Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 30 de junho de 2013

A. A. de Assis (Revista de Trovas “Trovia” n. 163 – Julho de 2013)

Se a inspiração vem chegando,
eu me vejo em pleno espaço,
vendo Deus metrificando
todos os versos que eu faço!
Ademar Macedo

Ah, que estranho desafio
e esquisita proporção:
quanto mais fica vazio,
mais nos pesa o coração!
Pe. Celso de Carvalho

Nossa rede balançando...
nossa conversa entretida...
a nossa vida passando...
a gente esquecendo a vida...
Edgard B. Cerqueira

Na quietude costumeira
de muita vida vazia,
solidão é companheira
dos que não têm companhia...
Luiz Otávio

A mulher é imponderável,
instável, imprevisível,
indócil, imperscrutável...
Não se esqueça: imprescindível!
Magdalena Léa

Tens tanto fascínio, tanto,
que as flores, puras e belas,
se curvam cheias de encanto
quando tu passas por elas!
P. de Petrus

18 de julho – dia do Trovador
Ah Luiz Otávio, ah Luiz, / abençoa os teus irmãos.
Com São Francisco de Assis, / une, ó mestre, as nossas mãos! (aaa)
 

Ao ver as meias, coitado,
o vovô pensa: – Já sei!
Essas dei no ano passado,
no retrasado as ganhei...
Clevane Pessoa – MG

Corpo mole, mal antigo,
não é dengue nem catiça...
O seu mal, meu velho amigo,
é o excesso de preguiça.
Eliana Palma – PR

No paraquedas fechado
uma etiqueta dizia:
– “Se falhar ao ser usado,
reclame. Tem garantia…”
Izo Goldman – SP

Nos conselhos que lhe dá,
qual pai que não tem chilique?
– Filhinha, fique, não vá...
E, se for, filha... não “fique”!...
José Ouverney – SP

Ao vê-lo sem dentadura,
diz a netinha, sapeca:
– Vovó, o meu vovô Jura
está com a boca careca!
Nélio Bessant – SP

– Cê sabe de argo, seu moço,
pra curá quem cai do gaio?
– Sei de um remédio colosso:
passa pó-pra-tapá-taio...
Osvaldo Reis – PR

Uma receita eu preparo,
e um gato me desanima:
chega perto… apura o faro…
e joga areia por cima.
Sérgio Ferreira da Silva – SP

 
Vaidade, doença triste
que nos condena a estar sós...
Não nos deixa ver que existe
ninguém mais além de nós.
A. A. de Assis – PR

Nos meus tempos de criança,
brincando à noite na rua,
nascia em mim a esperança
de um dia alcançar a lua!
Alberto Paco – PR

Em quatro linhas eu conto
qual é do amor todo o mal,
pois se resume num ponto:
o simples ponto final.
Amaryllis Schloenbach –SP

Na tarefa que lhe cabe,
Deus trabalha com você;
mas, por você, já se sabe,
Deus não faz nem diz por quê.
Amilton Monteiro – SP

Delírio é lira do poeta,
a rima do trovador.
É liturgia completa,
quer na alegria ou na dor.
Andréa Motta – PR
Em noites frias, sem lua,
quando meus versos componho,
eu cubro a verdade nua
com meu casaco de sonho.
Antonio Juracy Siqueira – PR

Muitas vidas sem aurora
levadas na fantasia,
são nas noites vida afora
uma carcaça vazia.
Benedita de Azevedo – RJ

No meu olhar já cansado,
guardo estrelas, guardo luas,
as mensagens de um passado
feito de noites só tuas.
Carolina Ramos – SP

Eu trago no pensamento
tantas angústias e apelos,
e sinto inveja do vento
quando roça os teus cabelos.
Clênio Borges – RS

Hoje a vitória te alcança...
Cuidado ao virar a mesa;
a vida é eterna cobrança
num mercado de surpresa.
Conceição Abritta – MG
Enganar que sou feliz
é coisa inútil, porque
meu sorriso triste diz
quanto eu sofro sem você.
Conceição de Assis – MG

Coração de mãe é grande,
infinito como o amor.
Sua ternura se expande
como o perfume da flor!
Cônego Telles – PR

