Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 17 de outubro de 2010

Flávia Carpes Westphalen (O que é uma literatura indígena?)


A categoria “indígena” é por si mesma problemática. O termo é aplicado como substantivo e adjetivo ao longo deste trabalho. No entanto, não foi sem hesitação que o adotamos, visto que, especialmente entre os autores norte-americanos, termos ligados à indianidade (Indianess) são rechaçados pelo bem de outros como Native Americans e First Nations. O termo indian é, de modo geral, considerado inapropriado, especialmente pela homonímia confusa indian (nativo-americano)/ indian (nativo da Índia). Além disso, autores como Louis Owens e Gerald Vizenor se opõem fortemente ao termo, afirmando que este é um nome generalizador imposto pelos desbravadores europeus, sem qualquer correspondência na realidade plural das diversas tribos indígenas. As alternativas Native Americans e First Nations são preferidas por reconhecerem o fato de que esses povos são autóctones e anteriores a qualquer "descobrimento". Contudo, cabe lembrar que nenhum dos termos é ou será considerado ideal, visto que a generalização peca sempre pelo apagamento de diferenças e peculiaridades de diferentes tribos.

No Brasil, o caso é bastante diferente: os autores parecem ter adotado os termos índio e indígena com orgulho, talvez por não se fazerem confusos como o correspondente anglófono. Contudo, em uma tentativa de manter uma terminologia semelhante ao falar dos dois contextos, decidimos adotar os vocábulos indígena e nativo para falar dessas populações e literaturas. O termo índio é apenas utilizado quando explicitamente reivindicado pelos autores. No que diz respeito ao caráter genérico dos termos, sustentamos a escolha, pois parece-nos que, assim como nos termos "europeu", “branco” ou "eurocêntrico", essa generalização se faz funcional ao tratarmos de uma experiência, se não idêntica, comum. A fim de minimizar o problema, e em respeito às diferentes ascendências dos autores aqui trabalhados, destacaremos sempre a filiação/afiliação tribal de cada autor. Perguntado sobre sua identificação (ou não) com o rótulo de “escritor canadense”, em uma entrevista dada a Hartmut Lutz (Lutz, 1991: 89-95), Thomas King respondeu com uma
afirmação que evidencia a complexidade identitária de muitos desses autores:

“Há apenas um problema no sentido de que não sou originalmente do Canadá e de que os cherokees certamente não são uma tribo canadense. Agora, isso se torna um problema apenas se você reconhece a linha política em particular que corre entre o Canadá e os Estados Unidos, e se você concorda com as presunções que essa linha faz. Penso em mim como um autor nativo e um autor canadense. Duvido que pudesse me considerar um autor nativo canadense, simplesmente porque não sou de uma das tribos aqui de cima. Mas todos os meus contos, e o romance, e as antologias, e o livro crítico que co-editei foram publicados no Canadá, e todos têm a ver com material canadense. Eu não fiz nada de que se possa falar nos Estados Unidos. Então, sim, eu me considero um autor canadense, eu escrevo sobre as pradarias canadenses, eu não escrevo sobre Nova Iorque”.(Lutz, 1991: 107-8).

Na mesma entrevista, o autor fala sobre o rótulo de “escrita nativa”. Como vamos definir quem é nativo ou não? Há, no contexto das literaturas aborígines australianas, o caso célebre de Colin Johnson (Mudrooroo) que, após uma vida escrevendo como um aborígine, sobre personagens e questões intrínsecas a essa identidade, descobriu que, em verdade, não possuía sangue aborígine. Para evitar as armadilhas de porcentagens sanguíneas e restrições temáticas, o melhor parece ser alinharmo-nos a King quando diz que se sente confortável em falar sobre uma literatura nativa sem tentar defini-la (Lutz, 1991: 108). O autor nativo será aquele que assim se identificar, aquele que apresentar em seu texto evidências dessa identificação.

