Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

segunda-feira, 10 de março de 2014

Isabel Dias Neves (Fardo Florido)

Primeiro livro de poesia de Isabel Dias Neves, a Belinha, Fardo Florido, foi publicado em 1995.

O que faz a grandeza deste livro de poemas e torna muito especial o fazer poético de Belinha, é a sua ligação com a terra, o fio condutor do livro, tornando-a a mais autêntica representante dos cantores do Cerrado e uma das poucas (senão a primeira) poetisa do Tocantins, o Norte tão amado de onde veio, trazendo no coração essa bússola que aponta ininterruptamente para as suas raízes mais profundas.

Belinha já recebeu alguns importantes prêmios literários, o que garante a qualidade do seu trabalho de poeta exemplar que exercita a palavra com esmero. Demonstrando habilidade técnica, a poeta tira seus versos das moendas, dos moinhos loucos, amassando com os pés o barro das estrofes e enchendo nossas vidas dessas coisas principais e primeiras, paisagens tão esquecidas, como as madrugadas, as luas, rios, matas, as mangueiras, os pomares, os frutos, o plantio, o plantação, pássaros, gaivotas, ninhos: é “a mulher que planta” o encanto do seu canto de poesia.

Há, em Fardo florido, importantes registros históricos e sociológicos sobre as festas populares, o folclore, os usos e costumes dos povos do interior do Brasil, mais especialmente de Goiás e do Tocantins, “um povo que se abraça/ e só vive de promessa”, um povo cujo “suor de mãos calejadas/ dá comida pros romeiros”. Nossa poeta é corajosa quando propõe a beleza do verso ousado e profundamente verdadeiro: “Sentindo o cheiro de bosta de vaca”, que companheiro, igual, tem a mesma significação simbólica do “ouvindo o canto da fogo-apagou”- são os sentidos, o olfato, o ouvido, interpretando o mundo onírico das terras interioranas. A grande verdade é que a arte em Goiás é uma resistência cercada de bois e vacas por todos os lados. Obviamente, há muito estrume (aqui, sem conotação, por favor).

Nesse canto, quase que épico, na lírica de Belinha, não passaram despercebidas as diferenças sociais que desfilam com as crianças carregando enxadas e semeando o milho; a fome do pobre que morre roçando a terra e, fundamentalmente, “o suor do roceiro que se reparte entre aqueles que não roçam”. O poeta é o porta-voz do seu momento histórico e, mesmo não pretendendo realizar uma poesia engajada, a poeta nos mostra, de forma diluída pelos poemas, toda a problemática social que é profundamente dolorosa.

Fardo florido não é um grão que nasce, é um que renasce no coração da poeta que fez o seu plantio de sol e promete uma colheita farta. Isabel Dias Neves, a cantora da Gesta, a Terra, está colhendo o fruto sazonado da maturidade, “no reencontro (di)gesto/ da mulher com o seu chão”. Assim, este fardo que é florido torna-se leve e torna-se, principalmente, um livro que deve ser lido e dever ser amado.

Textos escolhidos

P(OMAR) DE NÓSPara Marcelina Dias Neves, minha mãe

É doce e vão esse pomar;
sombra feita,
flores fartas,
frutos gerados
sensualizam a boca.

Pomar que se almeja e conta
é o que se planta.

Sombra firme - reduzida,
flores novas - raras,
frutos fartos - racionados.
Tudo à mão - sem suor
nem invenção.

Pomar que se almeja e planta
é o que conta.

o trabalho com a terra
é um gesto de promessa:
molha a raiz com pranto e riso,
canta o plantio e a colheita,
sonha e arde a todo canto.

Pomar que se planta e conta
é o que se canta.

NOS PASSOS DE EVA

Rasgada a grossa veste,
brinca branco o algodão
nos dedos silenciosos
que lhe deliciam o âmago.

Batido, vira nuvem
e se deita no balaio,
ciente do novo corte
- o seu destino rodando.

Roda na roda ou no fuso;
faz-se infinito em fios.
O algodão que se fia
faz a maciez das redes.

Trançando rendas e rodas,
Eva semeia os sumos
e cria novos rostos.

Muda o mundo em silêncio
com o suor dos seus restos.

CHAMA

A chama que alimenta o passo
cassa o vôo na direção do eterno.

É inútil traçar o mundo
que não vai fundo na vida-morte
do amor. Todos dançam. Uns se entortam
na (di)gestão do doce e do acre - na aorta.

EXATO MISTÉRIO

A rachadura exorta
o canto e a aliança
que se deixam

e dilacera o manto
desse elo desvelado.

A racha é dura
e esmaece o gosto
desse laço
que foi denso
e misteriosamente ex(ato).


Fonte:
Cleber Toledo e Antônio Miranda. Disponível em Passeiweb

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to