Quiero siempre despertar
con trinos por la ventana,
que las aves saben dar
con fervor cada mañana.
Cristina Oliveira Chávez – USA
Fui dando tudo que tinha
e como o surrar de um sino
a dor foi somente minha,
nunca culpei o destino.
Dáguima Verônica – MG
Do cais, aceno ao vazio,
enquanto o remorso chora...
Castigo é alguém no navio
levando o perdão embora...
Darly O. Barros – SP

Trovador! Que trova fazes?
– Amigo, nem sei dizer!
Com ela, já fiz as pazes,
casados até morrer!
Diamantino Ferreira – RJ

Ultrapassando as fronteiras,
do Sim, do Não, do Talvez,
nosso amor vence barreiras
e o ciúme não tem vez!
Dirce Montechiari – RJ
A trova quando é sentida
viaja em nossa emoção
Nos faz fiéis toda a vida,
une os povos, faz irmãos.
Dinair Leite – PR

Amargando os dissabores
dos seus amores dispersos,
o poeta esconde as dores
nas entrelinhas dos versos.
Djalma Mota – RN

A exemplo de um bom peão,
eu já não tenho altivez;
se um amor me joga ao chão,
tiro o pó... tento outra vez!
Domitilla Borges Beltrame – SP
Coração deixado vago
lamenta ter que informar:
fizeram-lhe tanto estrago,
que não dá mais pra morar.
Dorothy Jansson Moretti – SP
A escolha do par perfeito,
farei nesta... em qualquer vida,
ao resgatar de outro peito,
minha metade perdida!
Élbea Priscila – SP

Desfazendo a natureza,
vai o homem construtor
desconstruindo a certeza
de um futuro promissor.
Eliana Jimenez – SC
Nesta longa caminhada
que fazemos sempre a sós...
nem o silêncio da estrada
quebra o silêncio entre nós!
Francisco Garcia – RN

Quem faz da vida um disfarce
e finge viver a esmo,
de tudo pode safar-se
mas não engana a si mesmo!
Francisco Pessoa – CE
Paz, amor, fraternidade,
eis o lema entre as nações;
porém quanta falsidade
em só três afirmações!
Gasparini Filho – SP

O progresso traz mudanças,
cria fábricas e usinas,
mas se esquece das crianças
que dormem pelas esquinas!
Gérson César Sousa – PR

Alvorada dos meus dias,
teus olhos - luzes pagãs -
acendem com poesias
o céu de minhas manhãs...
Gilvan Carneiro da Silva – RJ

Meus lábios apaixonados
bebem o orvalho dos teus,
desses teus lábios molhados,
que sonham com os lábios meus!
Gislaine Canales – SC

Qual um pastor diligente
cuidando do seu rebanho,
pastoreio no presente
minhas saudades de antanho!
Gutemberg de Andrade – CE
Da janela do avião
deslizo o olhar pelo espaço.
Entre flocos de algodão
revivo sonhos... Renasço.
Heloisa Crespo – RJ
A minha trova sem ela
– a musa que eu sempre quis –
é uma trova tagarela,
rima... rima... e nada diz...
Héron Patrício – SP

Da despedida ao regresso,
tanto mistério restou,
que eu já nem sei, te confesso,
se quem foi, foi quem voltou!
Istela Marina – PR

Responde, ó Deus, pela mão
que podes ver, calejada:
– por que há de ter tanto chão
quem nele não planta nada?
Jaime Pina da Silveira – SP

Deus! Que beleza me deste!
– Penso que ela é toda minha –
mas no espaço azul celeste
sou só uma nuvenzinha.
Janske Schlenke – PR
Um sorriso, uma indulgência,
um gesto ingênuo de adeus...
Por onde houver inocência
há um pedacinho de Deus...
JB Xavier – SP

Nesta imagem refletida
(tão bom se o espelho falasse...),
quanta história está contida
nos vincos da minha face!
Jeanette De Cnop – PR

A trova é uma obra de arte: merece ser tratada como tal.

