Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

J. G. de Araújo Jorge (Poesia, De Longe)


Ana Amélia (Ana Amélia Queiroz Carneiro de Mendonça) é uma das mais ricas sensibilidades que conheço. Sua obra, de feição clássica, neo-romântica, a coloca entre os maiores nomes femininos de nossa poesia, ao lado de Gilka machado, Adalgisa Nery, Benedicta de Melo, Beatrix dos Reis Carvalho, Ilka Sanches, Seleneh de Medeiros, Maria José Giglio, e tantas outras. Seu soneto “Mau de Amor” tornou-se peça natológica. Incluí-o em minha antologia “Os mais belos sonetos que o amor inspirou”, volume I, dedicado à poesia brasileira.

Minha admiração por Ana Amélia vem de longe, de meus tempos de estudante secundarista do Pedro II. Ela era nossa “rainha dos estudantes”, e me lembro de que participou da festa que escolheu os “príncipes da poesia e da prosa” do velho colégio. Festa memorável a que compareceram muitos acadêmicos, e entre eles Coelho Neto e Alberto de Oliveira, então os “príncipes da prosa e poesia” brasileiras.

Mas, além de sua própria poesia, Ana Amélia é uma excelente tradutora. Talvez nenhum outro poeta tenha conseguido passar para o nosso idioma, com tanta facilidade, os versos de Shakespeare, mas de outros poetas ingleses e norte-americanos.

Nesta pequena nota quero destacar uma das traduções de Ana Amélia, em que sua capacidade de transferir para o nosso idioma, intactas, todas as belezas do original, acabou por nos oferecer uma obra-prima, de lirismo inigualável. Trata-se de sua tradução do soneto XIX da poetisa norte-americana Edna St. Vincent Millay, que, com outros trabalhos de Ana Amélia, figuram no volume III de “Os mais belos sonetos que o amor inspirou”. Não me poupo a alegria de oferecê-lo aos leitores.

SONETO XIX

Tu também morrerás, cinza adorada.
Essa beleza é certo que pereça,
essa mão, essa esplêndida cabeça,
esse corpo de argila iluminada.

Sob o gume da morte, ou sob a geada,
serás mais uma folha que estremeça
e com as outras te vás, verde e travessa,
depois morta, sem cor, desintegrada.

De nada o meu amor terá valido,
apesar deste amor, tu chegarás
ao fim do dia e tombarás vencido,

obscuro como a flor que cai, por mais
que tenhas sido belo, e tenhas sido
mais amado que todos os mortais.

Edna St. Vincent Millay


* * *

A maior sonetista contemporânea de Portugal desapareceu há apenas dois anos: Virgínia Victorino. Depois de Florbela Espanca, e ao lado de Maria Helena, forma a trindade das grandes vozes do lirismo português de nossos dias. É a poetisa de maior público em sua terra, e seus livros esgotam edições sucessivas. Perfeita na forma, simples e comunicativa na linguagem, despida de quaisquer artificialismo, a poesia de Virgínia Victorino é uma flechada no coração. Dos três livros que deixou: “Namorados”, “Apaixonadamente” e “Renúncia”, possuo os dois primeiros.

Quando selecionava sonetos portugueses para o volume II de “Os mais belos sonetos que o amor inspirou” vi-me em dificuldades diante da obra de Virgínia Victorino: Tinha vontade de incluir todos os seus trabalhos. Como Guilherme de Almeida, que foi nosso “príncipe dos poetas”, seus sonetos são pequenas jóias, inconfundíveis, singulares, e não se pode tentar escolher uns poucos sem se correr o risco de cometer injustiças. E, por isso mesmo, excepcionalmente, Virgínia Victorino figura na antologia com o maior número de trabalhos: onze sonetos.

Ao preparar estas notas, estou atendendo a uma leitora que me pediu para que citasse algumas poesias de poetisas estrangeiras, das que mais gosto, tal como fiz aqui com as poetisas brasileiras.

Eis, portanto, um soneto de Virgínia Victorino, talvez o de minha preferência:

MÁGOA

Eu que cheguei a ter essa alegria
de junto ao meu possuir teu coração,
eu que julgara eterna a duração
do voluptuoso amor que nos unia,

sou,- apagada a última ilusão,
morto o deslumbramento em que vivia,
- um cego que ao lembrar a luz do dia
sente mais negra ainda a escuridão.

Tu me deste a ventura mais perfeita,
perdi-a, e dei-te a chama insatisfeita
dessa imensa paixão com que te quis...

Hoje, o que sinto, inútil, revoltada,
não é mágoa de ser tão desgraçada,
é pena, de ter sido tão feliz.

Virgínia Victorino


Ela é cognominada Joana da América, pela projeção literária de seu nome em todo o continente, e até no Brasil.Nasceu na pequena vila de Melo, em Cerro Largo, no Uruguai, e tem hoje mais de 70 anos. Poetisa de grande expressão lírica, seus primeiros livros são de versos exaltados, sensoriais, apaixonados, em linguagem clássica e pura. Ultimamente sua poesia ganhou certa expressão mística e até religiosa. A panteísta, algo pagã, de “Cântaro fresco” e “Raiz salvage”, hoje pinta vitrais em “Estampas de la Bíblia”.

Minha velha e grande admiradora pela sua poesia levou-me a procurá-la em Montevidéu, quando, ainda estudante, participei de uma caravana, e fui a Buenos Aires e ao Chile. Infelizmente ela estava em visita à sua terra natal, e não a encontrei.

Ao selecionar os sonetos de poetas latino-americanos para o volume II de “Os mais belos sonetos que o amor inspirou”, apesar de contar com traduções de trabalhos seus, feitas por Murilo Araújo, Melo Nóbrega e Othon Costa, fiz questão de transladar para nosso idioma algumas de suas páginas. E, sem nenhum favor, um dos seus mais lindos sonetos é este:

A PROMESSA

...E todo o ouro do mundo parecia
diluído na tarde luminosa.
Apenas um crepúsculo de rosa
a alta copa das árvores tingia.

Súbito amor a minha mão unia
à tua mão morena, carinhosa.
Éramos Booz e Ruth, ante a formosa
terra que aos nossos olhos se estendia.

-- Me amarás? Perguntaste. Lenta e grave
veio-me aos lábios a promessa suave
da amante moabita, tão querida;

e foi como um “Amem!” que nesse instante
se ouviu, num toque de oração, vibrante
bater o sino da pequena ermida!


Fonte:
JG de Araujo Jorge. "No Mundo da Poesia " Edição do Autor -1969

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to