Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 5 de janeiro de 2020

Cecy Barbosa Campos (Reminiscências)


A rua não tinha nenhum destes espigões que empanam o sol e, à noite, quando se olhava para o céu, de qualquer ponto, era possível ver as estrelas.

Estrelas brilhantes, tão mais brilhantes quanto mais fria fosse a noite do mês de junho, e este era um mês especial para seus moradores. A meninada, alvoroçada, já no dia primeiro, começava a se preparar para a festa. E como "o melhor da festa é esperar por ela", pode-se dizer que meninos e meninas aproveitavam vinte e quatro dias, sem parar, esperando chegar a noite de São João. Tinham até direito de dormir mais tarde, podendo sair depois do jantar para colar as bandeirinhas que iriam enfeitar o "arraiá".

Os barbantes eram estendidos de um lado a outro, calçada a calçada. Nem tantos carros havia em Juiz de Fora, e a Benjamin Constant, acabando onde é hoje a Tiradentes, era uma rua tranquila e silenciosa, sem ronco de motores a perturbar o alarido da criançada. Assim, sem perigo, todos se encontravam para fazer a colagem, escolhendo as cores cuidadosamente, discutindo com grande concentração e seriedade sobre a conveniência de se colocar uma bandeirinha azul perto da rosa ou vice-versa.

Os maiores providenciavam a capina, pois, no local em que a rua terminava, havia mato, bicho. Era comum encontrar-se, no quintal, um lagarto "quentando" ao sol. Gambás e, dizem, até raposas, costumavam assaltar galinheiros, beber os ovos e roubar frutas durante a noite.

Era necessário limpar e preparar o terreno, num trabalho pesado que ninguém sentia. Tarefas divididas, havia aqueles que iam arranjar o bambu para cercar a área, e os que iam armar barraquinhas onde o pé de moleque, a cocada e a canjica iam ser servidos com muito orgulho pelas donas de casa, quituteiras de mão cheia, que na ocasião demonstravam seus dotes, oferecendo a todos as suas obras-primas.

O local era sempre o mesmo: logo ao final da rua Benjamin Constant, embicava a entrada do arraial que se instalava no espaço entre as atuais ruas Tiradentes e Olegário Maciel. A festa da Benjamin ficou famosa, e os convites para o ingresso eram disputados. Todos se conheciam e todos participavam. Não havia idade nem reumatismo que resistisse à motivação da sanfona e do tablado que, cedido pela Prefeitura, suavizava as irregularidades do solo, permitindo que a caipirada dançasse a quadrilha com muita alegria à luz de uma fogueira cuidadosamente montada.

Passado o mês dos folguedos juninos, a gurizada arranjava pretextos para continuar a se reunir após o jantar. Era o pique-de-meio, no qual, os participantes ficavam a salvo na calçada, sem poder lá permanecer por muito tempo. Tinham que tentar, constantemente, mudar para o outro lado da rua, enfrentando a perseguição do pegador e correndo o risco de, se alcançados, serem expulsos da brincadeira.

À medida que os meninos e meninas iam crescendo, o interesse pelas correrias ia-se transferindo para o vôlei, também no meio da rua. Às vezes, um grande círculo se formava e um jogador, no centro, liderava a distribuição da bola. Outras vezes, em jogo livre, iam sendo feitas exclusões até que a dupla, mais hábil nas jogadas, ficava para a definição final de um vencedor. Em outras ocasiões, até uma rede era improvisada, atravessando a rua de um lado a outro e permitindo uma partida simulada.

Aquele congraçamento de crianças e jovens adolescentes reunia os filhos de conceituadas famílias da cidade. Eram vizinhos próximos os renomados médicos Dr. José Dirceu de Andrade, Dr. Justino Sarmento e Dr. José Mariano; o comércio local se fazia representar pelos senhores Luís Enéas Mescolin e Francisco Romanelli; pela classe bancária respondiam o Sr. José Caldas, o Sr. José Vale da Fonseca e o Sr. Octávio Duarte Corrêa Barbosa.

Havia ainda a simplicidade do "seu" Tonico — o fazendeiro Antônio Teixeira Reis, e a elegância do político, Dr. José Procópio, ex-prefeito da cidade. Outras personalidades marcantes também viviam nas redondezas, mas os citados permaneceram por longo tempo como moradores da rua Benjamin Constant.

Vários remanescentes e /ou descendentes destas famílias ainda lá estão, embora, muitas daquelas casas não existam mais, tendo cedido lugar a prédios altos e modernos.

As crianças de hoje não têm condições de brincar na rua e não conseguem imaginar o que foi o pique-de-meio, o jogo de bola ou a preparação de uma festa junina. Fechadas em suas casas ou apartamentos têm, como distração principal, os programas de televisão assistidos em volume máximo, pois o barulho do tráfego intenso dificulta a audição.

É a marca do asfalto, o preço do progresso. Ainda bem que elas não conheceram a rua Benjamin Constant de 40 anos atrás. A saudade fica para as pessoas que nela viveram naqueles tempos.

Fonte:
Cecy Barbosa Campos. Recortes de Vida. Varginha/MG: Ed. Alba, 2009.
Livro enviado pela autora

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to