Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 18 de janeiro de 2014

José Feldman (Aquarela de Trovas n. 14)


Zerai os ressentimentos
e as mágoas do coração.
– Sem rancores, os bons ventos
novamente soprarão!
A. A. DE ASSIS – Maringá/PR
-
Se a noite chega cansada
de caminhar sempre ao léu,
Deus dá vinhos de alvorada
na taça rubra do céu.
ADELIR MACHADO – Niterói/RJ
-
Quebro a taça do passado
e o vinho espalhado ao chão
é meu brinde apaixonado
aos cacos de uma ilusão.
ALBA CHRISTINA CAMPOS NETTO – São Paulo/SP

-
Quando o inverno, com seu manto,
cobre de frio os caminhos,
o vinho é o doce acalanto
do coração dos sozinhos…
ALBERTINA MOREIRA PEDRO – Rio de Janeiro/RJ

-
A saudade, sem carinho,
procura, nas noites frias,
por velhas taças de vinho
que a vida já pôs vazias!
AMÁLIA MAX – Ponta Grossa/PR
-

O medo é perturbador
e afeta a nossa razão;
faz que coisas sem valor
pareçam mais do que são.
AMILTON MONTEIRO – São José dos Campos/SP
-
Neste meu verso amoroso
digo com certa emoção:
- a trova é vinho gostoso
que embriaga o coração.
ANITA THOMAS FOLMANN – Ponta Grossa/PR
-
Meigo menino sem nome
- alma e vida seminuas -
devora o vinho da fome
pelas adegas das ruas.
ANTONIO BISPO DOS SANTOS – Niterói/RJ
-
Amor é brisa suave,
é aconchego, é carinho;
é vôo cadente da ave
indo em busca do seu ninho.
ANTONIO MANUEL ABREU SARDENBERG – São Fidélis/RJ
-
O pedestre inteligente
sem excesso de confiança,
atravessa, calmamente,
na faixa de segurança.
CAMILO BORGES NETO – Curitiba/PR
-
Goza o momento que passa.
Repara que, em nossas vidas,
nem sempre há vinho na taça,
mas, há, sempre, despedidas…
CARLOS GUIMARÃES – Rio de Janeiro
-
O café que aquece as almas
e adoça nossas lembranças
merece todas as palmas,
companheiro de esperanças.
CARMEN PIO – Porto Alegre/RS
-
Pai, nos caminhos da vida,
seu exemplo é solução,
onde descubro a saída
pra qualquer complicação…!!!
CECILIA SOUZA ENNES – Curitiba/PR
-
Se o frio for prolongado
nestes dias de inverno,
dê calor ao flagelado,
seja um pouco mais fraterno!
CECILIANO JOSÉ ENNES NETO – Curitiba/PR
-
Para mim a ecologia
é sagrado compromisso.
É meu sonho ver um dia
pescador só de caniço.
CECIM CALIXTO – Tomazina/PR
-
Não há vinho que me faça
esquecê-la um só segundo,
porque vejo em cada taça
a imagem dela, no fundo.
CLARINDO BATISTA DE ARAÚJO – Natal/RN
-
Eu, como quem desabafa
no vinho a dor que lhe esmaga,
vou pondo a dor na garrafa
do vinho que me embriaga.
DIVENEI BOSELI – São Paulo/SP
-
Caminhos que contêm flores.
Caminhos cheios de espinhos,
os caminhos dos amores.
Caminhos, longos caminhos...
DJALMA MOTA – Caicó/RN
-
Brigamos… E o amor, injusto,
prendendo-me a um labirinto,
põe no vinho, que degusto,
todo o amargor que ainda sinto!
EDMAR JAPIASSÚ MAIA – Rio de Janeiro/RJ
-

