Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

André Rosa (Plano de Aula: Realismo fantástico: o que está por trás destas histórias?)


Ajude a turma a entender o que é o realismo fantástico - também conhecido como realismo mágico ou maravilhoso - e peça que escrevam um texto neste gênero

Conteúdos

 - Realismo fantástico (também chamado de realismo mágico ou realismo maravilhoso)
 - Literatura 

Objetivos

 - Apresentar as origens da literatura fantástica
 - Perceber a constituição do realismo fantástico a partir de elementos incomuns
 - Escrever uma narrativa fantástica

Anos

 Ensino Médio

Tempo estimado

 Duas aulas

 Materiais necessários:

 - Cópias da reportagem "Deixe-se enganar" (Veja, 2294, 7 de novembro de 2012)
 - Trechos selecionados de "A divina comédia - Inferno" (Dante Aleghieri); "Odisseia" (Homero); "Cem anos de solidão" (Gabriel García Marquez); "O último voo do flamingo" (Mia Couto) e da obra de Julio Cortázar e Murilo Mendes.
- Leia mais - Para ficção, realidade é só cenário
- Leia mais - Investigue as relações entre textos literários e realidade

Flexibilização

Para alunos com deficiência visual
 Se houver algum aluno com deficiência visual na sala, a sugestão é utilizar esculturas e outros objetos com formas exageradas como bonecos com cabeças e pernas desproporcionais, réplicas de insetos ou figuras que misturem características humanas e animais, entre outros. Em contato com essas formas, os alunos poderão iniciar o reconhecimento do fantástico de forma materializada, auxiliando não só aos deficientes visuais, mas a todos os alunos.

Introdução

 A reportagem "Deixe-se enganar", publicada em Veja, fala sobre o fascínio que a obra do escritor japonês Haruki Murakami vem exercendo sobre a crítica especializada e em leitores de várias origens. Sua trilogia, "1Q84", tornou-se um best-seller no mundo todo ao utilizar elementos e citações da realidade cotidiana atrelados a acontecimentos e situações anormais. Tudo isso para gerar um conflito, na melhor tradição da literatura fantástica. 

 Utilize a reportagem como ponto de partida para uma aula que explique o que é o realismo fantástico e oriente seus alunos a escreverem uma narração nesse modelo.  

Desenvolvimento

1º etapa 

 Conte aos estudantes que nas próximas aulas eles vão estudar um gênero literário muito interessante: o realismo fantástico (também conhecido como realismo mágico ou realismo maravilhoso). 

 Comece questionando a turma sobre o que significa o adjetivo "fantástico". Anote as respostas no quadro e aproveite o gancho para explicar que a narrativa fantástica é cultivada desde as origens da literatura. Ela pode ser definida como a descrição de um acontecimento insólito que produz um estranhamento ou rompimento com a realidade habitual e leva personagens e leitores a uma outra realidade, em parte inexplicável, onde o conflito é resolvido por meios não convencionais.
  
 Essa literatura não deve ser vista como mera alegoria, mas como uma expressão de uma realidade incomum. Isto é, nem sempre é apenas uma criação ficcional, mas fundamentalmente uma tentativa de propor interpretações não convencionais aos problemas reais. Indique aos alunos que essas características estão presentes tanto em obras recentes quanto antigas. É possível encontrar nos clássicos da literatura ocidental a origem de elementos fantásticos. Na Odisseia de Homero há muitos acontecimentos incomuns como o encontro do herói Odisseu com as Sereias (entes mitológicos antropófagos, que detinham o poder de encantamento e sedução) e o ardil utilizado pelo herói para vencer o ciclope Polifemo. 

 Outro autor clássico cuja obra influenciou  a literatura ocidental foi o poeta Dante Alighieri (1265-1321). O épico "A divina comédia" é marcado pelo estranho encontro do autor com a alma do poeta latino Virgílio (70 a.C. - 19 a.C.), que serve de guia às regiões infernais e ao Purgatório, locais em que o poeta florentino testemunha toda série de martírios destinados às almas condenadas. Na viagem, os poetas encontram personagens como o barqueiro Caronte, responsável por conduzir as almas pelo rio Aqueronte; o cão Cérbero, monstro de três cabeças responsável por vigiar as almas dos glutões; além de outros seres mitológicos, como as Hidras, os Centauros, as Hárpias e o gigante Gerião - personagens da mitologia clássica utilizados como parte da alegoria dos horrores descritos por Dante em sua viagem fantástica ao mundo dos mortos.

 A literatura dos viajantes, feita entre os séculos 15 e 17, também foi marcada pela descrição de espaços, seres e situações que, para a realidade europeia recém-saída da Idade Média, eram manifestações próximas aos mitos e lendas do passado. A literatura contemporânea deu sequência à tradição do fantástico. No século 20, vários autores fizeram do chamado "realismo fantástico" o mote de sua obra: Kafka, Edgar Allan Poe, José Saramago, Mia Couto, Murilo Rubião, Gabriel García Márquez, Julio Cortázar são alguns deles.

