Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 4 de janeiro de 2014

Hernando Feitosa Bezerra Chagall (Cantares) VIII

MÁSCARA
 

Endureci a face
Para não sofrer com a emoção
Meu rosto virou uma careta
E um calo, meu coração.

CANDLE
 

Se não podes ser sol
Almeje apenas ser uma vela
Que ilumine ao menos
Tuas próprias trevas.

TORCEDOR

No vôo livre da bola
Gira o sonho torcedor
Querendo ver na gaiola
Preso passarinho gol.

Pula xinga dança chora
Briga ri da própria dor
Quando perde vai embora
Mas volta sempre vencedor.

Seja campeão ou vice
Seja último ou não
Não importa o que dizem
Vence sempre a emoção.

SIBA

Meu pai
Era um homem baixo
Franzino e tímido até
Trazia os olhos tristes
Por amor a uma mulher
Sisudo agreste macho
Nunca aprendera a chorar
Sua palavra era silenciosa
E seu sorriso tentava esconder
Passos que não se sabiam...
Nunca precisou de dinheiro para beber
Mas sempre precisou da bebida
Para viver.

AMBROSIA

Minha mãe
Conserva ainda a esperança
E um encanto de criança
Nesses tempos tão hostis!

Em sua santa ignorância
Ensina-me confiança
Lição que desaprendi.

Minha mãe
Apesar de tantos anos
Segue humilde caminhando
Com um sorriso novo em flor...

Quando esquece suas dores
A comparo com as flores
Transbordando de amor.

RIMBAUD
 

Temos todos
Um rebelde dentro da gente
Um anjo caído torto e indecente.
Reminiscências
Da estação que passamos
No inferno da adolescência...
E só purgando no deserto do agora
Damo-nos conta de que aquela
Fora nossa melhor fase.

PEQUENO MERCADOR

Levantava madrugada
Antes de brilhar o sol
Do acordar da passarada
Em seu canto si bemol.

A noite, o vento, o frio
O castigavam franzino
E um medo interior
Massacravam o menino.

No escuro germinando
Ser mente ali brotava...
Quietinho, covarde, esperando

O dia que não nascia,
A feira que já fervia
Na vida que começava.

AMIGOS FOREVER
(para Danillo Feitosa)

Em vários momentos
Tenho saudades de nossa amizade
Tranqüila, sincera
Que nada queria além do instante.
Eu sei não sou
O que fora anteontem
Passo como tudo me transformo.
A paz do universo confidencia
Que as cores em lindas melodias
Desenham toda unidade
Comigo, contigo, contudo...
Espero não ter perdido
Sua amizade.

CANÇÃO DO EXÍLIO

Pátio vazio, olho o gradil
Meu Deus! estou preso!
Pior que cadeia,
Preso em mim mesmo!
Nem tenho direito
A um raio de sol
Que ilumine este pátio,
Que aqueça este peito.
Que me deixe sem jeito
De tentar esconder
Todo meu preconceito
Por não ter aprendido
O real, irreal sentido
Dessa magia, viver.

BLEFE

Não me atrevo
A ser apenas
O que desejo

Escrevo.

Nem admito
Escrever somente
O que sinto

Minto.

DISTRAÍDO

Olhava os pássaros
Procurando caminhos
Enquanto meus passos
Pisavam seus ninhos.

DEMASIADO HUMANO
 

Precisamos de um Deus
Que nos una
Precisamos de um Deus
Que nos ame
Precisamos de um Deus
Que nos puna
Precisamos de um Deus
Precisamos
Mesmo que seja Um
Que nós próprios
Inventamos.

POETA

Todo dia amanhecia verso
Toda vida gostara do outono
Toda noite dormia certo
Não morreria
Enquanto houvesse um sonho.

ENGANO
 

Não sou profeta
Nem vagabundo
Sou um poeta
A caminhar no mundo.

Não sou religioso
E nem ateu
Sou um homem
Que se acredita deus.

Na realidade sei
Que nada sou
Nada serei

Além do engano
De querer ser
Mais que humano.

EU TE AMO!

Meus olhos gritam
O que teus lábios
Teimam silenciar.

CIÚME
 

Olhando para o que não lhes pertence
Meus olhos choram uma dor
Que não deveria ser minha.

ECO

Amor difícil caminho
Eu digo rosas
Você repete espinhos.

MESTRES

Lábios
Dois sábios
Quando mudos beijam.

Fonte:
Hernando Feitosa Bezerra. Cantares.  Universidade da Amazônia – NEAD.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to