Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Nilto Maciel (Contistas do Ceará) Ronaldo Correia de Brito

Ronaldo Correia de Brito (Saboeiro, 1950) aos cinco anos mudou-se para o Crato e aos dezoito para Recife, onde estudou medicina. Teatrólogo e ficcionista. Escreveu teatro para crianças: O Baile do Menino Deus, Bandeira de São João, O Pavão Misterioso e Arlequim; teatro para adultos: O Reino Desejado, Retratos de Mãe, Malassombro, Auto das Portas do Céu e Os Desencantos do Diabo. Também roteiros de documentários e filmes para televisão e cinema: Lua Cambará (Longa metragem para a TV Cultura), Caboclinhos (Documentário para a TV Universitária), Brincadeira de Mateus (Documentário para a TV Universitária), Cavaleiro Reisado (Documentário para cinema), Brincadeira de Reisado (Documentário para cinema), Maracatus (Documentário sobre para a TV BBC); além dos livros de contos: Três Histórias na Noite (Prêmio Governo do Estado de Pernambuco de 1989), As Noites e os Dias (Recife: Ed. Bagaço, 1996), Faca (São Paulo: Ed. Cosac & Naif, 2003) e O Livro dos Homens (São Paulo: Ed. Cosac & Naif, 2005).

As histórias de Faca enfocam o ambiente do sertão cearense, num tempo aparentemente indefinido. Na primeira, Velho espera a volante policial, expressão em voga no tempo do cangaço. Em outra, Catarina vive do passado, a pedir ao filho a leitura de árvores genealógicas, que remontam ao início do povoamento português das terras nordestinas. Passado de riquezas; presente de quase miséria: “Não somos mais nada. Da família só guardamos o piano, uns móveis capengas e essa casa, ameaçando ruir”. Também os utensílios domésticos e vestes remetem a um tempo morto: candeeiros, lamparina a querosene, cumbuca, camisa de madapolão.

Os Sertões pode ser considerado o marco de uma literatura brasileira voltada para a interiorização do foco narrativo, que desaguaria no Romance de 30 e, depois, em Guimarães Rosa e Ariano Suassuna. E não só isso, mas, sobretudo, o enfoque de um período histórico que vai da desagregação do aparato feudal das propriedades rurais, os latifúndios, passando pelo desmoronamento dos engenhos de açúcar, o surgimento do cangaço, até o início da agroindústria, isto é, a implementação de um capitalismo de Estado (Sudene). Pois enquanto a industrialização se desenvolvia na Europa, com o fortalecimento dos Estados nacionais, em Canudos tropas legais massacravam uma comunidade medieval. Pois a Idade Média brasileira teve início quando na Europa o feudalismo estertorava. E terminou quando lá o capitalismo chegava ao apogeu. Enquanto na Rússia acontecia a revolução socialista, no Nordeste brasileiro, bandoleiros sem ideologia política enfrentavam volantes policiais, como se aqui o Estado ainda não estivesse constituído.

Ronaldo Correia de Brito é o retratista mais moderno desse mundo decadente. Com uma linguagem nova, retrata o ambiente sertanejo daquele período histórico, porém voltado para o microcosmo familiar, as desavenças entre greis ou no interior de clãs semifeudais do Nordeste brasileiro. O próprio narrador de “Redemunho” observa este descompasso histórico entre o “mundo” e o “sertão”: “Quando o mundo já falava por rádios e telefones e os aviões cortavam os céus, os sertões ainda se abasteciam nos lombos de burros e cavalos de carga”.

Os personagens de Ronaldo vagam pelos sertões, tabuleiros, vivem em pequenas cidades, viajam em lombo de cavalo, atravessam o rio Jaguaribe. São seres afeitos à violência, à solidão, à morte, às tragédias familiares. Chagas Valadão, perseguido pela volante, é acusado de assassinato. As cenas de violência entre os ciganos de “Faca” se repetem do início ao fim. O dia-a-dia de mãe e filho em “Redemunho” deixa os nervos do leitor à flor da pele, como se a qualquer momento o clima de tensão pudesse desaguar em morte.

Aspecto interessante nos personagens de A Faca são os nomes de batismo: Chagas Valadão, Leonardo Bezerra, Otacílio Mendes, Anselmo Dantas e muitos outros. No Nordeste os nomes mais comuns são José, João, Luís, Raimundo, Pedro, Manoel, Maria, etc. Além disso, quase todos têm nomes duplos, ou nome e sobrenome, como nos ficcionistas hispano-americanos. Alguns se vangloriam dos muitos nomes, como Catarina Macrina Cavalcante de Albuquerque Bezerra. Além disso, se irrita por não ter sido batizada como Cavalcanti, pois descendente de Pedro Cavalcanti de Albuquerque, Cavaleiros da Ordem de Cristo, fidalgos da casa real, governadores de capitanias.

