitava o ir e vir do “emaranhado de lembranças” que a fazia acordada até o amanhecer. O parque, suas alamedas, “as verdes copas das árvores”, “a capela branca do outro lado da rua” – nesse ambiente bucólico se desenhava a tragédia que iria marcar a vida do narrador de “A angústia das árvores do parque”. A casa de “Não perca tempo olhando ursos prateados”, com seu portão de ferro, o alpendre, “as tábuas corridas do nobre angico”, as persianas e a televisão a mostrar “enormes ursos prateados” a tomarem refrigerante, é nessa casa que a personagem se debate em dúvidas. Por isso a importância do olhar nas composições de Maria Thereza Leite. Como o de Ana, a vasculhar os céus, a olhar estrelas. Ou o do homem do parque, a querer ver o voltear alegre de carrossel ou um leve aceno, enquanto as árvores o observavam. Como o do “colecionador de vitrines”, a olhar a exposição dos artigos de luxo e se ver refletido no espelho. Depois, no alto da árvore de Natal, “podia ver lá em baixo, à frente, o mar e o enorme e escuro navio ancorado”. Ao chegar ao topo, podia ver o mundo. E lançar-se ao espaço. Dos mais significativos nesse aspecto é “O ‘olho da libélula’”. Seu Francisco captura uma libélula para o menino e explica: “Ela tinha também o maior olho proporcional do reino animal, com o cristalino multifacetado, o que lhe permitia enxergar a imagem de um objeto, repetida, vinte e quatro vezes”.

Enquanto os personagens olham e veem o mundo, suas partículas, sejam estrelas, sejam grãos de areia, os narradores transformam esses olhares em sons, em palavras. Pois é possível ouvir estrelas, como poetizou Bilac.

Mosaicos são pavimentos de ladrilhos variegados, desenhos, peças de cores, para serem vistos. Se são mosaicos interiores, são pavimentos para serem vistos por todos os sentidos. Pois quando o olhar é proibido, os ouvidos assumem o lugar dos olhos. A menina de “A desconhecida” é toda ouvidos, para escutar as narrativas que se contam na casa onde vive. Mas até ouvir não lhe é permitido: “Uma criança pequena não precisava ouvir aquelas histórias desmedidas”.

Assim são os mosaicos sonoros de Maria Thereza Leite.

Fonte:
MACIEL, Nilto. Contistas do Ceará: D’A Quinzena ao Caos Portátil. Fortaleza/CE: Imprece, 2008.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to