Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 19 de janeiro de 2013

Isidro Iturat (Arte Poética) parte 4


3.4.3. Associação de nome e adjetivo

          Um dos recursos mais sobreutilizados na hora de compor consiste em fazer com que o poema se sustente principalmente sobre a associação de nome e adjetivo. Cabe mencionar também o caso dos poemas de tom surrealista, onde a procura pela combinação insólita entre estas categorias gramaticais predomina.

           Se queremos superar esta tendência, a ideia que deve ser incorporada é a seguinte: o autor que procura realmente a versatilidade expressiva não se limita a contemplar o nome e o adjetivo, concede valor a toda palavra, a toda categoria gramatical de palavra, e também à pontuação, às combinações de sílabas, de letras, de silêncios.

3.4.4. Insuficiências na rima

           1º. Rima gasta. Alguns dos exemplos mais clássicos são as rimas formadas com as terminações: –nte, -ento, -ava, -ão, -ado, -inho.

           2º. Fazer terminar versos diferentes com a mesma palavra. Quando se recorre a isto pelo simples fato de não ser capaz de achar uma rima mais distante, o mais provável é um resultado inarmônico, se bem que há composições nas quais o poeta recorre a isto conscientemente, convertendo assim tal ação em recurso estético.

           3º. O rípio. É a palavra colocada no final de um verso que, para fazê-lo rimar com outro, prejudica o sentido e a fluidez do discurso, negando normalmente à rima a sensação de surpresa e prazer estético que produz quando é engenhosa. Porém, existem autores que o utilizam intencionalmente, ficando demasiado óbvio para obter um efeito humorístico.

3.4.4.1. Rimas esporádicas no poema em verso livre 

          Quando em um poema em verso livre achamos versos próximos que rimam, os sentimos como especialmente vinculados entre si e como ressaltados em relação ao conjunto por causa da intensificação que a rima produz na percepção sensorial das palavras. Por isso, ao não estar distribuída de forma simétrica, o mais provável será sentir que houve uma ruptura na harmonia do tudo, experimentar um incômodo, como se o texto ficasse “atolado" nesse ponto; então, dá a sensação de que falta ao autor versatilidade expressiva, que seu estilo é pobre[8]. 

           No entanto, quando no momento de compor em verso livre fazemos o esforço de não incluir rimas, ou pelo menos o esforço de situá-las suficientemente distantes entre si para que o ouvido não as perceba, o poema oferece uma sensação de "oxigenação", de nitidez e de uma riqueza discursiva mais ampla. 

3.4.5. Algumas considerações gerais sobre a rima

          Quando o autor ainda não domina a rima pode ser comparado, valendo-me  de uma metáfora, ao jóquei que quer domar um cavalo sem a habilidade nem a força necessárias para isso. E em tal caso, o animal se descontrola.

           A rima é prazerosa ao leitor quando não é sentida como forçada ou óbvia, quando aparece em um texto que flui com naturalidade, que pode conter as ideias mais profundas, a carga afetiva mais intensa, e mesmo assim, surpreendentemente, “magicamente”, rima.

           Quando é bem empregada, a forma pode reforçar o conteúdo, o pensamento que quer elevar-se  se eleva ainda mais e a emoção que se queira intensificar, intensifica-se. Aqui,  o autor será comparável a um jóquei que domina seu cavalo, tendo sempre em consideração que o melhor é aquele que soube, não apenas domar e guiar seu animal, mas estabelecer uma relação afetiva com o mesmo. O poeta desfruta com e pela rima, dança com ela e esse deleite, essa dança, passará finalmente ao leitor.

           Para aperfeiçoá-la, além da prática unida ao auxílio dos dicionários, podem ser procuradas as obras dos melhores rimadores e ler ‘saboreando’ detalhadamente as suas rimas, para interiorizar naturalmente e através do prazer suas cadências e alternâncias. 

 3.5. Colocar-se na pele do leitor

          Os autores que conseguem sensibilizar com suas palavras, costumam ter a faculdade de, além de expressar no texto suas próprias inquietações, levar em consideração o leitor: O que sentirá?... O que pensará?... O que verá?... O que interpretará?...

           Quando se escreve dessa maneira, o número de planos semânticos do poema tende a aumentar, ele se faz ressonante, plurissignificativo, tende a ir do “plano” ao “esférico”, do psíquico individual ao arquetípico, a deixar de ser de apenas um indivíduo para ser de todos.

