Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 14 de maio de 2020

Aparecido Raimundo de Souza (Por Todas Essas Criaturas de um Dia)


SENHORAS E SENHORES, O NOSSO tema de hoje é sobre uma coisinha simples e insignificante, mas que, infelizmente, falta na maioria das pessoas (notadamente no coração), apesar delas se mostrarem conscientes quanto a sua real e verdadeira aplicação na praticidade do dia a dia.

Aproveitando estes ásperos momentos, em que o mundo inteiro se debruça, estarrecido, sobre as garras fulminantes de um vírus letal, e, até agora incontrolável, o coronavírus, ou Covid-19, nada melhor  que aproveitarmos a ocasião tão propícia para discorrermos sobre a  ‘SOLIDARIEDADE’ e a ‘CARIDADE’.

A primeira foi, há tempos passados, contemplada pelo brilhante pensamento de Thomas Fuller, escritor inglês  que viveu de 1608 a 1661. Ele asseverava que “a solidariedade deveria começar em casa e deixou isso bastante sedimentado em seu livro ‘Monsieur Ambivalence: A Post Literate Fable’ - mas que não deveria terminar lá”’.

Falando na mesma linguagem de Fuller, o francês Jean Baptiste Massilon aumentou  a sua  extensão, acrescentando que  “a porta entre nós e o céu não poderia ser aberta enquanto estivesse fechada a que fica entre nós e o próximo”. Entendam, amados, que as pessoas confundem, talvez por burrice, ou falta de conhecimento (o que dá no mesmo), SOLIDARIEDADE com CARIDADE.

Devemos observar, que ambas caminham juntas, lado a lado, de mãos dadas. Todavia, existe uma distância abissal entre elas. Além de patentearem posições diferentes, embora interligadas entre si, vejam que loucura, não obstante estarem unidas como se fossem irmãs siamesas, diferem, dando a entender, uma outra conotação semântica completamente oposta.

Neste diapasão, solidariedade é quando entre nós e eles, não existe, ou seja, quando há apenas o nós. Vejamos, agora, por segundo, a Caridade. Esta, por seu turno, como bem lecionava o humorista  Jaume Perich, era e continua sendo, até hoje, “a única virtude que, para se fazer  genuína e inquestionável, precisará que prevaleça sempre, aconteça o que acontecer, a  injustiça”.

Uma pequena parcela da sociedade, leva, à efeito, a solidariedade (ou o que ela acha ser solidariedade). Contudo, não a enuncia de modo sério, como deveria. Neste rodar dos trezentos e sessenta graus do carrossel, onde os cavalos continuam sendo os mesmos, ofertar esmolas dentro dos coletivos, ou comprar qualquer bugiganga de um vendedor que entra pela porta do meio, não deixará de ser um ato de solidariedade.

Esta postura se tornará vaga e divorciada de qualquer respingo do bom e mavioso  sentimento da reciprocidade plena. Como assim? Vamos tentar explicar. As pessoas, às vezes, se prestam a propiciarem “agrados” por meros descargos de consciências, levadas, pelos escrúpulos de acharem que, podendo ajudar, não deixariam passar batidos pequenos gestos humanitários.

Solidariedade, sabemos de cor e salteado, vai um pouco adiante. Se faz  pujante na animação e na simpatia interior, deixando fluir, um sorriso franco no rosto. E também engendramos entender que não há prazer em possuir algo e não compartilharmos com quem necessita. Caridade é “um exercício espiritual diário”. 

No pensar de Chico Xavier, que completou a sua teoria observando, com seu eterno sorriso brando, e a voz quase apagada: “quem pratica o bem, coloca em movimento as forças da alma. Quando os espíritos nos recomendam, com insistência, o declínio da caridade,  eles estão nos orientando no sentido de nossa própria evolução; não se trata apenas de uma indicação ética, mas de profundo significado filosófico”.

Dias atrás, recebemos em nosso whatsApp, a mensagem de uma participante de um grupo de amizades de repórteres e jornalistas, do qual fazemos parte, dando conta de que uma senhora de sessenta e seis anos, acometida pelos sintomas do Covi-19, precisou ser internada às pressas. Do trabalho, a senhorinha  seguiu direto para o isolamento.

Mãe de várias filhas, todas casadas, nenhuma delas (depois do caso ter vindo à tona), apareceu na empresa que ela trabalhava, para saber para onde a matriarca se internara, e a quantas andavam o seu quadro clínico. Os patrões,  mesmo caminho, sequer deram um telefonema para tomarem conhecimento do estado de sua funcionária; se as filhas e maridos precisavam de alguma coisa; tipo algum dinheiro; uma ajuda básica para enfrentarem os percalços vindouros...

Pasmem, senhoras e senhores. Uma palavra de carinho e conforto, ao menos isso, não veio à tona. A esse quadro poderíamos dar o nome, por parte dos patrões, de profunda falta de solidariedade, e, pelos familiares, maridos, sogras e vizinhos, de completo estado de abandono, ou pior: da falta de caridade.

Afinal de contas, sessenta e seis anos... Estranha ao nosso convívio, procuramos saber de seu paradeiro, levando um pouco de conforto às filhas, as crianças (netos da senhora), e a própria doente, ainda agora em quarentena. Com esta pequena iniciativa, a solidariedade e a caridade se fizeram benéficas e agregadas, num objetivo ímpar e sem pretensões de benesses futuras.

Não nos fizemos ausentes, nem viramos nossos olhos para uma responsabilidade que poderia ter sido menor, não fosse o desrespeito, ou a falta de solidariedade, que as criaturas não cultuam, por seus co-irmãos, ainda que em suas veias não corra o mesmo insumo que nos mantém vivos.

Nós, senhoras e senhores, não devemos ter prazer em possuir algo que não possamos compartilhar com nossos semelhantes. Se faz mister termos em mente as sábias palavras do sacerdote Salvadorenho Óscar Romero (quarto arcebispo metropolitano de San Salvador, capital de El Salvador, já falecido). “Nós, que temos voz devemos falar pelos que não têm”.

Solidariedade, pois, acima de qualquer coisa. Caridade sempre. Fazermos o bem sem olharmos à quem. Essa é a pequena e minúscula partícula da solidariedade e, de roldão, igualmente, da caridade, interligadas no mesmo amplexo. Em outras palavras, este deve ser o nosso ponto de partida positivista, nosso lema: quanto mais compartilharmos a solidariedade, mais teremos, ao nosso alcance, a caridade. E vice-versa. Afinal de contas, nenhum de nós, por mais dinheiro e posição que tenhamos,  nunca seremos uma ilha.

Fonte:
texto enviado pelo autor

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to