Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Cecy Barbosa Campos (O Artista)


Era um menino bonito, quieto, educado. Na escola, cumpria suas obrigações com eficiência, mas nunca mostrava muito entusiasmo. No recreio, ao invés de participar das correrias e brincadeiras usuais aos garotos de sua idade, preferia sentar-se numa pedra grande, que ficava próxima ao campinho de futebol e, com um graveto na mão, absorver-se, elaborando desenhos na terra úmida que havia no local.

Apesar de seu distanciamento, era estimado pelos colegas. Vez por outra, algum deles se aproximava, sentava-se na pedra ou no chão ao lado e conversava com o "artista" - como o chamavam - até que a agitação característica da idade interrompia o assunto, por mais interessante que fosse.

Assim foi levando a vida, e o tempo passando. Como não causava problemas, era aceito pelos pais e irmãos que não se aprofundavam na questão e ignoravam o seu transitar silencioso sem tentar analisar aquela situação ou considerar se ela era, de fato, normal.

Não havia preocupação financeira na família, de modo que os filhos não tinham obrigações além do estudo.

Ingressando na Universidade, após três anos de curso, os pais lhe perguntaram se já estava próxima a formatura. A resposta surgiu com a maior tranquilidade:

– Não vou me formar, O que ensinam lá, não me interessa. Os rumos que vou tomar são diferentes.

Atônitos, os pais não souberam o que dizer. Passadas algumas semanas, o filho avisou que iria viajar para continuar suas pesquisas e observações pelo mundo. Ninguém conseguiu arrancar-lhe explicações. Disse que não se preocupassem, e que enviaria notícias. Não precisava de dinheiro, pois da mesada que recebia pouco gastava.

De fato, ao contrário dos irmãos, nunca fora de pedir nada e parecia não tomar conhecimento dos depósitos que os pais faziam mensalmente, para os filhos. Usava as roupas que ganhava nos aniversários e natais, principalmente dos de casa, que o consideravam relaxado com a aparência, embora, admitindo que ele era dono de uma elegância natural. Mantinha-se limpo, mas, moda para ele, não queria dizer nada.

Por alguns breves telefonemas e mensagens eletrônicas ainda mais sucintas, os pais iam tendo suas notícias. Souberam que fazia sucesso na Europa e nos Estados Unidos quando depararam com uma entrevista cujo título, "Jovem artista brasileiro fala das obras que produz usando elementos da natureza, tais como terra, folhas e sucata em geral", chamou-lhes a atenção.

Tempos depois, reapareceu em seu país. O estilo era o mesmo; roupas despojadas, um tanto ultrapassadas, largas e confortáveis. Os cabelos tinham crescido e passara a usar sandálias. Bonito, quieto, educado, com um olhar sonhador que transmitia ingenuidade quase infantil.

Ganhava muito dinheiro, mas casara-se mal e a mulher, aplicando-lhe um golpe, levou tudo que ele havia adquirido, deixando-lhe os bolsos e o coração vazios. Não ficou muito tempo em casa dos pais. Sentia-se incomodado com a presença daqueles que sempre conhecera e com as perguntas das quais preferia se esquivar. Não entendia porque as pessoas se interessavam tanto pela vida uns dos outros.

Resolveu partir. Desta vez, soube-se que iria rumo à Amazônia, pois a floresta mais diversificada do planeta poderia proporcionar-lhe novas ideias. Como era de seu feitio, não deu indicações de seu destino. Na verdade, nem ele mesmo sabia.

Ao chegar lá, deixar-se-ia levar pelas águas dos rios, ou pelo vento que sacudia os ramos das árvores.    Ficassem tranquilos que suas notícias chegariam.   

Passaram-se meses. Finalmente, o pai recebe um comunicado vindo do Serviço de Saúde de uma cidadezinha do interior do Amazonas. Pediam a presença de alguém que pudesse identificar um homem branco aparentando pouco mais de trinta anos e que, pelas peças que produzia demonstrava ser artista plástico. Como o homem dificilmente pronunciava uma palavra, pois estava muito debilitado, só após várias tentativas e investigações descobriram aquele endereço e solicitavam a vinda de algum conhecido ou pessoa da família que pudesse encaminhá-lo a tratamento ou levá-lo de volta a casa.

Em lá chegando, o pai, que fora acompanhado do filho mais novo, teve um choque. Encontrou o rapaz magro e abatido, definhando sobre um catre mal-cheiroso. Quase nada restava que lembrasse o jovem de porte elegante e olhos sonhadores. Observando mais detalhadamente, notou que a linha do queixo mostrava a obstinação que marcara a sua vida, sempre isolada dos demais.

O reencontro emocionado mostrou ao artista o sofrimento do pai e a existência de um amor que, até então, não havia percebido.

Sem forças para falar, permaneceu em silêncio, condição que, afinal, era a sua característica. Entretanto, o pai percebeu o brilho que ressurgiu em seu olhar e teve certeza de que, com o cuidado e a atenção de todos, o filho renasceria para a vida.

Retirado num pequeno avião daquele humilde barraco em que se alojara, foi conduzido para um hospital em Manaus, do qual, seria transportado para a casa da família logo que o tratamento inicial o permitisse.

A assistência dos pais, a companhia da mãe, que logo veio ao encontro do filho, e as visitas frequentes dos irmãos fizeram com que seu ânimo retornasse surpreendentemente.

A atitude dos pais mudara em relação a ele. Sentia-se amado, o que não havia notado até então. Ele era o filho que passava despercebido, pois, como não dava trabalho e não participava de farras e bebedeiras, propiciara aos pais uma vida confortável à qual o acomodaram, achando que não precisavam preocupar-se com ele.

A indiferença causa o mais doloroso dos sentimentos. Machuca mais do que a raiva ou a agressão. Sentindo-se ignorado, o rapaz sofria com a sua invisibilidade. Contudo, descortinava agora os caminhos que se abriam a sua frente e se sentia feliz e disposto a percorrê-los.

Fonte:
Cecy Barbosa Campos. Recortes de Vida. Varginha/MG: Ed. Alba, 2009.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to