           Salvo honrosas exceções (por exemplo, se acreditamos em Antón Chéjov, que afirmou que não se preocupava nem um pouco com o leitor[9]), quando um autor escreve só para si mesmo, o receptor do texto não sente que a mensagem também lhe concerne e se desinteressa rapidamente.

           O eu literário, que pode ser muito diferente do eu pessoal, tende a virar arquetípico, permitindo assim que o leitor se identifique com ele. Quando o eu pessoal exige muita atenção ele pode fazê-lo, recorrendo, por exemplo, à polarização da obra para a expressão em primeira pessoa, ou fazendo óbvia demais a recriação das suas vivências particulares, evidenciando desse modo, uma mera atitude narcisista (o que será suficiente para provocar rechaço). Além disso, é possível que as recriações vertidas ao papel também tendam a apresentar pobreza imaginativa pelo simples fato de ser produto de uma visão de mundo naturalmente muito limitada.

           Por último, devemos levar em consideração que nunca será possível, em última instância, um real e objetivo conhecimento do que o leitor captará ( e nem seria salutar, em minha opinião). Quem escreve terá de  contentar-se, sem que isto signifique absolutamente um mal resultado, com forjar a imagem do que se chama um “leitor ideal”.

3.6. Deixar repousar o texto

          O momento da criação está embebido frequentemente de um estado mental especial, nele, levantam-se emoções intensas, o poeta pode se sentir como “em outra esfera”, ou inclusive, como diziam os antigos, ”possuído pelo numen...”, mas neste momento de “fogo criador”, de “parto”, é pouco habitual conseguir um poema bem acabado. Depois que esse momento criador termina, é recomendável deixar o poema guardado. Passado algum tempo (horas, dias, semanas, meses ou inclusive anos) ao reler o poema novamente, será muito fácil perceber incorreções, pontos que não fluem, que não foram percebidos durante o primeiro ímpeto da criação.

3.7. Corrigir

          Frequentemente nosso sentido da razão não é suficiente para decidir quando considerar terminado um poema. Também faz falta atender às próprias sensações, emoções e intuições. Alguns poemas precisam apenas de minutos para ser obra acabada, outros de anos; e há outros que, inclusive depois de anos, não alcançarão uma forma satisfatória.

           Alguns autores preconizam uma mínima correção enquanto outros uma correção ostensiva, e em ambos os casos, dependendo da personalidade do autor, podem ter razão. Mas também não podemos deixar de atender aos perigos das duas opiniões: primeiro deixar a obra “verde” (isto é mais provável em quem se sente um “poeta nato”); segundo, anular a vitalidade inicial do poema por excesso de correção (em quem se sente excessivamente inseguro).

           Com relação a este ponto, não sugeriria adotar um mesmo padrão para todos os casos, mas simplesmente que cada composição seja considerada individualmente, que o autor “ouça” o que precisa especificamente cada poema.

           Alguns procedimentos para a correção: abreviar, amplificar, eliminar, substituir, mudar de posição.

3.8. O fácil e o difícil

          Na nossa cultura ocidental, costumamos irmanar as noções de dificuldade e valia: se é difícil, tem mérito. Mas a experiência demonstra que um poema não deve ser obrigatoriamente melhor que outro apenas por apresentar uma estrutura mais complexa. Também existem vozes que desprezam sistematicamente o poema pelo simples fato de ser artificioso.

           Diante de tudo isso, seria conveniente não perder de vista que, em última instância, é a necessidade interior do poeta o que deve primar na hora de definir a natureza do discurso. O poema será um objeto vivo, sendo barroco ou minimalista, se estiver em consonância com esta necessidade interior.

           Dando continuidade ao que foi colocado anteriormente,  gostaria de lembrar a seguinte máxima: “Há um tempo para tudo”. Isto é, para o simples e o complexo, para o profundo e para o trivial.

3.9. Inovação formal

          Algumas estratégias:

3.9.1. Através da associação de características formais

          Exemplo: a décima espinela[10], do autor espanhol Vicente Espinel, onde se estabelece como forma fixa a associação de 10 versos de oito sílabas a um esquema de rima a b b a a c c d d c.

