Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Sinclair Pozza Casemiro (Cinquenta Rosários)


Um célebre filósofo contemporâneo e ocidental, B. Mondin, em uma de suas obras mais conhecidas, "O Homem, quem é ele? – elementos de antropologia filosófica", discorre da natureza humana. Transcendente, o homem sempre quer mais, idealiza mais para si mesmo: ser mais bonito, mais virtuoso, mais sábio, mais... e por aí vai. Isso é da espécie humana, mesmo, em qualquer lugar do mundo e em qualquer circunstância, sempre aflorará o desejo, a propulsão que faz essa espécie, nunca satisfeita, buscar, buscar, sonhar, sonhar... eternamente buscar e sonhar. Muitas vezes, a gente vê isso ser provado em casos mais bizarros. Essa tal teoria acaba por dizer o mesmo da teoria do "jogo de espelho" que a retórica, desde Aristóteles até agora a nova retórica, de Perelman, por exemplo, apregoa: na busca do "ser mais" o homem se identifica com padrões, modelos idealizados que, consciente ou inconscientemente espelham,

Daí, um passo pra sedução dar vez à manipulação do discurso, da retórica, dos sofismas... e da busca incontrolável de nossos desejos, os mais estranhos, às vezes.

Interessante é notar que em qualquer circunstância, mesmo, isso pode ser flagrado. Ser mais belo pra uns, mais inteligentes pra outros... e até mais "bandido" pra muitos. Um causo me chamou a atenção, verdadeiro, que eu vivi, duma frustração profunda, dum personagem singular, da nossa região - a COMCAM, Este personagem está vendo a vida passar, agora, crente de que não vai mais alcançar o seu desejo, o seu "ideal" de jovem, tão sonhado. E, cá pra nós, ainda bem...

A visão é de romance nordestino, mas acontece é aqui mesmo, no coração do Paraná, lá pelas bandas de Barbosa, Corumbataí. Quem quiser ver, ainda consegue: está vivo e saudável o maior jagunço que resta na redondeza. Cavalga, no seu sempre companheiro Alazão, cavalo manso, prudente, acostumado aos imprevistos que o dono lhe arruma. A gente estava, na caminhonete, procurando pistas do velho trio dos índios, do Peabiru, muito famoso nas redondezas, mais famoso ainda como "o trio dos jisuíta". De repente, avistamos o cavaleiro, num marrom só, o cavalo troteando, sossegado, desvia a passagem, de pronto. O caboclo vestia uma capa suja, suja, não se sabe precisar a verdadeira cor, só prevalecia o encardido da estrada, que é hoje a continuação de seu lar. Na cabeça, o chapéu velho de couro, carcomido, encolhido e cheio de marcas que o tempo foi deixando, como na pele, que parecia continuar do chapéu, enrugada, marrom, tão judiada. A cena é, vista de longe – pelas costas, e bem de perto - de lado, geometricamente, como um losango marrom.

– Bom dia, seu Rufino!

– Ooua... Oi, tudo bom, homi. É seu Gancedo?

– Sou eu, mesmo, tá? Andando um pouco por aí?

- É, pois é. É o que resta, homi. Avivenu os tempu, qui num tem mais nada pra fazê, só trabaiá pra cume, qui é a sina...

– Tá vivendo sozinho?

– Ah, sim. Ali, naquele ranchinho... A muié perfeiru fícá cos fio, si foi. Os fío di hoji, homi, num arrespeita os pai, qué vive dum jeito qui num é certo, di arrespeitu. Falei; si quisé morá cumigo, tem qui mi arrespeitá. Vive nos mordi qui um homi veve, eis num quis sabe. Num arrespeitá pai, mais não. Num tem arrimo... Perferi dexá i. A muié foi tamém, perferiu os fio. Aqui vou vivenu... Vivo bem... Ali tá minha rocinha, minha casinha. O fazendero daqui, gente boa, num mexe cumigu, não. Meu Alazão me acumpanha,

– Pois é... Seu Rufino... Estava aqui falando para as professoras que o senhor já foi jagunço. Elas não acreditam,

Nessa hora o rosto impassível do cavaleiro estremece e um lance de olhar brilhoso desperta na face até então inalterada:

– Eu? Jagunço não. Seu Gancedo.... quisera fosse... Num cheguei a tanto, não, homi... Num tenhu a metade dum rusaru.

Agora é a professora que pergunta. Entendeu logo que o "status" de jagunço, a que o seu Rufino, pelo jeito aspirara, mas não lograra êxito, dependia do tal rusaru:

- Qui é rusaru, sinhora? A sinhora num reza? Num cunhece rusaru?

– Sim... sim... Mas...

– Pois, óie; jagunço mermo, jagunço, seu Gancedo, tem que tê feito cinqüenta rusaru. Eu feis nem deis... A sinhora cunhece cuma é o rusaru: tem o pai-nossso, as treis ave-maria, adispois mais pai-nosso, mais uma porção de ave-maria, num é? Pois, intão: jagunço dus bom, mermo, é qui compretô os pai-nosso e as ave-maria nuns cinqüenta rusaru. Mais eu num cunsegui, não... Uns deis... sifô.

– Mas não dá tempo, ainda de fazer cinquenta rosários, seu Rufino? Afinal, que rosário é esse?

– É rusaru dioreia, sinhora. Oreia di bugre. Bugre, índio, sinhora... Por aqui tinha tantu dus jagunçu, dus bom, qui mi dexaru na mão... Num restô bugre pra mi dá o gosto di sê um jagunço di verdade. O povo mi chama... Mais num sô, não. Farta munto rusaru... I cadê us bugre? Matado bom tinha essas banda, cabaru logu ca bugraiada, arguns abandonam tudu e fugiru, Us que ficava, morria, memo..

No silêncio da tarde, olhando a vastidão dos campos desnudos das matas, lar dos "bugres" desfeito tão selvagemente, pelos civilizados brancos, pensei não ter podido encontrar maior testemunho do que buscava naquelas andanças. E, levada pela imaginação vi o azulão da floresta escondendo as sagas daquela gente indefesa mais uma vez exposta à cobiça e aos sonhos dos novos bandeirantes deste século passado, encobertos pelas regras desse também novo tempo. E entendi bem como é fácil apagar a memória de tantas barbaridades consentidas por inescrupulosos indivíduos dessa nossa espécie (a escolhida?) que quer e sonha sempre mais... mais... não importa o quê.

Mais ... "rusaru"? Creio em Deus Pai, Ave-Maria! Chega de rusaru, Minha Nossa Senhora das Dores! O próprio Deus e Nosso Senhor Jesus Cristo há de convir! O mais irônico é que muito provavelmente tenham se utilizado, para as suas proezas, os famosos jagunços, de resquícios do remoto Caminho de Peabiru - "o caminho que leva à Terra Sem Mal".

Fonte:
Sinclair Pozza Casemiro. Causos do coração do Paraná (por entre as beiras do Ivaí e do Piquiri…). Campo Mourão: Sisgraf, 2005.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to