Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 17 de março de 2013

Lêdo Ivo (A Passagem de uma Quimera: Sebastião Cícero dos Guimarães Passos)

Do livro de Lêdo Ivo, O Ajudante de Mentiroso. Educam, Editora Universitária Candido Mendes, 2009.
A fundação da Academia Brasileira de Letras, em 1897, foi iluminada pelo esplendor do Parnasianismo. Entre os seus fundadores figuram grandes artistas do verso, como Olavo Bilac, Alberto de Oliveira e Raimundo Correia, e grandes artistas da prosa, como é o caso de Machado de Assis (também excelso artista do verso, com a sua ardilosa competência formal e emoção contida), Joaquim Nabuco, Rui Barbosa e Coelho Neto. São todos eles integrantes de uma grande geração literária e política que, com a nitidez de seus talentos pessoais e o cunho específico de suas manifestações artísticas, se vinculava à doutrina vigente na época – uma doutrina em que a arte se convertia numa espécie de religião e impunha aos seus sequazes um compromisso com a durabilidade. Os sonetos marmóreos de Bilac, Alberto de Oliveira e Raimundo Correia e a prosa em que Machado de Assis se esconde de si mesmo, e a si mesmo, num esplêndido processo de emascaramento pessoal, hão de simbolizar, para sempre, esse tempo ditoso da literatura brasileira, em que esta, após as explosões e efusões do Romantismo, exprimia o seu amadurecimento, dentro dos preceitos de um Parnasianismo e um Realismo regados pelas águas de incontáveis riachos obscuros.

É nesse cenário magnífico que o leitor de agora deve acolher o poeta alagoano Sebastião Cícero dos Guimarães Passos, nascido em Maceió, a 22 de março de 1867.

Hoje, transcorrido um século de criação da Academia Brasileira de Letras, ele é apenas um nome – ou menos que um nome. De tudo quanto escreveu, em verso e em prosa, com acentos tristonhos ou jocosos, havia restado um soneto, o popular “Teu lenço”, parada obrigatória nas antologias, até que essses preciosos escrínios deixaram de ser adotados nos colégios. Mas o leitor que se aproximar do grave e reflexivo “Guarda e passa” obterá a medida exata do seu talento, de sua capacidade formal e espelho de todos os sonhos que ele sonhou.

No dia 28 de janeiro de 1897, Guimarães Passos está presente à sétima e última reunião preparatória destinada à instalação da Academia Brasileira de Letras. É, assim, um dos seus fundadores. As cores do contraste realçam o império de uma hierarquia literária que, pelo que tenha de incômodo ou refutável – ou mesmo de arbitrária, dada a sua eventual infixidez –, não deve ser desprezada. E, ao redor dela, de seu caprichoso jogo de luzes e sombras, a ronda dos passantes literários inscritos na lista negra da posteridade ratifica a existência da literatura como um sistema – uma escola de esboroamentos e olvidos.

O poeta alagoano, que morreu em Paris, a 10 de setembro de 1909, e desapareceu com a sua morte, não pode e não deve ser colocado ao lado de Olavo Bilac, Raimundo Correia e Alberto de Oliveira, a gloriosa tríade do nosso Parnasianismo. A sua estatura é bem mais modesta. O convívio acadêmico de que usufruiu tem a justificá-lo não só a aceitação e tolerância de que gozam os passageiros do mesmo barco da contemporaneidade, cercados de afetos e solidariedade geracional, como ainda a singularidade de sua condição.

Na escola que impunha aos seus senhores e vassalos a doutrina da impessoalidade e da durabilidade – e também de uma impassividade muita vez transgredida belamente – e exigia que eles fizessem poemas como quem esculpe e cinzela, conferindo-lhes a perduração das joias e estátuas, Guimarães Passos ficou a meio caminho. Os poemas e sonetos de Versos de um simples (1891) e Horas mortas (1901) quase nunca alcançam o páramo pétreo.

Decerto, quando menino, em Maceió, ele se lambuzou muito de açúcar e comeu muito doce de coco. A sua textura lírica aponta para as matérias moles e fofas, e, com o seu parnasianismo dulcificado, ele é quase um romântico retardado – um romântico que, sob a férula da nova escola triunfante, fosse obrigado a colocar os seus versos molengos e correntios, e até diáfanos, numa forma ou numa fôrma imponente ou hierática, assim como as dissimuladas ou austeras damas do Segundo Reinado colocavam os seios à Renoir na prisão dos espartilhos.

