Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Primavera


OLAVO BILAC

Primavera

Ah! quem nos dera que isto, como outr'ora,
Inda nos comovesse ! Ah! quem nos dera
Que inda juntos pudéssemos agora
Ver o desabrochar da primavera!

Saiamos com os pássaros e a aurora.
E, no chão, sobre os troncos cheios de hera,
Sentavas-te sorrindo, de hora em hora:
"Beijemo-nos! amemo-nos! espera!"

E esse corpo de rosa rescendia,
E os meus beijos de fogo palpitava,
Alquebrado de amor e de cansaço...

A alma da terra gorjeava e ria...
Nascia a primavera... E eu te levava,
Primavera de carne, pelo braço!
________________

Não há mal que seja eterno,
dor não há que sempre dure… 
– Não deixa tristeza o inverno
que a primavera não cure!
A. A. DE ASSIS 
________________

CASIMIRO DE ABREU

Primaveras

I

A primavera é a estação dos risos.
Deus fita o mundo com celeste afago,
Tremem as folhas e palpita o lago
Da brisa louca aos amorosos frisos.

Na primavera tudo é viço e gala,
Trinam as aves a canção de amores,
E doce e bela no tapiz das flores
Melhor perfume a violeta exala.

Na primavera tudo é riso e festa,
Brotam aromas do vergel florido,
E o ramo verde de manhã colhido
Enfeita a fronte da aldeã modesta.

A natureza se desperta rindo,
Um hino imenso a criação modula
Canta a calhandra, a juriti arrula,
O mar é calmo porque o céu é lindo

Alegre e verde se balança o galho,
Suspira a fonte na linguagem meiga,
Murmura a brisa:- Como é linda a veiga!
Responde a rosa: - Como é doce o orvalho!

II

Mas como às vezes sobre o céu sereno
Corre uma nuvem que a tormenta guia,
Também a lira alguma vez sombria
Solta gemendo de amargura um treno.

São flores murchas:- o jasmim fenece,
Mas bafejado s’erguerá de novo
Bem como o galho do gentil renovo
Durante a noite quando o orvalho desce.

Se um canto amargo de ironia cheio
Treme nos lábios do cantor mancebo,
Em breve a virgem do seu casto enlevo
Dá-lhe um sorriso e lhe intumesce o seio.

Na primavera - na manhã da vida-
Deus às tristezas o sorriso enlaça,
E a tempestade se dissipa e passa
A voz mimosa da mulher querida.

Na mocidade, na estação fogosa,
Ama-se a vida- a mocidade é crença,
E a alma virgem nesta festa imensa,
Canta, palpita, s’ xtasia e goza.
________________

Triste, lembro a primavera 
cheia de luz e alegria, 
em que tendo a vida à espera, 
eu sonhava e não vivia!
CAROLINA RAMOS 
________________

MARIA NASCIMENTO SANTOS CARVALHO

Primavera

Naquele dia 23 de setembro 
dia ficou maravilhosamente claro, 
o céu, levemente colorido, 
ornamentado de nuvens de brinquedo, 
que se faziam e se desfaziam 
num abrir e fechar de olhos. 

As flores se tornaram mais viçosas 
e desabrocharam antes dos primeiros raios de sol. 

A lua nova, 
que mais parecia um traço de giz 
na tela do firmamento, curiosa, 
fingiu que esqueceu de se recolher na hora marcada, 
e olhava, sonolentamente a transformação da Natureza. 

As estrelas se abalroavam, 
por trás das cortinas do espaço, 
extasiadas com a paisagem celeste 
e, de vez em quando, 
desfilavam entre uma e outra nuvem de brinquedo... 

O mar vestiu-se de calmaria 
para esperar o alvorecer da Primavera... 
Havia música no ir-e-vir das vagas 
que davam cambalhotas, rodopiavam graciosamente 
e se enroscavam nas espumas rendadas, 
imaculadamente brancas, 
do mar de águas mornas e insinuantes. 

O Sol, convidado de honra, 
acordou mais cedo, tomou banho de cheiro, 
e desengavetou sua roupa de gala, 
há meses fora de uso, 
para recepcionar o surgir do novo dia, 
o desabrochar da nova Estação. 

Timidamente, numa curva distante, 
um arco-íris se fez presente, 
com seus lindos anéis coloridos, 
para dar um encanto especial 
à longínqua esquina do infinito. 

E, naquele dia 23 de setembro, 
até as águas-vivas que anunciam perigo no mar, 
se tornaram amigas, sensíveis e inofensivas, 
Porque era o dia da chegada da Primavera...
________________

Nossa retina é quem sente
quanto a natureza é bela…
na primavera, silente,
as flores falam por ela!
FRANCISCO JOSÉ PESSOA 
________________

ANTONIO MANOEL ABREU SARDENBERG

Poeminha à Primavera III

A vida em traje a rigor
Está pronta para a festa...
Durou um ano de espera
O mundo multicolor
Que nos trouxe a PRIMAVERA!

Que essa estação tão linda
Desperte também o amor,
Fazendo brotar na gente
Um mundo cheio de luz,
O desejo mais ardente, 
O querer mais envolvente
Que nos encanta e seduz.
________________

Todo amor se circunscreve 
às ações puras, sinceras. 
Assim, colhemos, de leve, 
as mais belas primaveras. 
WAGNER MARQUES LOPES 
________________

ANTONIO MANOEL ABREU SARDENBERG

Primavera

A primavera nasce deslumbrante,
Florindo o mundo, dando cor a vida,
Ela que estava há tão pouco escondida
Surge agora como um sol irradiante.

Em cada flor o perfume do querer,
Cada matiz só beleza e esplendor,
Dentro da alma a razão de entender
Criação... criatura...CRIADOR!

Que em prece possamos agradecer,
A beleza que podemos assistir,
- O milagre colorido a explodir - !

Que a humanidade possa então viver,
Imensa paz, muita ternura e amor,
Q' em cada mão haja sempre uma flor!
________________

Sê, na vida, paciente
ante as agruras da espera
feito os ramos que somente
florescem na Primavera.
ANTONIO JURACI SIQUEIRA 
________________

HILDA PERSIANI

Primavera

Meu Deus! Que festa!
Os pássaros gorjeando,
As borboletas em bando,
Que alegria será esta?

-É a primavera que está voltando:
Um colorido mais lindo
De belas flores se abrindo,
Com seu perfume exalando.

Ao vê-las, fico sorrindo,
O inverno vai se despedindo,
Dando a ela seu lugar.

A primavera da vida,
Essa fase tão querida,
Passa e nunca mais torna a voltar!...

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to