O ponto de vista onisciente prepondera no livro, mesmo em “Lua Cambará”, que tem mais de um narrador. Um homem ou menino (primeira pessoa) não identificado, e de menor importância na trama, inicia a história: “Meu pai jurou que viu”. Não se sabe se, ao narrar a lenda, o ser fictício é adulto ou criança, porque fala do passado: “Eu pulei do colo de meu pai, assustado (...)”. A seguir, a voz assume o ponto de vista onisciente. Outros narradores-personagens surgem entre um quadro e outro, como o vaqueiro Bispo e o Doido Guará. Composto de quadros/cenas, o foco narrativo ora se volta para o menino, seu pai e o vaqueiro Argemiro Bispo, num passado recente; ora regride no tempo, para contar a história-lenda de Lua Cambará, já morta (“assombração que passa/ sem princípio, meio e fim”) no tempo em que o garoto ouve do pai a história da alma penada de Lua.

Ronaldo se vale sempre desse ir e vir do foco de narração, em cenas curtas, em tempos diferentes (retrospectos). Passado e presente (agora ou passado mais recente) se complementam, como se a trama durasse alguns anos (novela, romance). Em “A espera da volante”, Irineia dá notícia ao Velho de que “a volante policial vinha vindo”. Segue-se a narração do encontro dos dois, das conversas: “O Velho balançava a cabeça, ria manso, falava baixo”. Mais adiante o narrador faz um retrospecto, para apresentar ao leitor o protagonista: “Ninguém sabia há quanto tempo o Velho estava ali”. No desenrolar do episódio, o narrador parece perder a onisciência: “Em algum ponto da estrada, a volante avançava em marcha”. Ação distante do cenário principal. Quem a presenciava? No final, ao se aproximar a volante do palco do conflito (a casa do Velho), a voz narradora deixa de fazer conjecturas e, como se narrasse uma ação no presente real (ao vivo, como se diz em televisão), observa: “Como agora, quando o verde da camisa suada dos soldados era visível, e não havia mais dúvidas de que o esperado encontro, finalmente, estava para acontecer”.

Algumas composições de Ronaldo seguem um plano de flashes, com as ações intercaladas, ora num tempo, ora noutro. Veja-se “Faca”: na primeira ação “uns ciganos acharam a faca”; na segunda, há um flashback em que aparecem alguns dos personagens da trama e a faca; a terceira cena é continuação da primeira. E assim até o final. São narrativas em quadros breves (linguagem de cinema), tempos diferentes e intercalados.

Um dos mais interessantes e bem realizados contos da coleção é “Mentira de Amor”. Realidade e imaginação (da protagonista Delmira) dão corpo à história de uma mulher e suas filhas aprisionadas em casa pelo marido e pai. A realidade se circunscreve entre as paredes da casa. Fora, na rua, na cidade, a vida fervilha, sobretudo com a chegada de um circo. Impossibilitadas de saírem de casa, Delmira passa o tempo a imaginar, para si e as meninas, a agitação na cidade, a adivinhar o desfile dos artistas e animais do circo. É a vida imaginada. Como seria o circo? Como antigamente, quando era menina?

Os desfechos às vezes não ocorrem ou são meras conjecturas. Ou a expectativa de um fim, como em “A espera da volante”. Em outros contos os desenlaces são os mais inesperados. Em terceiro grupo se situam as tragédias, com remates entrevistos, adredemente anunciados nas entrelinhas.

A linguagem do contista é erudita, apesar de serem sertanejos os seres fictícios. Não se verifica o linguajar arrevesado, muitas vezes antiquado, dos habitantes dos sertões, sobretudo antes do advento da televisão. Os vocábulos de uso no sertão encontrados na obra são do conhecimento do leitor comum: alpendre, coalhada, candeeiro, comboieiro, baú, todos dicionarizados. E não só isso, também a construção da frase nos moldes da tradição literária. Portanto, não há vislumbres de regionalismo, no sentido restritivo do termo, nestas composições de Ronaldo Correia de Brito, mesmo que os narradores não se esqueçam de mencionar o sertão ou algumas localidades da geografia nordestina ou cearense.

Ao arquitetar as narrativas de Faca, o contista certamente não se prendeu a um esquema, a uma fórmula, pois, apesar das peculiaridades (linguagem objetiva, narração em quadros, personagens trágicos, etc), não se repete nunca. O narrador de “A escolha” se dá até o direito de apontar ao leitor o cuidado que teve ter com o detalhe, o miolo da peça ficcional, o recheio do relato: “As histórias não têm apenas princípio e fim, elas são sobretudo o meio, que é o tempo de maior duração, o de se comer juntos uma arrouba de sal”. Talvez uma lição de narrativa.

Fonte:
MACIEL, Nilto. Contistas do Ceará: D’A Quinzena ao Caos Portátil. Fortaleza/CE: Imprece, 2008.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to