Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 7 de maio de 2020

Rachel de Queiroz (Neves de Antanho)

    

O homem da repartição pediu um retratinho “cinco por sete’’; quem sabe haveria algum que ainda servisse dentro da velha caixa de fotografias, sobras de outros passaportes! Não, não havia. Só um, manchado e tão feio que nem a necessidade obrigaria a gente a usá-lo.

E, enquanto se procura, vão-se olhando os outros retratos, e no fim se percorre, de um em um, todo o resto da coleção.

Quantos defuntos, meu Deus do Céu, a gente carrega dentro do seu corpo: começa com os anjinhos, de seis meses, de um ano e dois vestidos no camisolão do batizado, nuzinhos de todo ou este trajado de anjo, na túnica azul que é ver mesmo uma mortalha; tirando as asas, podia ir direto pro caixãozinho de cetim —— já está até pintado como se usava enterrar anjo naquele tempo. E esta menininha de cinco anos, com os cachos de cabelo batendo nos ombros, também já existiu, não existe mais. Sou eu não, fui eu. Tão morta e desaparecida quanto se estivesse plantada na terra debaixo de um pé de saudade, E a adolescente de treze, e a moça magra de dezoito, toda pensativa para o fotógrafo, vestido escuro e gola branca, numa simplicidade deliberada que ela supunha “ideológica”. E depois a mulher feita de vinte e três anos já sofreu e está sofrendo , e logo a amargura da mulher de vinte e cinco, e a de trinta anos ressuscitada, e a de quarenta engordando, e a de cinquenta francamente envelhecendo, com a possível e tão difícil dignidade, Serão a mesma pessoa, todas elas? — E serei eu todas elas?

O fato é que de uma em uma elas foram emergindo, tomando o lugar da antiga, mas, nem se firmavam direito, iam forçosamente cedendo o lugar à outra, à mais velha; floriam e murchavam e nem ao menos tinham morte condigna, choradas por parentes e amigos. Desapareceram simplesmente. Foram subutilizadas pela mágica do tempo, substituídas sub-repticiamente como peças de máquina que se trocam. Aumentadas, diminuídas, deformadas, descoloridas, consumidas aos pedacinhos. Boneca de massa mole em mão dura de menina.

Ou — ideia ainda mais sinistra — autofagia, canibalismo. Toda a série de meninas, adolescentes, moças e mulheres devoradas, a mais nova pela mais velha, sucessivamente, até que a morte por sua vez devore a derradeira e acaba a história?

Como compensação se dirá que o corpo muda, mas a alma é a mesma. Mas essa é que é a grande interrogação. Será a mesma?

Ninguém pode dizer se essa menina de olhos grandes sentada aos pés de sua linda mãe terá na verdade a mesma alma da senhora avó que equilibra o neto no joelho. Que é que elas têm em comum? Nem amores, nem quereres, nem preferências, nem entusiasmo. De uma em uma, à medida em que passaram, tiveram os seus pecados — mas uma não pode bater no peito pelos erros da outra ou das outras —, cada uma tinha as suas circunstâncias especiais, suas agravantes e dirimentes.

Nem sequer as lembranças são comuns a todas. Porque as poucas lembranças conservadas em comum são conservadas como histórias que ela sabe, mas não que ela sente. Sentia, sentiu, não sente mais. Ah! Lembranças. Diga a gente o que disser, o passado é substância solúvel, se dilui dentro da vida, escorre pelos buracos do tempo — águas passadas, neves de antanho.

Ah, as aflitivas incursões pela dimensão do tempo. A alma do homem devia limitar suas percepções às simples três dimensões. Bastava que lhes fosse permitido apenas o direito de ir e vir dentro do espaço físico ou geográfico.

Mas a jornada pelo tempo. Essa jornada sem parada nem retorno, cujos marcos únicos são lembranças cada vez mais apagadas, já que as outras testemunhas também caminham, também se transformam, Por que dar ao limitado, ao vulnerável, ao transitório homem, um sentido do tempo — quando ele não tem sobre o tempo nenhum comando — apenas sofre o tempo, sem defesa?

O tempo anda em nós, mas nós não andamos nele. O tempo nos gasta como lixa, nos deforma, nos diminui e nos acrescenta — e sempre maldosa, erradamente.

Aqueles olhos de trinta anos atrás, onde estão os teus olhos reluzentes, rapariga? Hoje, nas mesmas órbitas, vogam apenas dois olhos apagados, diminuídos parece que até a cor deles mudou!

E a alma, a alma? Boa ou ruim, onde está a alma de outrora? A paixão, a violência, a esperança, o desafio. A inocente arrogância. Os amores, os desamores, mudou tudo. Nem a paisagem ficou, para servir de referência. A intrusa de agora renega tudo de dantes — seja corpo, alma ou cenário.

Fonte:
Rachel de Queiroz. As Menininhas e outras crônicas. RJ: J. Olympio, 1976.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to