Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Lista de Novos Veteranos da União Brasileira dos Trovadores (Novembro de 2019)



Adamo Pasquarelli – São José dos Campos/SP (falecido)
Adilson Roberto Gonçalves – Campinas/SP
Aline Raquel Ribeiro – Natal/RN
Aluízio Alberto da Cruz Quintão – Belo Horizonte/MG
Antonio Francisco Pereira – Belo Horizonte/MG
Aparecida Gianello – Martinópolis/SP
Ari Santos de Campos – Blumenau/SC
Ariete Regina Fernandes Correia – Rio de Janeiro/RJ
Austregésilo de Miranda Alves – Senhor do Bonfim/BA
Canôas Netto – Bebedouro/SP
Carlos Henrique Silva Alves – Senhor do Bonfim/BA
Caterina B. Gaioski – Irati/PR
Cícero Matos de Castro – São Gonçalo/RJ
Cláudia V. Bergamini – Londrina/PR
Cláudio Moraes – Taubaté/SP
Clóvis Wilson Mattos Andrade – Senhor do Bonfim/BA
Danusa Almeida – Campos dos Goytacazes/RJ
Débora Novaes de Castro – São Paulo/SP
Denivaldo Piaia – Campinas/SP
Eduardo Lázaro de Barros – Bauru/SP
Eduardo Sussumo – Franca/SP
Edweine Loureiro da Silva – Saitama/Japão
Edy Soares – Vila Velha/ES
Elisa Alderani – Ribeirão Preto/SP
Emílio Soares da Costa – Vitória/ES
Eulinda Barreto Fernandes – Bauru/SP
Fátima Corrêa Daniel – São Gonçalo/RJ
Francisca Isabel Bastos – Cambuci/RJ
Francisco (Gabriel) Ribeiro de Lima – Natal/RN
Hélio Castro – São Paulo/SP
Janilce Simões –  Campos dos Goytacazes/RJ
Jaqueline Machado – Cachoeira do Sul/RS
Jerson Lima de Brito – Porto Velho/RO
João Wilson Faustini – Irati/PR
José Almir Loures – Astolfo Dutra/MG
José Arthur Basaglia – São Paulo/SP
José El-Jaick – Nova Friburgo/RJ
José Feldman -  Maringá/PR
José Manuel Veloso Galvão – São Paulo/SP
José Paulo Corrêa de Souza – Juiz de Fora/MG
José Roberto Canôas – Barretos/SP
José Rui Camargo – Taubaté/SP
Kátia Sentinaro – Campinas/SP
Leni Costa Siqueira – Cordeiro/RJ
Lília Maria Machado Souza – Curitiba/PR
Lu Narbot - Campinas/SP
Lucêmio Lopes da Anunciação – Canela/RS
Luisa Nelma Fillus – Irati/PR
Luiz Hélio Friedrich – Curitiba/PR
Luiz Moraes – São José dos Campos/SP
Luiz Parellada Ruiz – Londrina/PR
Luzia Brisolla Fuim – São Paulo/SP
Luzimagda Martin Ramos da Fonseca – Juiz de Fora/MG
Madalena Ferrante Pizzatto – Curitiba/PR
Marciano Batista de Medeiros – Serra de São Bento/RN
Marco Aurélio Goulart – Itapecuru-Mirim/MA
Marco Fietto – Juiz de Fora/MG
Marcos Antônio Campos – Natal/RN
Maria do Carmo Zerbinato – Niterói/RJ (falecida)
Maria Dulce Esteves da Carvalheira – Recife/PE
Maria Otília Marques Camilo – Niterói/RJ
Maria Zilnete de Moraes Gomes – Campos dos Goytacazes/RJ
Mariângela Tavares – São Gonçalo/RJ
Mário Moura Marinho – Sorriso/MT
Marly Barduco – Santos/SP
Marta Codeço – Campos dos Goytacazes/RJ
Maryland Faillace – Santos/SP
Maurício Norberto Friedrich – Curitiba/PR (falecido)
Max Reis – Belém/PA
Mifori – São José dos Campos/SP
Myrthes N. Spina de Moraes – Atibaia/SP
Nadja Cristina Lenzi Gadotti – Balneário Camboriú/SC
Nair Lopes Rodrigues – Santos/SP
Nelson de Souza – Atibaia/SP
Nilsa Alves de Melo – Maringá/PR
Odete Alves Macieira – Cambuci/RJ
Olga Maria Dias Ferreira – Pelotas/RS
Olinda da Silveira – Atibaia/SP
Paulo Maurício Gomes da Silva – Teresópolis/RJ
Paulo Roberto de Oliveira Caruso – Rio de Janeiro/RJ
Plácido Ferreira do Amaral Júnior – Caicó/RN
Reovaldo Paulichi – Atibaia/SP
Rita de Cássia Tozatto – Belo Horizonte/MG
Roderique Pedro Albuquerque – Itaboraí/RJ
Romilton Faria – Juiz de Fora/MG
Ronnaldo Andrade – São Bernardo do Campo/SP
Rosa Maria Gomes – Rio de Janeiro/RJ
Rozanni Garcia – Caicó/RN
Ruth Hellmann – Dourados/MS (falecida)
Sílvia Alice de Carvalho Figueiredo – Angra dos Reis/RJ
Sílvia Maria Svereda – Irati/PR
Sílvio Romero R. Tavares – Campinas/SP
Talita Batista – Campos dos Goytacazes/RJ
Valdemar Juvino de Araújo – Serra Negra do Norte/RN
Valdereis Ururahy Rodrigues – Rio de Janeiro/RJ
Valter Rodrigues Mota – Taubaté/SP
Venceslau Olival – Nova Friburgo/RJ
Zé Salvador – São Gonçalo/RJ
Zélia Maria de Nardi – Caxias do Sul/SC


Fonte da Imagem: Depositphotos

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to