Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 30 de dezembro de 2017

Jardim de Trovas n. 2


Sorria, amigo, sorria!
Pois, neste tempo de tédio,
qualquer sinal de alegria
é sempre um santo remédio!
A. A. de Assis
Maringá/PR


Promoveu grande arruaça
o marido da vizinha,
ao vê-la abraçada a um "praça"
lá no banco da pracinha.
Alberto Paco
Maringá/PR


Levando um coice da mula,
minha sogra se mandou;
a mulinha nem calcula
o galho que me quebrou.
Argemira F. Marcondes
Taubaté/SP


Entre nós mudas revoltas
fazem ver, olhando bem,
que até mesmo quando voltas
a distância se mantém!
Arlindo Tadeu Hagen
Juiz de Fora/MG


Quanta inspiração me causa,
o entardecer morno e rubro.
Faz na vida doce pausa,
e com sol quente eu me cubro.
Carmem Pio
Porto Alegre/RS


A areia fina que escorre
numa ampulheta inclemente,
marca o tempo que não morre,
mas, passa...levando a gente!...
Carolina Ramos
Santos/SP


Na estrada, outra pedra imensa,
mas, nem assim titubeio:
- não há revés que não vença
quem crê em Deus, como eu creio…
Darly O. Barros
São Paulo/SP


Não pule do trem do tempo
em desembarque apressado.
Viaje sem contratempo
e não pare adiantado.
Dinair Leite
Paranavaí/PR


No delírio da paixão
beijo-te a boca, sem calma,
tendo a louca pretensão
de poder beijar-te a alma!
Divenei Boseli
São Paulo/SP


Brigamos, mas a tormenta
em instantes se desfaz;
um grande amor sempre inventa
um arco-íris de paz!…
Domitilla Borges Beltrame
São Paulo/SP


Cai de tapa a Januária
no traste do maridão,
ao saber que a funcionária
ficou "gorda" de um serão.
Eliana Ruiz Jimenez
Balneário Camboriú/SC


Nos seus ardentes amores,
consegue sempre o que quer:
rosa - a rainha das flores...
Rosa - a rainha mulher!
Emilia Peñalba de Almeida Esteves
Portugal


Fonte de eterno crescer,
a amizade afoga as mágoas,
deixando transparecer
as suas límpidas águas!
Flávio Roberto Stefani
Porto Alegre/RS


Deus fez o mundo e ao fazê-lo
como quem sabe o que quer,
usou todo seu desvelo
na figura da mulher.
Francisco José Pessoa
Fortaleza/CE


É de ternura o momento
em que o Sol sorri no espaço,
se faz vida e sentimento
e lança ao mar seu abraço!
Gislaine Canales
Porto Alegre/RS


A profundeza da mente,
arquivo de nossos traços,
mantém guardada, latente,
a dor de nossos fracassos!
Heloysio Alonso Teixeira
Campos dos Goytacazes/RJ


Na voragem da procela
do combate interior
é que o homem se revela
se é escravo ou é senhor!
Héron Patrício
São Paulo/SP


Tua ausência indesejada
me causou tão forte dor,
que vivo abraçado ao nada,
no deserto desse amor.
Joamir Medeiros
Natal/RN


Que coisa descomunal
aquele curvo nariz
que, ao assoar, é um temporal…
- e escorrer qual chafariz
Lairton Trovão de Andrade
Pinhalão/PR


Contra-senso é eu ter na vida,
por meu sol os olhos teus,
e ao te olhar, minha querida,
bem ceguinhos deixo os meus.
Luiz Hélio Friedrich
Curitiba/PR


Levou só tapas da vida;
e, em seu velório (coitado!),
na homenagem merecida
alguém disse: - Adeus, tapado.
Maurício Cavalheiro
Pindamonhangaba/SP

 

A trova, quando é bem feita,
tem encanto, traz surpresa;
poesia curta, perfeita,
a nos brindar com beleza!
Maurício Friedrich
Curitiba/PR


Meu refúgio predileto,
onde eu livro o que angustia,
tem as letras do alfabeto,
muita prosa e poesia!
Nei Garcez
Curitiba/PR