Uma última questão é pertinente: o que é uma “literatura” indígena? É claro que as populações indígenas vêm se expressando de maneiras criativas e com qualidades estéticas desde o início dos tempos. Isso se revela nas canções, na oratória e no storytelling indígena. Já não é mais estranho falar de literaturas orais, oralitura e termos afins e, sabemos, muitas dessas produções indígenas mencionadas se encaixariam perfeitamente dentro do termo. No entanto, a proposta desta dissertação é estudar um ponto de hibridação, o momento em que as formas de expressão indígenas se encontraram com os conceitos ocidentais de literatura. É por isso que os textos escolhidos para o corpus são obras contemporâneas, escritas e com autores individualizados, dentro do conceito ocidental clássico de literatura. Isso não é de maneira alguma diminuir a importância das produções tradicionais coletivas, mas uma forma de manter o foco do trabalho.

Além disso, todos os autores de nosso corpus têm consciência de encontrarem-se em um entre-lugar, e afirmam que, embora o contato nem sempre seja fácil ou pacífico, não é mais possível ou desejável que se empreenda um retorno ao passado, reafirmando uma identidade de raiz. De acordo com os autores, como veremos, os povos indígenas americanos têm por característica uma abertura ao Outro a qual, através da busca de equilíbrio entre os aportes tradicional indígena e ocidental, resulta em uma identidade rizomática, marcada por uma eterna reconfiguração.

Com o interesse de investigar esse produto novo e fascinante, fruto das negociações transculturadoras que ocorrem já há mais de meio milênio, procuramos trabalhar com textos que explicitamente discordam de termos como "descoberta" e "Novo Mundo", apresentando leituras alternativas da História. Mas como delimitar um corpus tão grande, tendo em vista que, como dissemos, todos os autores da "literatura indígena" com que decidimos trabalhar são, em grande medida, frutos desse processo de hibridação?

No Brasil, a escolha foi pautada, em primeiro lugar, pela visibilidade atingida pelos autores, mas também pelo fato de estes serem alguns dos poucos autores indígenas brasileiros que se dirigem explicitamente a um público adulto. Trabalharemos com os textos Metade Cara, Metade Máscara e Todas as vezes que dissemos adeus, de, respectivamente, Eliane Potiguara e Kaká Werá Jecupé. Estes são, ao lado de Daniel Munduruku, os autores que alcançaram maior expressão em nosso país, trabalhando sempre com a identidade indígena e suas complexificações contemporâneas.

No contexto canadense, a escolha de apenas duas obras se fez extremamente difícil, visto que a quantidade de autores em circulação é muito maior, acumulando um volume impressionante de obras publicadas. Dentre os diversos critérios de escolha possíveis, optamos por trabalhar com os autores que receberam maior atenção de editoras, público e crítica. Essa instância tríplice levou à escolha de Thomas King (1943-) e Tomson Highway (1951-). O primeiro, por seu trabalho multidisciplinar que entrecruza constantemente fotografia, literatura, cinema e rádio, é inegavelmente o mais popular dos autores indígenas norte-americanos. Com um humor irônico e transgressor, King desfaz fronteiras, recolocando-as em um terreno instável e mutante.

Entre suas obras, escolhemos Green Grass, Running Water, romance que, a partir da reescritura de histórias bíblicas, questiona a história dos começos. A obra de Highway é também de extrema importância no contexto canadense, sendo não raro apresentada como iniciadora de um movimento literário indígena no país. Ao contrário dos Estados Unidos, onde há uma tradição forte de romances, o Canadá teve sua literatura indígena em foco a partir do conjunto de peças de Tomson Highway, as quais trazem ao primeiro plano a vida na reserva. Foi apenas em 1998 que o autor escreveu seu primeiro (e até o momento único) romance, Kiss of the Fur Queen. Para além da expressividade e significação do autor no histórico da Literatura Indígena Canadense, o romance nos pareceu de extrema valia para o presente estudo, visto que lida com o momento fulcral do encontro entre a tradição oral indígena e a escola católica em língua inglesa. Em seu romance, Highway toma como base a experiência vivida por ele e seu irmão René desde as residential schools até o momento de equilíbrio entre a tradição e o novo aporte cultural, em uma defesa da hibridação como meio de sobrevivência.
--------------------
continua...
---------------------
Fontes:
Flávia Carpes Westphalen. Survivance: A Sobrevivência nas Literaturas Indígenas do Canadá e do Brasil. (Dissertação de Mestrado em Literatura Comparada). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to