Bendito seja o sujeito
que, traído pelo irmão,
tira do fundo do peito
a fortuna do perdão!
EDUARDO TOLEDO – Pouso Alegre/MG
-
Querência… O encanto profundo
dos dias calmos, risonhos…
- Um pedacinho de mundo
no mundo azul dos meus sonhos.
ELISABETH N. PASCHOAL – Taubaté/SP
-
Se em teu caminho prossegues
um grande amor procurando,
vai em frente, tu consegues,
basta continuar tentando!...
FLÁVIO ROBERTO STEFANI – Porto Alegre/RS
-
Quando a tristeza rescinde
contrato com o coração,
louve a Deus e faça um brinde
com o vinho dda gratidão.
FRANCISCO LUZIA NETTO – Amparo/SP
-
Te levanto, vino tinto,
cual obrero triunfador,
mis labios de color pinto
con el mosto abrasador.
GERMÁN ANTONIO ECHEVERRÍA AROS – Chile
-
Café Damasco… Sabor!
Gosto bem quente e bem forte,
tanto no frio ou calor,
Instantâneo ou em pacote!
GUIMARÃES TABORDA BUENO – Curitiba/PR
-
Aquelas nuvens revoltas
sob o imenso firmamento,
parecem ovelhas soltas
voando a favor do vento.
HELY MARÉS DE SOUZA – União da Vitória/PR
-
Vagando em brandos festejos,
antes que a brisa se amoite,
os vaga-lumes são beijos
que os anjos trocam de noite.
HUMBERTO DEL MAESTRO – Vitória/ES
-
Quando a tristeza não passa,
forço um sorriso no rosto,
ponho vinho em minha taça
e ergo um brinde ao meu desgosto!…
IZO GOLDMAN – São Paulo/SP
-
Poesia: flor de mistério
que brota do coração,
e abre as pétalas de etéreo
no céu da imaginação.
J. G. DE ARAUJO JORGE – AC
-
Foi São Francisco a grandeza
do amor cristão e profundo...
que, abrindo mão da riqueza,
abriu as mãos... para o mundo!
JOÃO FREIRE FILHO – Rio de Janeiro/RJ
-
Meu consolo, na tristeza,
quando, no peito, a agasalho,
é o pranto da natureza,
nas gotas tristes do orvalho.
JOSAFÁ SOBREIRA DA SILVA – Rio de Janeiro/RJ
-
Foram felizes instantes,
Juventude na querência
Hoje em terras tão distantes
Pilcha…mate…sinto ausência.
JOSÉ FELDMAN – Maringá/PR
-
Se nunca me abate a lida,
é porque sempre reponho
minha energia perdida,
tomando o vinho do sonho.
JOSÉ NOGUEIRA DA COSTA – Pouso Alegre/MG
-
Marcaram minha existência
duas "heranças" fatais:
no amor, a palavra "ausência";
na ausência, a expressão "jamais"...
JOSÉ OUVERNEY – Pindamonhangaba/SP
-
Cada vez mais terno e amigo,
na verdade o nosso amor
tem muito do vinho antigo
que o tempo apura o sabor!
JOSÉ TAVARES DE LIMA – Juiz de Fora/MG
-
Foi assim que me deixaste:
Sem nenhuma explicação!
E sepultada ficaste
neste infeliz coração.
LAIRTON TROVÃO DE ANDRADE – Pinhalão/PR
-
Como atitudes presentes,
a envelhecer feito os vinhos,
bons exemplos são sementes
lançadas pelos caminhos.
LAVÍNIO GOMES DE ALMEIDA – Barra do Piraí/SP
-
Renúncia, pra São Francisco,
foi total libertação;
ter posses é sempre um risco
para a alma em ascensão.
LÓLA PRATA – Bragança Paulista/SP
-
O vinho dissipa o tédio
em que o fracasso nos joga.
Na dose certa é remédio,
em excesso, nos afoga!…
LOURDES REGINA F. GUTBROD – Rio de Janeiro/RJ
-
De volta, naquela viagem,
carregando o olhar tristonho,
via de perto a paisagem,
mas bem distante o meu sonho...
LUCÍLIA TRINDADE DECARLI – Bandeirantes/PR
-