A esse propósito, vem a talho de foice a observação de Paulo Barreto ( João do Rio), seu sucessor na cadeira n° 26 da Academia. Em seu discurso de recepção, o grande prosador de Dentro da noite, que enriqueceu a nossa literatura com uma nota nova, assentada nos mistérios e errâncias das noites inconfessáveis, estabelece uma diferença entre a geração boêmia de Guimarães Passos e a sua própria geração. “Quem o substitui trocou sempre a quimera pela curiosidade, o entusiasmo pelo fato, o próprio sentimento pela sensualidade dos sentimentos alheios.” Para ele, Guimarães Passos, “o último romântico”, foi um ator, enquanto lhe cabia, a ele João do Rio, a condição de espectador – “o espectador incompleto dessa sociedade que se constitui”. E numa certeira identificação de si mesmo, considera-se “aquele que fixa tumultuariamente alguns aspectos do esplêndido espetáculo”.

O esplêndido espetáculo era a fervilhação e a renovação urbana do Rio de Janeiro no começo do século, com as avenidas que se abriam, os dias considerados vertiginosos, o vício e a graça unidos no mesmo segredo. A observação de João do Rio é sustentada pelo conceito estético da modernidade. O espectador de Os dias passam, com a sua prosa poética e nervosa concentrada nas torpitudes humanas da grande cidade, e a sua nova e insólita maneira de ver e de olhar, avulta na história literária brasileira como o nosso primeiro e primoroso voyeur; e ainda como o incansável e misterioso flâneur que, no conto “O bebê de tarlantana rosa”, revelou a modernidade perversa do Rio Janeiro, com o seu dia tornado noite pelo cinematógrafo e a sua noite equívoca povoada de pederastas, prostitutas e drogados – uma noite que, mesmo em sua moldura tropical, se afeiçoa às longas noites de Restif de la Bretonne, Baudelaire e Gerard de Nerval.

No novo ambiente cosmopolitizado que fustigava a boêmia literária, e sublinhava outros valores e condutas, não é de admirar-se que Guimarães Passos tenha sumido completamente, como fantasma de castelo inglês.

O perfil boêmio de Guimarães Passos suscitou largo anedotário, que, iniciado em sua vinda para o Rio, quando tinha vinte anos (o navio aportado em Maceió em que se encontrava, para despedir-se de amigos, se fizera ao largo sem que ele notasse), grassou até a sua morte, em Paris. E essa foi uma morte romântica: de poeta tuberculoso; uma morte na solidão de um quarto de hotel, após tanto rumor e efusão, e o riso suscitado por tantas peripécias miúdas. Mas, com o fluir dos dias, a torrente anedótica cessou. E vieram o silêncio e o esquecimento, anulando as ocorrências e figuras daquele tempo admirável, em que Machado, Rui, Joaquim Nabuco, Coelho Neto, Bilac e Raul Pompeia não se limitavam a ser grandes artistas literários, e eram também homens de jornal e de revistas, ao alcance do público, numa presença matinal como a do pão.

A edição das poesias de Guimarães Passos, promovida pela Academia Brasileira de Letras e estabelecida pelo filólogo e pesquisador Adriano da Gama Kury – que, com o seu plácido saber e empenho em buscar e descobrir o mínimo e o despercebido, tem algo de um microbiologista –, destina-se a devolver ao sol e à noite de hoje um poeta que, vivo, usufruiu de uma popularidade convizinha da glória. Um poeta que foi companheiro de Machado de Assis e Olavo Bilac – e, em parceria com este, publicou um Tratado de versificação e um Dicionário de rimas. Um poeta menor e secundário, seja, pronto a espelhar a sua dor bem doída e suas lágrimas nem sempre evaporadas. Mas há em sua menoridade e secundaridade uma emoção continuada, uma astúcia formal e uma singeleza e melancolia que enxotam do nosso espírito a gorda exigência estética e a exclusão desdenhosa. Há um certo encanto.

Ó tu, que turvas o palor da neve,
Tu, que as estrelas escureces, deixa
Meu coração dormir. Pisa de leve.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to