Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

Carolina Ramos (A História de Amélinha)


Não! Esta não é, absolutamente, um história autobiográfica. Convenhamos, logo de início, que o simples fato de ter sido escrita por uma mulher, não dá direito, a qualquer, de encostá-la na vida da autora. Uns esbarrõezinhos, vá lá, até que são permitidos. Que no âmago de toda mulher, há sempre uma Amélia em potencial, pronta a assumir o seu lugar. E se não a estrangulam, se não abafam os seus impulsos, a própria vida acaba por facilitar-lhe a ascensão. E depois que ela assume o posto, ninguém mais a tira de lá!

Mas, vamos à história de Amélinha, sem mais preâmbulos, nem delongas. Começa com um desejo:

Maria Amélia, Amélinha, para os íntimos, queria ficar doente! Isso mesmo. Queria ficar doente! Só! Desde pequenina, quando contrariada, acudia-lhe sempre esse mesmo desejo. Queria adoecer, ficar bem doente! Morrer, até! Para que o pai, a mãe, a professora ou quem fosse, tivessem pena dela e se roessem de remorsos, por não lhe terem dado atenção ou satisfeito seus insignificantes caprichos de menina.

Agora, mulher madura, o desejo continuava o mesmo. As razões, claro, eram bem outras. Assoberbada de trabalho, em suas lutas domésticas, sem férias nem feriados, ainda queria ficar doente, mas, para poder descansar. Para ter o direito, sagrado, de relaxar o corpo, sempre tenso, um pouquinho que fosse!

Trezentos e sessenta e cinco dias, ano após ano, de faina ininterrupta, criando filhos, cuidando do esposo, da casa, etc. etc, faziam-na, para todos, mãe e esposa exemplar! Mulher nota 10!

Ajudantes, nem pensar! No meteórico passar por sua vida, só lhe haviam trazido dores de cabeça. A última até lhe roubara as joias modestas, de pouco valor, mas, de um preço estimativo sem tamanho! As correntinhas partidas, as medalhinhas mastigadas pelos dentes afiados da primeira dentição, até os reloginhos que haviam tiquetaqueado no seu pulso, em diferentes etapas, marcando a pulsação das horas mais emotivas, tudo fora levado, sem volta! Desgosto dos maiores!

Amélinha era pródiga em dar. Mas, não admitia que lhe tirassem um só alfinete! Indignada, decidira-se: — Ninguém mais entraria pela sua porta, sob pretexto algum, com
intenção de enganá-la!

Reunira forças, enchera os pulmões, lançara-se à batalha, de vida ou morte, para sustentar como mulher, a nota dez! Difícil! Cada vez mais difícil, mas, seguia no posto.

Findava dezembro e dizia com satisfação: — Sobrevivi!

Entrava janeiro, e puxava novamente o fôlego, arregaçando as mangas, quando as tinha, dispondo-se a enfrentar a sobrecarga de mais doze novos meses. Sentia o fôlego cada vez mais curto e o peso do trabalho crescer, alarmantemente, para braços que se enfraqueciam.

Valiam-lhe as máquinas. Bendita tecnologia que fazia de cada uma delas autêntico Cyrineu, a aliviar ombros frágeis, domesticados! Na verdade, elas mesmas, as máquinas, eram facas de dois gumes. Dispensavam ajuda de outras mãos, somando tarefas a serem desempenhadas, até a estafa total, por legiões de donas de casa sobrecarregadas, que ainda se orgulhavam de as possuir! Certo, que sem elas, seria bem pior!

Amélinha olhava o tanque cheio de roupa, com desânimo infinito! A máquina de lavar, comprada com tanto sacrifício e já com boa folha de serviços prestados, resolvera não cooperar. O velho e escravizante lesco-lesco a esperava, desgastante e execrado por tantas e tantas Amélias, em todo os tempos! Mais essa!

Maria Amélia, Amélinha, para os mais chegados, demorou-se na auto-análise: — Por que trabalhava tanto?! Talvez, influência do nome, estigmatizado pelo cancioneiro popular. Arrancou do peito um suspiro profundo, O nome era bonito, mas, por via das dúvidas, não o passara a nenhuma das filhas.

Queria ficar doente! Isto, sim, é o que queria!

Nada de grave, não. Uma doençazinha de nada, passageira, que levasse o caçula a receber o pai à hora do almoço, dizendo;

— A mãe tá dodói... tá deitada, tadinha!

Doce ilusão! Em troca, esperava pelo beijo convencional do marido e a frase de todos os dias:

— A boia tá pronta? Tô com uma pressa danada!

