Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

segunda-feira, 10 de março de 2014

Cida Micossi (Mar de Versos)


CHUVA NO ASFALTO

Se há algo que me fascina
Que ainda tenho na retina
É a chuva caindo ao chão
Naquele asfalto molhado
Lá na Avenida São João.

Ah, eu me lembro ainda
Era muito pequenina
Mas o amor que recebi
Deixou marcas indeléveis
Felizmente positivas
Belas lembranças infindas.

Lembro-me: era carnaval
E o compadre de meu pai
Apinhou-nos em seu auto
Um pequeno caminhão...
... e voltam as recordações
refletidas no asfalto:

Sentíamos muito orgulho
Por residir na capital
E o passeio na cidade
Trazia felicidade
A quem muito pouco tinha

Mas isso hoje são lembranças
De um feliz tempo de criança.

ALMAS GÊMEAS

Alma gêmea, quem disse
Que tem de ser namorado,
Ou se deve ser casado
Pra acontecer tal feitiço?

Almas gêmeas somos nós
Que ao nos sentimos tão sós
Juntamos as solidões
Compartilhando emoções.

E que então ao percebermos
Não só dois, mas um trio sermos
Trigêmeas almas em harmonia:
Amigos, saúde e alegria!

O HINO NACIONAL
 

Canta a flâmula, que ondeia
Nos mastros de norte a sul,
Colorindo o nosso azul
Do céu desta grande aldeia.

Canta as matas, canta a vida,
A beleza e a grandeza
Desta pátria altaneira,
Deste povo hospitaleiro.

Representa a identidade,
O símbolo da civilidade
Que deve ser respeitado
E sempre comemorado.

Ouvi-lo longe da Pátria
É motivo de emoção,
De auto-estima e de saudade
De nosso imenso rincão.

A esta terra abençoada
Pacífica e gloriosa
Foi feito o mais belo hino
Do qual somos orgulhosos!

LOUCO?

Louco? Não!
Apenas bebi um pouco
Das águas da cachoeira,
Do orvalho sobre a flor.
Do veneno dos teus lábios
Sonhei morrer de amor

 Sobrevivo entre a fronteira
Da sanidade e da loucura
Faço versos – na procura
De ser feliz a vida inteira

ONZE HORAS
(Saudação à entrada da primavera)

 Pra quem conhece as onze horas
Não é difícil explicar
Seus caprichos, suas manhas
Nas manhãs a vicejar
Preguiçosas, sonolentas
Hora certa pra acordar
Nos darão a recompensa
Logo que o sol as beijar

 Pequeninas, tão singelas
De variado colorido
Elas se abrem em tapete
Multicor em meio ao verde
Espalhando-se viçosas
Do amarelo à cor de rosa

 Mas desde que o sol se põe
Até que amanheça o dia
As britânicas florzinhas
Privam-nos de sua companhia
E sempre no mesmo horário
Nossos olhos vão sorrir
Presenteados pela beleza
Das onze horas a se abrir.

SETEMBRO

 Quando setembro chegar
Em Descalvado quero estar
Lembrar dos tempos felizes
Da infância inocente e livre

 Jabuticabas no pé apanhar
Ao desfile cívico assistir
Na festa da padroeira divertir
Velhos amigos encontrar

 E assim matando saudades
De um tempo bom, sem maldade
Em Descalvado quero estar
Quando setembro chegar.

MÃE TERRA

Compacto planeta
De mais denso corpo
No espaço sideral
Grande parte coberta
Por um lençol d’água.
É o único local
No imenso Universo
Onde a Vida existe.

Este “Pálido Ponto Azul”*
Do espaço foi visto
Desde o Norte até o Sul

Deusa da fertilidade
Mãe que dá e tira,
Sustenta e possibilita
A ordem no mundo.

Nutre, mas devora
Os seus próprios filhos
Quando eles perecem.

Filhos esses hoje
Que sem consciência
Dela tudo tiram
Sujam-na e aviltam
Perfuram, alteram
Toda a sua essência

Suas placas tectônicas
Remexem-se atônitas
Mandando o recado
Através de sinais
Por muitos ignorados.

Mas ao seu poder
Nada se compara
Quando a ira irrompe:

Pela força d’água...
Por febris tremores...
Por lágrimas de fogo...
Bradando por Amor!

A MUITAS MÃOS

Na casa da farinha
O branco ouro
Não brota só da terra;
Brota do suor
Da dura lida.
As mãos não param:
Descascam, ralam...
A moenda abafa
Os sonhos, os desejos...
O doce embalo...

Não há tempo.
Calejada a alma
Que só se acalma
Quando se entrega ao sono.

Não mais o ouro
Do branco leite
Jorrado das negras mãos.

Ao senhor os louros!

Às mãos escravas
A dura certeza
Que a lida é dura
Ao romper do dia.

Fonte:
http://cidasonhosefantasias.zip.net/arch2010-04-25_2010-05-01.html

Um comentário:

Anônimo disse...

Olá, fiquei surpresa ao ver meus poemas divulgados neste blog. Obrigada :)
Cida Micossi

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to