3.9.2. Através da associação de características formais e características semânticas

          Exemplo: o haicai japonês[11] na sua forma canônica, onde uma estrofe constituída por três versos de 5, 7, 5 sílabas se associa ao kigo, que consiste em fazer referência a alguma das estações do ano.

3.9.3. Através da expansão

          1º. Expansão do número de estrofes. Exemplo: adição de estrambotes[12] no soneto.

           2º. Expansão do número de versos. Exemplo: À estrutura do haicai são agregados dois versos de sete sílabas e desse modo é obtida uma nova figura constituída por cinco versos de 5, 7, 5, 7, 7 sílabas: o tanka[13].

3.9.4. Através da multiplicação

          Exemplo: o renga[14] ou canção encadeada, que consiste em uma sequência de tankas. Normalmente é composta por vários autores que trabalham em conjunto.

3.9.5. Através da condensação

          Exemplo: o indriso[15], que surge de um processo de condensação das estrofes do soneto.

Soneto
 4
 4
 3
 3

Indriso

3
3
1
1

3.9.6. Através da redistribuição das partes

          1º. Redistribuição do número de versos na estrofe. Exemplo: o soneto[16], cujas estrofes apresentaram inicialmente estruturas como 8-6 e 8-3-3, e que terminou se consolidando sob a forma 4-4-3-3.

           2º. Redistribuição da posição das estrofes. Exemplos: variantes do indriso[17]. Da forma inicial 3-3-1-1 (indriso ou indriso em sístole) derivam as seguintes:

           1-1-3-3: Indriso em diástole.
           3-1-3-1: Indriso de duas sístoles.
           1-3-1-3: Indriso de duas diástoles.
           3-1-1-3: Indriso em sístole interna.
           1-3-3-1: Indriso em diástole interna.

3.9.7. Através da imitação

          Como no caso dos poemas visuais que reproduzem a forma de objetos físicos.

           Exemplo: o blavino[18], forma poética ideada pelos poetas brasileiros Juliana Ruas Blasina e Volmar Camargo Junior. Este reproduz a imagem de um triângulo ou pirâmide, apresentando uma estrutura estrófica 1-2-3-1-3-2-1. O primeiro verso está formado por uma única palavra e os seguintes vão aumentando progressivamente o seu número de sílabas, até alcançar a estrofe de verso único central, que é a linha poética de maior medida. Na segunda metade do poema, a medida das linhas decresce progressivamente até o último verso, que também está constituído por uma única palavra.

3.9.8. Através da oposição

          Exemplo: o cânone do soneto em decassílabos com rima consoante ABBA ABBA CDC DCD, provoca em diversos autores a vontade de flexibilizá-lo. Desse modo, surgem variações tanto na rima como nas medidas, tais como o soneto em alexandrinos, em verso livre etc.

3.9.9. Através da fusão de objetos distintos

           1º. Fusão de formas poéticas diferentes. Exemplo: a decilira[19], ideada pelo poeta espanhol Juan Ruiz de Torres, onde as estruturas da décima e da lira (ambas as formas procedentes da tradição literária espanhola) aparecem fusionadas de acordo com o seguinte procedimento:

           - Estrutura da décima: 10 versos de oito sílabas com rima a b b a a c c d d c.

          - Estrutura da lira: 5 versos que combinam versos de onze e sete sílabas seguindo o esquema 7-11-7-7-11 e com rima a B a b B.

           - Estrutura da decilira: 10 versos, os cinco primeiros apresentam a mesma medida que a lira e os cinco últimos se combinam de forma especular em relação aos cinco primeiros             (7-11-7-7-11-11-7-7-11-7), a rima segue o esquema da décima (a B b a A C c d D c). No nível semântico, os quatro primeiros versos formam uma unidade que apresenta o tema, que será desenvolvido e resolvido nos seis seguintes, seja em um único bloco ou em várias subestrofes.

           2º. Fusão de diferentes suportes artísticos. Como nos casos onde a palavra se combina com pintura, música, fotografia, escultura, efeitos de computação gráfica etc. Exemplos disto são as obras do espanhol Joan Brossa[20] e do brasileiro Augusto de Campos[21].

––––––––
Continua…

Fonte:
http://www.indrisos.com/ensayosyarticulos/artepoeticaportugues.html#4

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to