Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 28 de julho de 2012

Sexteto em Sextilhas (Parte 4)

------------------
Este debate possui 300 sextilhas. As postagens são diariamente de 30 em 30, ficando assim divididas em 10 dias.

91 –  Assis
Depois do samba, eis que a gente
precisa parar um pouco;
aproveitar a quaresma
pra fazer ouvido mouco
aos ruídos deste mundo,
a cada dia mais louco.

92 – Ademar
Eu acho que vimos pouco
no carnaval, este mês;
o mundo está mesmo louco,
e com a falta de honradez,
a mulher se fantasia
com sua própria nudez!

93 – Delcy
Hoje, eu vivo a embriaguez
que o carnaval propicia,
olhando Escolas e blocos
na  TV,  dia  após  dia,
e vibrando com o calor
dessa explosão de alegria!

94 – Prof. Garcia 
É triste, mas hoje em dia,
carnaval não presta mais;
só se escuta funk e rock
e outras drogas infernais,
matando nossas marchinhas
de passados carnavais!

95 – Gislaine
São marchinhas que jamais
sairão do coração
de quem é da velha guarda,
pois causam muita  emoção,
saudade de anos vividos
com prazer e animação!

96 – Zé Lucas
Deixei de ser folião;
dei adeus à brincadeira.
Vejo agora o carnaval
como ilusão passageira,
de três dias de loucura,
que morre na quarta-feira. 

97 – Assis
Nossa gente brasileira
de cuca fresca tem fama;
dança, canta, joga bola,
e contra nada reclama,
e ao ver o planeta em crise
diz que é problema do Obama.

98 – Ademar
Ao poeta nada inflama,
nem nos deixa cicatriz.
Essas crises não me atacam
a própria vida me diz,
só uma coisa me importa:
fazer verso e ser feliz!

99 – Delcy
O meu destino não quis
que, neste mundo, a ventura
sorrisse mais para mim!
Sem dinheiro e com cultura,
ganhei mais que muita gente:
me enriqueci de ternura!

100 – Prof. Garcia
Viver é a grande ventura
nesta nossa caminhada.
Mas o saber nos revela
todas as curvas da estrada,
e é luz que nunca se apaga
até o fim da jornada!

101 – Gislaine
Tendo a fé por aliada,
não tememos o futuro,
sabemos que nos espera
algo bom e muito puro,                     
e seguimos palmilhando
nosso caminho seguro!

102 – Zé Lucas
O que chamamos futuro
às vezes está pertinho;
pode ser alvissareiro,
quando o pintamos mesquinho;
por isso, seguir cantando
torna mais belo o caminho.

103 – Assis
Desculpem mais um pouquinho
pelos atrasos do Assis;
é que estive por uns dias
ausente, porém feliz,
curtindo as águas quentinhas
das Termas de Imperatriz.

104 – Ademar
Você, sim, é que é feliz
da forma mais inconteste,
e eu lhe faço um convite
peço que não me conteste:
venha conhecer nas férias,
as belezas do nordeste.
 
105 – Delcy
O  convite que  fizeste
ao Assis, querido irmão,
nos mostra que muito queres
teu  Nordeste, com  paixão,
mas meu Sul não fica atrás,
merece nossa  atenção!
  
106 – Prof. Garcia
Já senti a sensação
de conhecer novos lares;
visitar terras distantes
cruzar os mais belos mares,
nunca vi nada mais lindo
que nossos próprios lugares!
 
107 – Gislaine
O respirar novos ares,
faz feliz o coração.
Morarmos num paraíso
nos causa grande emoção,
mas viajar pelo mundo
nos traz nova inspiração!
 
108 – Zé Lucas
Os meus sonhos sempre vão
muito distante daqui,
atravessam céus e mares,
paragens que nunca vi,
porém, de volta, me dizem:
-teu lugar é Pirangi!

109 – Assis
Assim que houver tempo aqui,
mais o et-cétera-e-tal,
farei o que há muito eu quero:
vou pegar o meu bornal,
montar num corcel voante
e apear dele em Natal.
 
110 – Ademar
Ao chegares em Natal
vais me encontrar de joelho,
pois neste “vale de trovas”
és, de fato, o meu espelho;
e haverás de andar aqui
sobre um tapete vermelho...

111 – Delcy
Tu falas que Assis é espelho
e eu digo que ele é especial,
mas os outros do sexteto
também são bons, afinal,
por isso, eu faço um convite:
-Vamos todos a Natal!!!

112 – Prof. Garcia
Nosso trabalho, afinal,
volta com força e vigor;
muitas estrelas brilhando
mostrando luz e esplendor,
e a musa inspirando os vates
na caminhada do amor.

113 – Gislaine
Mais que lindo, é encantador
versos, poder escrever,           
deixando um pouco de nós,
neles, vamos reviver,
e algo deles vai ficar
pois, de nós, vai transcender!

114 – Zé Lucas
Sinto minha alma se encher
de uma alegria infinita;
parece que a vida canta
e o próprio silêncio grita,
quando eu monto os seis pilares
de uma sextilha bonita!

115 – Assis
Minha é a alegria infinita,
por poder, por esta via,
abraçar o Mestre Lucas
no seu belíssimo dia,
com votos de mais cem anos
a serviço da poesia.

116 – Ademar
Dediquei-lhe uma poesia,
orei e fiz uma prece,
e eu falando com Jesus
algo de bom me acontece;
e o que eu pedi pra Zé Lucas,
com certeza ele merece!

117 – Delcy
Eu também fiz uma prece
pelo nosso  Professor
e no "Universo da Trova"
falei sobre o seu  valor,
comentando os lindos versos
de Zé Lucas, cantador!

118 – Prof. Garcia
Sob o feitiço do amor
todo poeta se extasia.
Somos fiéis mensageiros
do mundo da fantasia,
e tangerinos dos versos
do reinado da poesia!

119 – Gislaine
É um reinado de alegria,
e a musa, sempre presente,
traz tanta felicidade,
de uma maneira envolvente,
que toca a nossa emoção
e nos faz sentir mais gente!

120 – Zé Lucas
Temos na esfera da mente
o nosso mundo encantado:
raios dispersos de estrelas,
imagens por todo lado,
e sempre um novo caminho
em cada verso inventado.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to