Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

terça-feira, 4 de março de 2014

Pedro Du Bois (Ondas de Poemas)

ENCONTROS

O homem
sem nome
avança até a beira da estrada
faz o sinal de carona
aos carros que passam
desabalados

abalado o homem
volta a sentar sobre a pedra
sabe que não chegará no tempo
em que os encontros acontecem

retorna em passos
cabisbaixo
ciente do fracasso

o homem sem vida
retrocede.

LUZES

A luz predisposta
na porta entreaberta
o sono abafa o choro
de perdidas imagens
lembradas no início
raiva concentrada
em impropérios
caminho bifurcado
segue o destino
sobre a elevação
o vento silencia
a resposta
cobra do corpo
o escopo deposto
em anotações
verbaliza ordens
a desordem habita
sua vista
a luz ganha espaço
perdido na composta
vida: outro o preferido
em amor e vácuo
mortos sentimentos
retornam na estrada
única.

OBVIEDADE

Procuro a obviedade
do ato na insanidade do fato
recontado na versão amedrontada
da verdade. Minto a certeza
na repetição do gesto. Gasto a vida
em desafios estéreis e me debruço
ao acaso. Com medo entrego
a visão ao fito olho descoberto.
Meu início ciente da contenda
despreza ao largo o objeto
navegado em mares ressacados.
A obviedade se faz porto preso
em armadilhas. A complexidade
reduz os sentimentos ao sentido
do devoluto território aramado
em diversões e festas.

SAPIÊNCIA

Sabe o que aprende
através dos deuses
do conhecimento:

desconhecido ser
                 interior
na tentativa de entender
o começo no alvoroço
da passagem suave
no encanto da chegada
em torvelinho distinto
de estrelas
     e corpos suspensos

o que apreende
dos deuses no reconhecimento
sobre a ignorância
                   paira
                   no mundo
                   de diversos universos
                                em desconheceres.

TESES

Desafia o relativismo com que seus mestres
demonstram teses em humanas elaborações

de quesitos
     e questões
                     em levantamentos
                     na compilação
                                        na demonstração
                                        e finalização

(troca a roda do novo invento
  e o carro se move)

                 o planeta se move
                 e nossas vidas se movem
                                        na repetição da espécie.

INCIDENTAL

                    A mulher cruza a peça
                    em direção ao corredor interno.
                    Sua perna falseia a verdade
                    da caminhada. Os pés
                    desistem da cena. A mulher
                    desaparece no vão da escada.

Espada em punho o homem
acompanha a cena. A lâmina
trespassa seu braço. As mãos
tremem o aço oxidado. O sangue
inunda o vão da escada.

Outra mulher leva nas mãos o pano
de limpeza e o balde. Ajoelhada
passa o pano no vão da escada.
Espreme o pano dentro do balde.
O balde transborda na mulher
desaparecida e no braço
do homem oxidado
na temperada espada.

TEMPOS

Meros anos de conhecimentos

o permitido no indesvendável
caminho não percorrido

sombra projetada
nas luzes descoloridas
da vida relembrada em mitos

fantasmas de despossuídos seres

o planeta em seu curso
no esférico mundo se completa

poucos anos verdadeiros
nas letras toscas dos invernos.

LONGE

Lento caminhar
o corpo sente o desgaste
longo trajeto
o corpo sente o caminho
os olhos procuram
o zênite e o horizonte
rumo e destino

lentos passos
as pernas sentem o cansaço
longas esperas
o espírito consente aos dias
os olhos anunciam
o encontro e o horizonte
arrimo e desatino

lento desânimo
longo o beijo na partida.

CONVIVER

Convivo na desconfiança
de ser espionado
sem motivo aparente

ser vigiado diariamente
sem motivo aparente
ser preso diariamente
sem qualquer motivo

na ideia de ser denunciado
pronunciado
tipificado
sentenciado
(todos os dias)
sem aparentar motivos

convivo na prestação da pena
aparente em que desconfio
de cada dia atípico.

SOMOS

Nenhum sino badala verdades
nos secos tempos de fanfarras
em que nos escondemos
                      em ruas iluminadas
                      e atravancadas
                      de nossos iguais

o barulho nos acompanha
como garantia e vida.

Olhos se dirigem ao próximo
com quem cruzamos na calçada

admiramos o corpo
            repelimos o corpo

somos corpos enfeitiçados
em condições estéticas
de frias e congeladas ideias
onde não badalam sinos.

LUGARES

Em nenhum lugar estão
os avessos versos
                travessos
                em palavras
                atravessadas
                         na garganta

só a lâmina
e o barulho da motocicleta
são possíveis no silêncio
que rasga o tempo
no apagar das luzes

escuros sons são nuvens
de passageiros ícones
na resposta
         aos que me perguntam:

                o verso transfigurado
                traduz hiperpólica figura
                dos primeiros acasos

                                     ouro
                               incenso
                          mirra.

ÁGUAS

Busco o encontro das águas
em tórridas regiões desencontradas
na flutuação do espírito descontente
em flutuações e encontros

águas no entrechoque
de caminhos igualados
na sequência das margens
surpreendidas pelo leito
no transbordar dos espíritos

a música das águas no encontro
ensurdece corpos em desatino
de espíritos observados nos sons
das épocas em que ressecam

pequenas ondas encontram
e deslizam constantes formas
de encontros em terras cobertas
no passado tempo de chegarem
águas igualadas
                   em desiguais momentos.

MANHÃ

no seco barulho da pá do pedreiro
no pão com a camada de gordura

a roupa pertenceu ao pai morto
na pouca idade: cadáver atingido
pelas presas dos animais caçados

desfaz o encontro na lembrança
atingida no murmúrio das folhas
fosse o pai dizendo da manhã

REALIDADE

Na realidade escondo o dia
                                  cedo ou tarde
                          vejo quanto estou ausente
                          em mim mesmo

o sonho acoberta necessidades
e me utiliza tal máquina incendiária
                          dos momentos felizes

na realidade trago a utilidade
                   utilitário personagem
                   termino minhas tarefas
                                     em poucas luzes

cedo ou tarde tenho a verdade
e a realidade não está nela.

CORPO

Olhos
ouvidos
corpo e alma
memória

na oxidação do corpo
a inutilidade dos membros
atrofiados em tarefas

atração
paixão
amor
   indiferentes maneiras
   de desconhecimento

o convencimento despreza
avisos incorpóreos

olhos fechados
ao começo.

CONTATO

antenas
      ouvidos atentos rastreiam
      universos no conhecido
      espaço de quase nada

procuram seres
               que se comuniquem
                                  conosco

estamos aqui
e queremos entender vocês

não há resposta
           além das ondas
           regulares de rádio

estática
na pulsação das estrelas
e nas estradas estelares

a preocupação do humano egoísmo
preso em considerações terrenas
no esquecer o principal: sermos
merecedores da resposta
                e do contato

Fonte:
O Autor

Um comentário:

Pedro Du Bois disse...

Gratíssimo, caro Feldman pela seleta. Coloquei o link no meu blog. Abraços. Pedro.

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to