Asoma por la ventana
la luna su triste faz:
¿Dónde está Mario Quintana
que no me canta ya más?
MARIA ELENA ESPINOSA MATA – México
 -
Renúncia... amor  em pedaços...
que se prendeu num tear,
no emaranhado de laços,
que eu tento em vão desfiar...
MARIA LUA – Nova Friburgo/RJ
-
Ao clamor da Liberdade,
tremem os reis e as nações,
porque a força da verdade
tem mais força que os canhões!
MARIA LÚCIA DALOCE CASTANHO – Bandeirantes/PR
-
Com volúpia e desvario,
neste amor vou mergulhar...
Eu me sinto como o rio,
que se atira para o mar!
MARIA THEREZA CAVALHEIRO – São Paulo/SP
-
No abandono, em desalinho,
eu sonho me embriagar
na branca taça de vinho
que se derrama em luar!
MARINA BRUNA – São Paulo/SP
-
Meu querido piano amigo,
com acordes de veludo…
Quando estou junto contigo,
logo me esqueço de tudo!
MARITA FRANÇA – Curitiba/PR
-
São gotas de poesia,
ou de algum raro licor,
que o orvalho, com alegria,
põe no cálice da flor.
MARLÊ B. J. DE ARAÚJO – Viamão/Portugal
-
Fecho os olhos... sou cativo
da saudade que me escolta
e teima em me dar motivo
para crer na sua volta.
MAURÍCIO CAVALHEIRO – Pindamonhangaba/SP
-
O licor molha o carpete…
E o par de taças quebradas
brinda o silêncio… e reflete
nossas noites fracassadas.
MILTON SEBASTIÃO SOUZA – Porto Alegre/RS
-
A videira busca o sumo
em solo fértil, profundo,
e faz do vinho um resumo
das alquimias do mundo.
MOACYR SACRAMENTO – Niterói/RJ
-

Foi por falta de carinho
que errei e perdi meus passos,
mas bendigo o “mau caminho”
que me levou aos teus braços...
NÁDIA HUGUENIN – Nova Friburgo/RJ
-
Nas águas em que vivemos,
onde mais nada magoa,
teus braços serão meus remos
e a nossa cama... a canoa...
NEIDE ROCHA. PORTUGAL – Bandeirantes/PR
-
Tudo agora é tão comum!
Nada dói na consciência...
Mas não há motivo algum
que justifique a violência.
OLGA AGULHON – Maringá/PR
-

Eis meu desejo ideal,
minha utopia e quimera:
– ver seus braços, afinal,
abrirem-se à minha espera!
RENATO ALVES – Rio de Janeiro/RJ
-
Quando me assalta a saudade
de te ver, de te falar,
saio, cheio de ansiedade,
com o fim de te encontrar.
SERAFIM FRANÇA – Curitiba/PR
-
Sei que este mundo é mesquinho,
mas, Senhor Deus, não aceite
que alguns se fartem de vinho,
pois há crianças sem leite!
SÉRGIO MIRANDA FILHO – Rio de Janeiro/RJ
-

Que verdura, que beleza,
o vinhedo sobre o monte,
quando a mão da Natureza
borda a tela do horizonte!
SEBASTIÃO SOARES – Natal/RN
-
Tendo o amor por inquilino,
com coragem e artimanha,
meu coração é um menino
que ora bate... que ora apanha!
THEREZINHA DIEGUEZ BRISOLLA – São Paulo/SP
-
O jardim, nos seus atalhos,   
unindo vários canteiros,
tece colcha de retalhos,
ungido com doces cheiros...
VANDA ALVES – Curitiba/PR
-
Eu tinha o corpo cansado…
Ao dela faltava amor…
- E foi um vinho encorpado
que deu corpo ao nosso amor!…
WALDIR NEVES – Rio de Janeiro/RJ
-
No seu espaço abrangente,
a vida é espaço comum:
mistura um pouco da gente
na vida de cada um.
VANDA FAGUNDES QUEIROZ – Curitiba/PR
-
Na lareira um fogo brando
e, entre doses de licor,
nossos corpos desenhando
todas as formas de amor.
WILMA MELLO CAVALHEIRO – Porto Alegre/RS

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to