Se o anoitecer no deserto
nos impedir de rompê-lo,
alguma estrela, por certo,
ouvirá o nosso apelo.
Joana D’Arc – RJ

Caminhei por esta rua
procurando o seu calor,
Ontem eu quis dar-te a lua,
hoje dou-te o meu amor!
José Feldman – PR

Como é belo ver a planta
que abre flores nos caminhos,
nas horas em que Deus canta
pela voz dos passarinhos!
José Lucas de Barros – RN

Para o velho em desalento,
as ilusões, comparando,
são folhas secas que o vento
agita de vez em quando.
José Messias Braz – MG

A virtude de fazer,
grande verdade contém:
só quem faz por merecer,
merece ter o que tem.
José Reinaldo – AL
Meu desejo percorreu
teu corpo como compasso,
circulando o que é tão meu
na geografia do abraço.
Lisete Johnson – RS

Não sei se todos ponderam
a troca que o livro traz:
– grandes homens o fizeram,
grandes homens ele faz!
Lucília Decarli – PR
Queria envolver minha alma,
e às alturas supliquei...
e Deus respondeu-me: “– Calma!
Basta amar como eu te amei”.
Luiz Antonio Cardoso – SP

A comunidade da trova é formada, em sua imensa maioria,
por pessoas do bem. Zelemos para que seja sempre assim.


Tira o véu da hipocrisia,
joga longe esse teu manto,
e verás que a noite fria
se transforma em puro encanto.
Luiz Carlos Abritta – MG

Por te amar tanto é que a vida,
embora dure um segundo,
possui o espaço e a medida
das horas todas do mundo!...
Mara Melinni – RN
Na caneca... o bom "verdinho"!
Caldo verde... sobre a mesa!
Pão à farta! E o meu ranchinho
é uma "casa portuguesa"!
Maria Madalena Ferreira – RJ

Se a distância, por maldade,
tua presença me furta,
pelo atalho da saudade,
torno a distância mais curta.
Maria Nascimento – RJ

Tem gente que esconde o pranto;
sem razão, sente vergonha;
não sabe que o desencanto
é normal quando se sonha.
Mário Zamataro – PR

Beijando, a brisa, meu rosto,
meiga, me faz relembrar,
com saudade e muito gosto,
o amor que pude lhe dar.
Maurício Friedrich – PR
Quem me dera alguém pudesse
entender meu sentimento;
seria a trova uma prece
para o fim do sofrimento.
Neiva Fernandes – RJ
E na noite, noite fria,
estando só, eu chorei.
Fui buscar-te, alma vazia,
de alma vazia voltei...
Neusa Mattar – MG

No Vosso martírio, eu pude
ver quatro quedas, Jesus,
quando um velho, sem saúde,
caiu na fila do SUS!...
Newton Vieira – MG

Que bom poder chamar alguém de irmão/irmã!

De viver não tenha medo;
todo receio é bobagem...
Dessa receita, o segredo
é a pitada de coragem.
Olga Agulhon – PR

Como um triste passageiro,
descobri, só na partida,
que a saudade é o timoneiro
da caravela da vida...
Pedro Melo – SP
Amar e não demonstrar
é como estrela sem lume,
é boca sem paladar,
é flor que não tem perfume.
Raymundo Salles – BA

Dia tão cinza e tão frio,
chuva insistente lá fora...
Aqui, em meu peito, o vazio
abraça a saudade e chora.
Regiane Ornellas – SP

Bendiz a lida na enxada
o lavrador quando sente
cheiro da terra molhada
fertilizando a semente.
Relva do Egipto – MG

Pensei ser fogo apagado...
Mas ao ver-te, de repente,
vi que a chama do passado
arde, ainda, em meu presente.
Thereza Costa Val – MG
Eu não temo o que amealha
as pedras do ódio e rancor,
por crer que qualquer muralha
cede ... ante a força do amor.
Therezinha Brisolla – SP

Amigo, não tenha pressa,
pois a vida é um bem precioso.
A treva às vezes começa
em um sinal luminoso!
Wandira F. Queiroz – PR
De um amor que é só miragem
finjo agora ter o assédio,
para escapar da engrenagem
dessa moenda que é o tédio.
Wanda Mourthé – MG

Visite 
http://poesiaemtrovas.blogspot.com/
http://singrandohorizontes.blogspot.com.br/
http://aadeassis.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to