No caderno do Universo
tendo por pena uma Cruz
Deus compôs um lindo verso
para seus filhos: Jesus!
Nemésio Prata
Fortaleza/CE


É madrugada na mata
e o pinheiral, a orvalhar,
prepara pingos de prata
para quando o sol raiar.
Olympio Coutinho
Belo Horizonte/MG


Um dia a mão branca e forte
de uma mulher decidida
deu às mãos negras a sorte
de serem livres na vida.
Octávio Venturelli
Rio de Janeiro/RJ

 

A terra inteira secou!…
E, a dor me fez sofrer tanto,
que quando a chuva voltou,
tinha secado o meu pranto!
Prof. Garcia
Caicó/RN

 

Tudo na vida tem preço
e prazo de validade...
Quando tu vais, não te esqueço:
pago teu preço em Saudade!
Renato Alves
Rio de Janeiro/RJ


Dei dinheiro esta semana
para a sogra viajar
a minha sorte é que a grana
não dá pra velha voltar.
Sergio Ferraz
Rio de Janeiro/RJ


Eu te senti quase meu...
mas o indesejável "quase"
jamais desapareceu
do meio daquela frase...
Vanda Fagundes Queiroz
Curitiba/PR


Ao teu amor sem ternura,
já perdoei tanta ofensa
que almejo, sem amargura,
a bênção da indiferença.
Wanda de Paula Mourthé
Belo Horizonte/MG


Não teme a seca inclemente
quem confia em seu labor;
planta a pequena semente
sentindo o cheiro da flor.
Wandira Fagundes Queiroz
Curitiba/PR


 
A chuva é para o sertão
como se fosse um troféu.
Deus abre com um trovão
a caixa d’água do céu!
Ademar Macedo
Santana do Matos/RN (1951 – 2013) Natal/RN


Se de barro fomos feitos
nesta olaria divina,
somos dois corpos perfeitos
partilhando a mesma sina.
Antonio Facci
Cedral/SP (1941 – 2008) Maringá/PR


Longe de ti, meu amor,
morro de tédio e de mágoa,
bem como morre uma flor
posta num vaso sem água.
Antônio Sales
Vila do Paracuru/CE (1868 – 1940) Fortaleza/CE


Se a areia que pisas tanto,
adivinhasse quem és,
vibrava toda, garanto,
beijando louca, teus pés
Antídio Azevedo
Jardim do Seridó/RN (1887-1975)


Não gostou de ser cobrado,
no velório o Zé pirou,
foi tapa pra todo lado,
até o defunto apanhou.
Campos Sales
Lucélia/SP (1940 – 2017) São Paulo/SP


Era uma bruxa sem graça!
Não me dava paz nem trela.
Eu, então, só por pirraça,
me casei com a filha dela.
Célio Grunewald
Juiz de Fora/MG (1923 – 1991)

 

Vejo na tarde tristonha,
pelo vento solto ao léu,
o lenço branco das nuvens
limpando o rosto do céu.
Cesar Coelho
Fortaleza/CE (1939 – ????)


Aquele olhar triste e ardente,
que na partida me deste,
foi muito mais eloquente
que as palavras que disseste.
Conceição A. de Assis
Pouso Alegre/MG (1934 – 2015) Belo Horizonte/MG

 

Que bela seria a vida
se, acima de ódios mortais,
uma ponte fosse erguida
unindo margens rivais!
Dorothy Jansson Moretti
Três Barras/SC (1926 – 2017) Sorocaba/SP

 

No poente, o sol bem louro,
se reveste de magia
de ser uma chave de ouro
fechando o cofre do dia!
Eugênia Maria Rodrigues
Rio Novo/MG (????– 2003)

Sinto meu nome tão doce,
Ao você chamar por mim,
Escuto como se fosse,
O canto de um Querubim.
Marita França
Curitiba/PR (1915 - 2009)
 

Naquele amor que resiste
às invernias da idade,
a lembrança é órfão triste
nos asilos da saudade.
Miguel Russowsky
Santa Maria/RS (1923 – 2009) Joaçaba/SC

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to