Era o mesmo que pisar no acelerador, Amélinha esquecia tudo o mais, para abastecer a mesa, cercada de estômagos vazios e olhos ávidos.

Uma gripezinha à-toa seria o bastante. Logo ao primeiro espirro, contudo, contaminava toda a família. Todo o mundo ía para a cama e a sina de Amélinha, implacável, a induzia a continuar de pé, tratando de todo o mundo!

Uma apendicitezinha, sem maiores consequências, também não viria mal. Nem isso conseguia! Até as amígdalas estavam firmes no posto, sem alarmes maiores que simples rouquidões passageiras.

A memória guardava apenas os surtos infantis de catapora, sarampo, coqueluche, etc. Depois disso, nada mais lembrava que pudesse contrabalançar com a pedreira do marido, sempre ativa, e que, periodicamente lhe rendia alguns dias de repouso, espécie de gestação, até que o rim, aos berros, decidisse dar à luz a mais um precioso cálculo; guardado em vidrinho, numa gaveta, e de lá só saído para ser exibido aos amigos, com a satisfação de pai, que apresenta o filho à sociedade.

Vez ou outra, uma enxaqueca brava ameaçava derrubar Amélinha. O tempo breve que a prendia ao leito, no entanto, era tão cruciante, que nem dava gosto! A enxaqueca maltratava demais! Não valia a pena! Depois... as obrigações acumuladas exigiam o dobro do trabalho!

Não havia jeito. Amélinha morreria de pé! Seu único mal era, na verdade este: — estava doente de vontade de ficar doente!

Tinha pronta até a maleta, arrumada com carinho, com duas camisolas sem uso, com rendas nas mangas e no decote. Neste, a agulha pudica acrescentara alguns pontos, para quebrar a ousadia. Que, ao marido, apenas, cabiam maiores abrangências. Um "pegnoir" rosa, os chinelinhos da mesma cor, acetinados, escova de dentes, pasta sabonete e talco, trocados, de tempo em tempo, por perderem o perfume, compunham a pequena bagagem.

Queria ir bem bonita para o hospital, para ser atendida por um médico de roupa toda branca, de boas maneiras e voz mansa. Em suma, causar boa impressão! Não esqueceu, por isso, a bolsinha plástica, fechada a zíper, portadora de "rouge", batom e outros acessórios indispensáveis à maquiagem. Não admitia ser uma doente feia e amarela!

Por ocasião do nascimento do primeiro filho, pensara chegada a hora da glória! Dera um "chega pra lá" ao conteúdo da maleta, para acomodar o enxovalzinho do neném. E, deliciada, aguardara com ansiedade a corrida para o hospital, o que, ainda daquela vez, acabou por não acontecer!

Dona Marta, "aparadeira" da vizinhança, e cujos zelos Amélinha desdenhava, no firme propósito de que jamais os solicitaria, teve de ser chamada às pressas, madrugada adentro, que o menino tinha pressa, ainda maior, em chegar!

Assim, a pausa repousante e tão desejada, foi adiada indefinidamente!... Na tarde daquele mesmo dia, a moça lavava fraldas do pequenino chorão que, em clarinadas sonoras, valentemente conquistava espaço nas vinte quatro horas, laboriosas, da mãe!

Os outros filhos, invariavelmente, seguiram os mesmos cômodos moldes. Dona Marta, instalada no bairro, era sempre a solução mais fácil e, por que não dizer?, mais econômica. Seus favores não podiam ser preteridos a troco de nada.

E foi assim que Amélinha acumulou cansaços numa faixa etária que se estendia dos dezoito aos sessenta e dois anos.

A dorzinha boba, que de quando em vez lhe cutucava o peito, nem chegava a impressionar.

Amélinha morreria de pé! Não sabia como, nem onde e nem quando. Apenas, sabia que seria assim!

Quando a encontraram, naquela tarde fatídica, estava na cozinha, já fria, cor de cera, tendo à frente a costumeira pilha de panelas e pratos, devidamente ensaboados.

O corpo rijo, tombado para a frente; a cabeça mergulhada na pia, lembrando um triste L invertido.

Tombara em pleno campo de batalha! Em combate! Soldado anônimo, sem qualquer condecoração!

Morrera de pé!

... E, Amélinha, que trabalhara tanto para tanta gente, acabou por dar enorme trabalho para todos, porque... nem morta, conseguiram deitá-la!!!

Fonte:
Carolina Ramos. Interlúdio: contos. São Paulo: EditorAção, 1993.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to