2º etapa

 Retome a definição de realismo fantástico para que os alunos consigam responder se gostam deste tipo de história e deem exemplos. Conte que a transgressão realizada pela literatura fantástica se traduz pelo aparecimento do absurdo e do choque entre a realidade como conhecemos e uma outra, criada pelo escritor, que podemos chamar de "supra-realidade". Pergunte aos estudantes se conhecem ou se interessam por obras consideradas fantásticas. Em caso positivo, peça que citem obras de sua preferência. Não tenha preconceitos: é possível que sejam obras populares, filmes de ficção ou jogos. O importante é estabelecer um elo entre as características literárias e aquelas que forem identificadas pelos adolescentes. Além disso, é interessante observar que o fantástico está presente em muitos tipos de textos: nas lendas e contos de fada, nos mitos antigos, na literatura, nas histórias em quadrinhos e até nos heróis dos filmes de ficção científica e terror.

 Distribua  cópias do texto "Deixe-se enganar", publicado em Veja. Oriente a leitura e observe que o próprio título da reportagem já oferece uma possibilidade interpretativa da literatura fantástica: o leitor deve se deixar "enganar" pelo que parece irreal ou espantoso para fazer uma leitura profunda da obra. 

3º etapa

 A seguir, apresente alguns autores para a turma e leia trechos previamente selecionados por você de algumas dessas obras. Peça aos alunos que participem com comentários! Abaixo algumas sugestões de escritores que podem ser trabalhados com a turma:

Escritores "fantásticos" 
 O escritor moçambicano Mia Couto é um deles. Sua obra é marcada pela interpretação dos acontecimentos marcantes de seu país a partir de um viés fantástico. Livros como os romances "A varanda do frangipani" e "O último voo do flamingo" são bons exemplos. No primeiro, o fantasma de um velho carpinteiro luta contra a tentativa do governo revolucionário em torná-lo herói nacional. No segundo, o incomum acontece a partir da presença de soldados das Forças de Paz da ONU durante o período do pós-guerra: sem qualquer explicação aparente, os soldados de capacete azul simplesmente começam a explodir. Em ambos os romances, a presença de lendas e mitos africanos é utilizada como contraponto à realidade habitual, e os acontecimentos inusitados recebem explicações plausíveis a partir da compreensão desses mitos. 

 A literatura latino-americana do século 20 foi profícua na produção de narrativas vinculadas ao realismo-mágico ou realismo fantástico. A obra máxima de Gabriel García Marquez, "Cem anos de solidão", é sem dúvida das mais marcantes narrativas do continente. Por meio de um enredo considerado fantástico, o escritor colombiano fala sobre a origem e o declínio de uma família tradicional e faz uma crítica acentuada ao engessamento da sociedade no continente.

 O argentino Julio Cortázar escreveu livros em que a ambigüidade e a fragmentação surgem para criar enredos alegóricos, em que a realidade cotidiana é abalada pelo surgimento de um acontecimento quase inexplicável. Seus contos e novelas são marcados pela presença de uma temporalidade não linear nem progressiva, e também pela ideia do "duplo", do contrário e do outro como elemento de tensão. O conto "As babas do diabo" deu origem ao filme "Blow-up", do cineasta Michelangelo Antonioni. 

 Outro exemplo que você pode mostrar à turma é o brasileiro Murilo Rubião, um dos mais importantes autores do realismo mágico em nossa literatura. Contos como "O ex-mágico da Taberna de Minhota", "Teleco, o coelhinho" ou "O pirotécnico Zacarias" apresentam elementos inverossímeis que acabam por trazer reflexões profundas sobre a realidade e os sentimentos das pessoas, sempre dosados com ironia sutil. 


Indique aos alunos a leitura de ao menos um conto completo de um dos autores citados - escolha, por exemplo, um dos contos curtos de Julio Cortázar ou Murilo Rubião. Peça que pesquisem e tragam anotados outros exemplos de autores e as características principais da obra. 

4º etapa

 Peça aos estudantes que comentem os contos lidos e as pesquisas. Pergunte o que mais chamou a atenção deles: o que diferencia estas histórias das mais realistas? Por que  acreditam que a literatura fantástica possa atrair tantos leitores?

 A seguir, proponha que escrevam uma história com as características da literatura fantástica. O trabalho pode ser individual ou em equipes. Os alunos podem escolher se preferem uma lenda, uma história de terror ou até um texto bem humorado. Lembre à turma que um acontecimento absurdo é o que traz a surpresa para uma narrativa fantástica. Muitas vezes uma história que começa de forma aparentemente linear, "normal", acaba oferecendo um elemento-surpresa que a transforma numa narrativa fantástica. Quando os estudantes terminarem, peça que compartilhem suas produções. 

 Avaliação

 Tomando como referência os textos produzidos e os debates feitos em sala, observe se os alunos entenderam o que é o realismo fantástico e se conseguem distinguir uma história com estas características.

 –––––––––––-

André Rosa é  Professor de Literatura e Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Fonte:

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to