Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Geraldo Majela Bernardino Silva (Funções da Mensagem Literária) Parte 5


4- FUNÇÃO ESTÉTICA, POÉTICA, RETÓRICA ou TEXTUAL:

Aqui a atenção se dirige para os elementos da mensagem utilizados; o signo chama a atenção ou provoca uma reação pelo que ele é, não pela função prática que desempenha ou para que serve. É uma ruptura da norma, não uma ruptura do código. A intenção é produzir obra de arte e não informar. Não cabe aqui explicar as elaborações lingüísticas mas tão somente compreendê-las, fluí-las. É a função do discurso literário. Ela pode, inclusive, englobar as outras funções da linguagem.

Veja-se o seguinte exemplo:

Parolagem da Vida  C.Drummond de A.

“Como a vida muda.
     Como a vida é muda.
    Como a vida é nuda.
    Como a vida é nada.
     Como a vida é tudo.”

Você pode observar que as palavras foram selecionadas e combinadas de maneira que pudessem ser obtidos efeitos sonoros especiais. Para tanto, o poeta utilizou os seguintes recursos:

– a repetição, no início de cada verso da expressào: “como a vida...”
= o emprego, no final dos três primeiros versos, de palavras com finais idênticos: “muda”(verbo), muda (adjetivo) e “nuda”(adjetivo);
– o emprego, no 4o verso, da palavra “nada”(advérbio), de diferente vogal tônica, mas com os demais fonemas idênticos aos da palavra “nuda”, empregada no final do verso precedente;
– o emprego, no último verso, da palavra “tudo”, cuja vogal tônica coincide com as vogais tônicas das palavras finais dos três primeiros versos.
Além de combinar as palavras de forma pouco usual, visando à produção de efeitos sonoros na comunicação da mensagem, o poeta teve ainda o cuidado de selecioná-las a partir de sua expressividade significativa, conforme pode ser observado na antítese nada/tudo, nos dois últimos versos. Esse recurso procura sugerir o sentido contraditório da vida - ao mesmo tempo que “é nada”, “é tudo”, pois é a única coisa concreta de que dispomos.

Vamos agora comentar um aspecto morfossintático observado na estrofe. No 1o verso, o poeta empregou o vocábulo “muda” como verbo (intransitivo), para, no 2o verso, repeti-lo, mas como adjetivo, funcionando como predicativo do sujeito “vida”. É de grande efeito estilístico essa construção sintática, ainda mais quando conjugada com os aspectos de sonoridade e significação, já anteriormente comentados.

Os aspectos relacionados com sonoridade, significação e estruturação sintática, observados na construção da estrofe, não devem, pois, ser vistos dissociados, mas como elementos que se completam para veicular, de uma forma especial, a mensagem a ser comunicada.
Quando as palavras são selecionadas e combinadas segundo critérios semelhantes aos observados na estrofe de C.D.A. que acabamos de comentar, atribui-se à Linguagem a função denominada “estética” (ou “poética”). Esta é a função dominante na linguagem literária (sobretudo nos textos em verso), mas pode ser observada em outras situações de comunicação lingüística, como em ditados populares, letras de música e na linguagem publicitária.

A função estética traduz a intenção deliberada do autor em realçar a mensagem. A linguagem é, portanto, trabalhada de forma especial, a fim de que produza no recebedor os efeitos esperados pelo emissor. Esses efeitos podem ser de naturezas variadas.

Com a função estética a associação não é tão simples e imediata como foi vista nas outras três funções da linguagem estudadas anteriormente.

No trecho do poema de C.D.A. que comentamos, por exemplo, as palavras foram empregadas para exteriorizar o pensamento do autor. Já vimos que foram selecionadas, combinadas e organizadas cuidadosamente, de maneira a sugerir, indiretamente, que o recebedor se detenha na mensagem e reflita sobre ela. O texto não deixa, portanto, de ser uma espécie de “apelo”, se bem que subentendido.

Retomando a classificação de Bühler, podemos considerar, então que a função estética é determinada pelo arranjo especial das palavras, que são usadas simultaneamente como “exteriorização” e “apelo”.

Vejamos mais um exemplo da função estética na literatura. Desta vez, vamos encontrá-la num texto em prosa, extraído do romance GABRIELA, CRAVO E CANELA, de Jorge Amado:

   “Gabriela ia andando, aquela canção ela cantara em menina. Parou a escutar, a ver a roda rodar. Antes da morte do pai e da mãe, antes de ir para a casa dos tios. Que beleza os pés pequeninos no chão a dançar! Seus pés reclamavam, queriam dançar. Resistir não podia, brinquedo de roda adorava brincar. Arrancou os sapatos, largou na calçada, correu pros meninos. De um lado Tuísca, de outro lado, Rosinha. Rodando na praça, a cantar e a dançar”.

A função poética se faz presente no texto:

– no ritmo progressivo e ascendente observado na seqüência dos períodos, sugerindo o desejo de Gabriela, crescente e incontido, de brincar de roda com as crianças. Desejo que acaba por se concretizar, conforme se lê nos dois últimos períodos do texto.
– na seleção de palavras terminadas em -ar: escutar, rodar, dançar, brincar.
– na estrutura sintática de alguns trechos:“Resistir não podia, brinquedo de roda adorava brincar”
– nas combinações de vocábulos do mesmo radical: “roda rodar”, “brinquedo de roda adorava brincar”.
– nas repetições: “antes da morte... antes de ir...”, “de um lado, Tuísca de outro lado, Rosinha”.
Observação importante: A função estética pode perfeitamente existir no texto, ao lado de outras funções da linguagem. No trecho de Jorge Amado, comentado acima, ocorrem, por exemplo, mais duas funções da linguagem: a INFORMATIVA (“Gabriela ia andando...”) e a EMOTIVA (“Que beleza os pés pequeninos no chão a dançar!”).
Outros exemplos da função estética da linguagem:

– em ditados populares:

“Quem casa, quer casa”.
“Quem não tem cão, caça com gato”.

– em letras de música:

Há muito tempo
que eu sei o que eu quero
Preparo, planto, espero,
Reviro, viro, arreviro (Virá!)
(Gonzaga Jr. - “Meu Segredo”)

Das considerações feitas e dos exemplos dados, podemos concluir que:
a função da linguagem será ESTÉTICA, quando, na veiculação de uma MENSAGEM, for observada a preocupação do emissor em selecionar e combinar as palavras de FORMA ESPECIAL, a fim de se obter maior efeito na comunicação dessa mensagem.

Duas observações importantes:

a)- Do que concluímos acima, pode-se deduzir que a função estética está orientada para a própria MENSAGEM.

b)- Quando estudamos as outras funções, vimos que uma outra relacionava-se diretamente com a mensagem - a função informativa. Temos, portanto, duas funções da linguagem orientadas para a MENSAGEM - a estética e a informativa.

Convém ter em mente que a diferença entre ambas se explica pelo tratamento que o emissor dá à linguagem empregada na formulação da mensagem. Para que fique bem clara essa diferença, vamos retomar um pequeno trecho do texto de Jorge Amado que comentamos anteriormente:

“Resistir não podia, brinquedo de roda adorava brincar”.

  Só que o efeito não seria o mesmo observado no texto original. Na segunda construção, a função observada é a INFORMATIVA.

Continua…

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to